Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Editorial

09 de Outubro de 2015 as 05:10:40



EDITORIAL - Alô, FIESP ? Tem alguém aí ?



Quuosque tamdem abutere patiencia nostra
 
 
CNI Confederação Nacional da Indústria divulgou nesta semana sua projeção piorada de retração de 2,9% do PIB em 2015. Seu número anterior era de -1,6%. A alegação para tal é a
 
"forte deterioração das contas públicas e as dificuldades para construir o ajuste fiscal determinaram uma recessão de magnitude mais intensa que a inicialmente esperada para o ano de 2015” ... “O ambiente de instabilidade se completa com taxa de inflação anual próxima de 10% e grande volatilidade nos mercados de câmbio e juros”,
 
Assim, em um jogo de expectativas que se auto realizam, a indústria brasileira mantem paralizados seus investimentos há cinco anos. Não foi essa a reação da classe empresarial esperada pelo governo federal à política de recuperação salarial da mão de obra.
 
O empresariado industrial, habituado à histórica obtenção de ganhos de produtividade a partir de achatamento salarial, não respondeu positivamente aos intensos incentivos creditícios e fiscais do governo federal, destinados aos investimentos em novas tecnologias de produção e gestão, ao desenvolvimento de novos produtos e de novos processos de trabalho.
 
O empresariado reagiu negativamente esta nova fórmula de obtenção de ganhos de produtividade defendida pelo governo federal, calcada na incorporação de tecnologias mais modernas que favorecessem ganhos de competitividade, ao invés da manutenção de salários rebaixados ao nível favorável à ampliação de lucros empresariais. 
 
Farto crédito empresarial para ampliaçao dos investimentos através do BNDES, BB, CAIXA, BNB e BASA foram oferecidos e tomados pelas empresas. Para garantir a demanda dos produtos resultantes desses investimentos, o governo federal conduziu paralelamente programas de compras governamentais no mercado interno e de valorização da produção nacional. Nesse mesmo sentido, também apoiou fortemente a ampliação da bancarização e do crédito para as pessoas físicas para que elevassem o poder aquisitivo e comprassem as mercadorias derivadas dos novos investimentos.
 
A nova fórmula permitiu a elevação da renda das famílias, a expansão da classe média e a melhoria no nível de vida de parcela importante da população antes mantida fora do mercado consumidor.
 
Contudo, como a indústria nacional não ocupou espaço, mercadorias importadas e fornecedores externos ocuparam. À renda superior, o ajuste diante da produção industrial estacionária deu-se também por meio do processo inflacionário, ora em curso.
 
A retórica utilizada pela liderança da classe industrial para justificar sua reação negativa à política publica e ao não ampliar significativamente a capacidade produtiva do parque industrial foi a da "intromissão do governo no setor privado", da "resistência do governo ao não promover as reformas estruturais"  e outras pérolas destinadas a ocultar o boicote empresarial aos investimentos em contrapartida à política pública de valorização salarial, tomada como inibidora da lucratividade. 
 
Neste momento, tem sido também utilizada a acusação de que o governo federal não realizou as auditorias necessárias nas empresas para avaliar a correta aplicaçao dos recursos financeiros obtidos junto ao BNDES  e demais bancos públicas pelas empresas, para ampliação e modernização de sua capacidade produtiva.
 
O setor industrial oferece ao País tão somente sua letargia e nega-se a fazer retornar ao Estado os recursos fiscais que teve temporariamente suspensos através do extenso programa de Desoneração Tributária empreendido pelo governo federal até 2014, no qual empresas integrantes de dezenas de segmentos obtiveram redução de seus impostos para favorecer sua modernização e ampliação de investimentos, algo que não empreenderam.
 
É passada a época da política liberal e do massacre cambial que quase sepultou sua competitividade. mas a indústria ainda não se animou a recuperar seu papel histórico no PIB brasileiro, a despeito de todo o apoio e dos subsídios pagos pela população. E embora não tenha trazido retorno econômico financeiro ao País, quer manter os favores fiscais obtidos como incentivo para oferecer contrapartida de ampliação dos investimentos, 
 
O quê fazer com o setor industrial brasileiro ? Passou da hora de acordar.


Fonte: Da Redação





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
EDITORIAL Quousque tandem abutere patientia nostra PGR et MP? 03/05/2018
EDITORIAL Quousque tandem abutere patientia nostra PGR et MP?
 
EDITORIAL  Desatinos da Elite Padrão Justo Veríssimo 24/04/2018
EDITORIAL Desatinos da Elite Padrão Justo Veríssimo
 
EDITORIAL Saudades de Ulisses Covas, Montoro, Brizola e Darci, Severo e Arraes 16/03/2018
EDITORIAL Saudades de Ulisses Covas, Montoro, Brizola e Darci, Severo e Arraes
 
EDITORIAL O rato que ruge não mais é rato: a Coreia do Norte conseguiu 28/11/2017
EDITORIAL O rato que ruge não mais é rato: a Coreia do Norte conseguiu
 
EDITORIAL Nem sempre a Casa Branca blefou ou foi falastrona 05/09/2017
EDITORIAL Nem sempre a Casa Branca blefou ou foi falastrona
 
MULHERES superam homens na criação de novos negócios, mas enfrentam obstáculos 07/08/2017
MULHERES superam homens na criação de novos negócios, mas enfrentam obstáculos
 
EDITORIAL - O Desastre da PF aclarou algumas coisas, além da carne estragada 24/03/2017
EDITORIAL - O Desastre da PF aclarou algumas coisas, além da carne estragada
 
EDITORIAL - Onde estão os Cálculos Atuariais da Reforma da Previdência ? 13/03/2017
EDITORIAL - Onde estão os Cálculos Atuariais da Reforma da Previdência ?
 
EDITORIAL - Quousque tandem abutere patientia nostraTemer ? 09/03/2017
EDITORIAL - Quousque tandem abutere patientia nostraTemer ?
 
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros 15/02/2017
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009