Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

20 de Novembro de 2017 as 15:11:07



ELEIÇÕES NO CHILE - 2º turmo para candidatos de centro-direita e socialista


Sebastian Piñera e Alejandro Guillier
O candidato de centro-direita, Sebastian Piñera, obteve 35% dos votos em primeiro turno.
Guijermo Guillier, candidato socialista apoiado pela presidente Bachelet, obteve 27% dos votos.
 
 
O empresário Sebastián Piñera, de centro-direita, venceu o primeiro turno das eleições presidenciais do Chile - mas terá que disputar o segundo turno, no dia 19 de dezembro, com o senador socialista Alejandro Guillier, candidato da presidente Michelle Bachelet.
 
O desafio para ambos será conseguir, em um mês, o apoio dos eleitores dos outros seis candidatos que ficaram fora da corrida.
 
Piñera, de 67 anos, foi presidente do Chile de 2010 a 2014  e esperava assegurar seu segundo mandato na eleição de domingo, 19.11, com a metade mais um dos votos. Ele obteve 37% - menos que os 45% previstos por algumas pesquisas de opinião.
 
Sebastian Piñera obteve 1º lugar com 35% dos votos
 
Guillier, que promete aprofundar as reformas e conquistas sociais de Bachelet, ficou em segundo lugar com 23% dos votos.
 
Guijermo Guillier obteve 2º lugar no 1º turmo
 
Mas a grande surpresa foi o bom desempenho da terceira colocada, Beatriz Sanchez. Candidata da coligação de partidos esquerdistas, formada recentemente, ela obteve 20% dos votos, quase empatando com Guillier.
 
Beatriz Sanchez obteve 3º lugar no 1º turmo
 
No discurso de agradecimento Piñera fez um chamado aos eleitores, apelando à desilusão dos simpatizantes da coligação de centro-esquerda, que desde o fim da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) elegeu todos os governos, com exceção de um: o do próprio Piñera. Este ano foi o primeiro, em 27 anos de democracia, em que a frente enfrentou uma eleição dividida.
 
Piñera comparou os resultados desse domingo aos de 2009, quando obteve 44%  no primeiro turno e saiu vitorioso no segundo. Ele se posicionou como o candidato da mudança, que vai tirar o Chile da “estagnação” econômica dos últimos anos.
 
A popularidade de Bachelet foi afetada pela queda do preço do cobre, principal produto de exportação chileno. Ela termina seu segundo mandato em março, tendo promovido reformas tributária e educativa, cobrando mais impostos das grandes empresas e ampliando o acesso dos estudantes chilenos à educação universitária gratuita. Apesar das políticas para reduzir a desigualdade, o governo dela foi marcado pela desaceleração da economia.
 
O primeiro passo de Piñera foi garantir os votos de José Antonio Kast – o único candidato que, além dele, representa a direita.  Kast, que defende os valores da "familia militar", ficou em quarto lugar, com 8% dos votos.
 
Uma hora depois de anunciados os resultados, os dois se reuniram e Kast prometeu apoio incondicional a Piñera. Mas a aprovação de Kast pode afugentar muitos eleitores centristas. Na campanha, ele disse que o ditador Augusto Pinochet, (considerado responsável pela morte de 3 mil pessoas) foi um dos “melhores governantes chilenos” e que, se estivesse vivo, teria votado com ele.
 
Apesar de a maioria dos candidatos ser de centro-esquerda, seus eleitores não necessariamente apoiarão Guillier. Na campanha, Beatriz Sanchez, que lidera a antiga coalizão de centro-esquerda, se diferenciou do candidato de Bachelet, por considerar as reformas do governo insuficientes. No domingo, ela  evitou apoiar o segundo colocado, mas criticou as pesquisas de opinião, que só lhe davam 14%, sugerindo que se tivessem refletido seu verdadeiro desempenho, poderia ter chegado ao segundo turno.
 
Ontem, também foram eleitos 155 deputados e 23 senadores. Chile Vamos, a coligação que apoia Piñera, e a recém-criada Frente Ampla, de Beatriz Sanchez, foram os que mais aumentaram a participação no Congresso.
 
Segundo os analistas políticos, é difícil prever os resultados do segundo turno – especialmente porque as pesquisas de opinião falharam e os votos dos “indecisos” supreenderam.
 
Desde 2012, o voto deixou de ser obrigatório no Chile.


Fonte: AGENCIA BRASIL Chamada de capa da Redação JF.





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
TAILÂNDIA Jovens presos na Caverna inundada recebem apoio militar e médico 04/07/2018
TAILÂNDIA Jovens presos na Caverna inundada recebem apoio militar e médico
 
MÉXICO Novo presidente quer manter o pais no NAFTA 03/07/2018
MÉXICO Novo presidente quer manter o pais no NAFTA
 
MÉXICO Andrés Manuel López Obrador é o novo presidente 02/07/2018
MÉXICO Andrés Manuel López Obrador é o novo presidente
 
01/07/2018
COPA 2018 - Rússia derrubou Espanha neste domingo
 
EUA x CHINA Disputa comercial permanece um risco  [Analise pelo Itaú BBA] 27/06/2018
EUA x CHINA Disputa comercial permanece um risco [Analise pelo Itaú BBA]
 
ARGENTINA obtem empréstimo de US$ 50 BI do FMI 27/06/2018
ARGENTINA obtem empréstimo de US$ 50 BI do FMI
 
EUROPA Risco ITÁLIA aperta finanças e compromete crescimento 27/06/2018
EUROPA Risco ITÁLIA aperta finanças e compromete crescimento
 
TALIBAN avança no Afeganistão com 77.000 combatentes 25/06/2018
TALIBAN avança no Afeganistão com 77.000 combatentes
 
TRUMP inquieto ameaça agora sobretaxar carros europeus em 20% 25/06/2018
TRUMP inquieto ameaça agora sobretaxar carros europeus em 20%
 
RUSSIA avalia reinstalar Base Militar em Cuba, para conter EUA 25/06/2018
RUSSIA avalia reinstalar Base Militar em Cuba, para conter EUA
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009