Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

Terça-Feira, Dia 06 de Março de 2018 as 04:03:50



ITÁLIA - Coalizão de direita é a mais votada, mas não forma maioria para governar



Coalizão de direita é a mais votada na Itália, mas sem maioria para governar
 
 
Com a legenda extremista Liga Norte à frente, a direita foi a coalizão mais votada nas eleições deste domingo, 04.03, na Itália, com 37,01% de votos, enquanto o Movimento 5 Estrelas (M5S) foi a legenda com mais sufrágios com 32,53%, mas nenhum dos dois obteve maioria de governo. A informação é da EFE.
 
O resultado final divulgado nesta 2ª feira, 05.03, não é interessante para ninguém, já que somente será formado um novo governo se houver uma aliança, perante a aprovação do presidente da República, Sergio Mattarella, o que não acontecerá até o começo de abril.
 
A coligação de direita e extrema-direita une as legendas Força Itália, do ex-primeiro ministro Silvio Berlusconi, a Liga Norte, a ultradireitista Irmãos da Itália e a conservadora Quarto Polo.
 
Contrariando as pesquisas anteriores, que apontavam o partido de Berlusconi como o de maior intenção de voto dentro da coligação, o mais votado foi a Liga, um partido anti-Europa e anti-imigração, liderado por Matteo Salvini.
 
 
Crescimento
 
Após mais de 12 horas de apuração, os resultados definitivos apontam para o crescimento do M5S, que nas eleições de 2013 tinha chegado a 25% dos votos, e sobretudo a explosão em nível nacional da Liga Norte, que terminou com 17,48%, sendo que há cinco anos tinha conseguido 4,08%.
 
Com isso, a legenda de Matteo Salvini se transformou no partido mais votado da direita, ao superar em quase quatro pontos o Força Itália, de Berlusconi, que ficou com 14,03% dos votos.
 
Os dados se referem à Câmara dos Deputados, enquanto no Senado os resultados só têm pequenas diferenças, mas agora será preciso esperar a repartição das cadeiras.
 
A lei eleitoral prevê que 36% da Câmara dos Deputados e do Senado italianos sejam preenchidos com um sistema majoritário baseado em circunscrições uninominais e 64% de forma proporcional.
 
Apesar da falta de dados precisos sobre as cadeiras, estes resultados não dão a nenhuma das coalizões, nem ao M5S, a maioria dos 316 assentos necessários para governar.
 
 
Péssimo resultado
 
Os resultados oficiais também certificam a derrota do Partido Democrata (PD), do primeiro-ministro em fim de mandato Paolo Gentiloni, mas sobretudo de seu líder Matteo Renzi, ao não  superar 20% dos votos.
 
Para alguns analistas, este péssimo resultado suporá a renúncia de Renzi e durante o dia surgiu esta hipótese, logo desmentida por um porta-voz do ex-primeiro-ministro.
 
No total, a coalizão de centro-esquerda conseguiria 22,97% devido à aliança com outras forças políticas como a +Europa, de Emma Bonino, que ficou abaixo dos 3% exigidos para entrar no Parlamento e portanto tem seus votos distribuídos na coalizão.
 
A incerteza cresceu durante o dia com as declarações do líder da Liga Norte, Matteo Salvini, que defendeu seu direito a governar ao liderar a coalizão que obteve mais votos e excluiu pactos extravagantes, em referência a possíveis alianças com o M5S.
 
 
Coalizão de centro-direita
 
"A equipe sobre a qual raciocinar e governar é a da centro-direita. Mantenho a minha palavra e o meu compromisso, que é com a coalizão de centro-direita, que ganhou e pode governar. Disse durante a campanha que escutaria e falaria com todos, mas a equipe é a da centro-direita",
 
disse Salvini sobre os parceiros da coalizão.
 
Mais conciliador se mostrou o candidato do Movimento Cinco Estrelas (M5S), Luigi Di Maio, que embora inicialmente tenha se apresentado hoje como "vencedor absoluto", posteriormente disse que está "aberto a negociar com outros partidos" perante a ausência de uma maioria.
 
Com este cenário, os passos a seguir para iniciar a legislatura serão, primeiro, a convocação da Câmara dos Deputados e do Senado para escolher os presidentes, prevista para 23 de março. Os possíveis acordos para escolher os presidentes do Parlamento poderiam já servir de indicação ao chefe de Estado, Sergio Mattarella, que depois abrirá uma rodada de consultas para formação do novo governo.
 
Mattarella terá que escolher assim a personalidade a quem encarregar de formar um Executivo entre Salvini ou Di Maio, já que ambos não parecem querer ceder a presidência do governo.


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
UE-MERCOSUL MERKEL vê dificuldades em acordo com governo Bolsonaro 12/12/2018
UE-MERCOSUL MERKEL vê dificuldades em acordo com governo Bolsonaro
 
HUAWEI Canadá autoriza executiva da Huawei a deixar prisão após pagar fiança 11/12/2018
HUAWEI Canadá autoriza executiva da Huawei a deixar prisão após pagar fiança
 
CATÁSTOFRE paira sobre economia norte-americana, advertem analistas 07/12/2018
CATÁSTOFRE paira sobre economia norte-americana, advertem analistas
 
OPEP tende a cortar a produção de petróleo apesar de Trump 06/12/2018
OPEP tende a cortar a produção de petróleo apesar de Trump
 
ARGENTINA muda Política Monetária por Desaceleração da Inflação 06/12/2018
ARGENTINA muda Política Monetária por Desaceleração da Inflação
 
TERREMOTO NO CHILE de magnitude 5,2 na escala Richter, nesta 4ª feira 06/12/2018
TERREMOTO NO CHILE de magnitude 5,2 na escala Richter, nesta 4ª feira
 
MACRI - Presidente da Argentina confirma presença na posse de Bolsonaro 05/12/2018
MACRI - Presidente da Argentina confirma presença na posse de Bolsonaro
 
POVO NAS RUAS - MACRON suspende Reajuste de Impostos sobre Combustíveis 04/12/2018
POVO NAS RUAS - MACRON suspende Reajuste de Impostos sobre Combustíveis
 
GASODUTO NORD STREAM-2 Ministro Alemão insiste na Construção Contrariando Interesse dos EUA 04/12/2018
GASODUTO NORD STREAM-2 Ministro Alemão insiste na Construção Contrariando Interesse dos EUA
 
ARGENTINA E RÚSSIA lideram negociações entre Mercosul e União Euroasiática 02/12/2018
ARGENTINA E RÚSSIA lideram negociações entre Mercosul e União Euroasiática
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009