Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

10 de Novembro de 2017 as 00:00:00



INVESTIMENTOS - Carteira Sugerida de Ações - Novembro de 2017



Carteira Sugerida de Ações - Novembro de 2017
 
Tende a realizar, mas, sem perder o viés altista
 
Perspectivas.
 
O Ibovespa atingiu em outubro um novo pico histórico e realizou ganhos em seguida. A continuidade da temporada de balanços de empresas 3T17 e suas respectivas revisões de preços-alvos terão destaque, mas, o fiel da balança, mais uma vez, continuará sendo o fluxo de capital externo.
 
O recente incremento da retirada de recursos do mercado brasileiro, mesmo com as principais bolsas de valores internacionais em alta, não foi uma sinalização favorável.
 
Enfim, como os agentes enxergam que tudo “já está no preço”, existe a necessidade de um fato novo positivo para revitalizar um viés ascendente, mas, neste momento não parece tangível esta ocorrência, induzindo uma percepção de um viés baixista no curto prazo.
 
No horizonte doméstico, as expectativas de mercado já incorporaram para o próximo ano a taxa de juros em piso histórico, a inflação sob controle e um crescimento moderado.
 
Números mais proveitosos poderiam advir de dados do mercado de trabalho e da arrecadação do governo. De outra mão, expectativas de mercado de algum tipo de reforma da previdência praticamente se esvaíram.
 
Uma surpresa doméstica agradável seria revisões para cima de futuros lucros de empresas. Já no quadro externo, a percepção dos agentes de um comportamento mais brando pelo Fed em relação ao ciclo de elevações da taxa de juros norte-americana seria bem recebida.
 
Performance.
 
O índice doméstico findou outubro “de lado”, após renovar recordes de pontuação, tanto intradiário, como de fechamento, e vir de três meses consecutivos de firmes elevações, contabilizando variação mensal de +0,02%, bem como de +23,38% no ano e +14,45% em 12 meses.
 
Em verdade, desde o início do mês, “acumulou” entre idas e vindas ao redor dos 76 mil pts, mas, perdeu um suporte na casa dos 75 mil pts nos dois últimos pregões.
 
Esta derradeira pressão vendedora foi influenciada decisivamente pela saída de capital estrangeiro, que no último dado disponível apurou retirada no mês de R$ 902,664 milhões até o dia 27 – mesmo assim ainda perfaz ingresso de R$ 13,888 bilhões no ano.
 
O cenário doméstico foi tranquilo, com indicadores favoráveis e com a rejeição pela câmara de nova denúncia da PGR contra membros do governo – como esperado pelo mercado, além da ata do Copom deixar em aberto o fim do ciclo de afrouxamento monetário, com a taxa Selic podendo vir em 2018 abaixo dos 7,00% a.a. previstos para o final deste ano.
 
Já o panorama internacional trouxe aumento na aversão ao risco no final do mês, com a prisão domiciliar de assessores do presidente Trump, com a controversa proposta de reforma fiscal do governo e com a escolha do sucessor da presidente do Fed, Janet Yellen. Assim, o dólar acabou se elevando perante diversas moedas pelo mundo e também no Brasil.   
 
 
Análise Gráfica do Ibovespa.
 
O índice vinha de três meses seguidos de elevações, com giro financeiro condizente para sua sustentação, impulsionado pela entrada de capital externo.
 
Todavia, depois de alcançar novos recordes em outubro, a reversão destes recursos levou a devolução desta valorização no final de outubro e a perda de um suporte intermediário formado em torno dos 75.300 pts.
 
Em suma, a tendência primária continua em configuração de alta, mas o recente padrão de correção com a formação de um longo pavio superior no ápice de uma tendência ascendente poderá endossar novas realizações futuras. Próximos suportes em 73.100, 71.500 pontos e 68.600 pontos; resistências em 76.400 e 80.200 e 81.600 pontos.
 
graficos
 
Confira no anexo a íntegra do relatório elaborado por Hamilton Moreira Alves, CNPI-T, Analista Sênior. José Roberto dos Anjos, CNPI-P, Analista Sênior, ambos da equipe do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: Hamilton Moreira Alves, CNPI-T, Analista Sênior. José Roberto dos Anjos, CNPI-P, Analista Sênior, ambos da equipe do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
LOJAS  RENNER  Investor Day 2018 e Revisão de Preço 13/10/2018
LOJAS RENNER Investor Day 2018 e Revisão de Preço
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento 12/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776 12/10/2018
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776
 
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763 10/10/2018
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 09.10. Programe seu Investimento 10/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 09.10. Programe seu Investimento
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 08.10. Programe seu Investimento 08/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 08.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO 6ª feira, Ibovespa cai 0,76%. Dólar cai a R$ 3,856 06/10/2018
O MERCADO 6ª feira, Ibovespa cai 0,76%. Dólar cai a R$ 3,856
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações em 04.10 Programe seu Investimento 05/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações em 04.10 Programe seu Investimento
 
O MERCADO 5ª feira: Ibovespa cai 0,38%; Dólar estável em R$ R$ 3,883 04/10/2018
O MERCADO 5ª feira: Ibovespa cai 0,38%; Dólar estável em R$ R$ 3,883
 
O MERCADO 3ª feira: Ibovespa 3,8%, Dólar cai 2,46% a R$ 3,93 02/10/2018
O MERCADO 3ª feira: Ibovespa 3,8%, Dólar cai 2,46% a R$ 3,93
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009