Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

18 de Maio de 2018 as 23:05:33



CÂMBIO - Dólar fecha a R$ 3,74. Dólar Turismo alcança R$ 3,93



 
Um dia após o COPOM Comitê de Política Monetária do Banco Central ter decidido manter a taxa SELIC nos 6,5% ao ano, na 6ª feira, 18.05, o Real manteve-se em desvalorização pelo 6º pregão consecutivo, com a cotação do Dólar elevando-se 1,04% a R$ 3,74, em relação à cotação da 5ª feira. 
 
Na semana a desvalorização do Real frente ao Dólar americano acumulou 3,85%; e no ano, 11,39%.
 
As incertezas econômicas e políticas internacionais, bem como a frustração do avanço da economia brasileira e as dúvidas quanto à capacidade da elite nacional, responsável pelo golpe de estado de 2016, de gerir as eleições de outubro/2018 segundo seus próprios interesses, estão impulsionando para cima a cotação do Dólar americano. 
 
 
Dólar Turismo
 
Em casas de câmbio de São Paulo, o dólar turismo, usado para quem vai fazer uma viagem internacional, foi vendido a R$ 3,93, nas ofertas mais baratas para a compra em dinheiro vivo em papel-moeda. Para compra de dólares na forma de cartão pré-pago, o preço de venda oscilou entre R$ 4,09 e R$ 4,10.   
 
Na última 4ª feira, o COPOM Comitê de Política Monetária do Banco Central (BC) decidiu manter os juros básicos da economia brasileira em 6,5% ao ano, numa tentativa de lidar com o aumento da volatilidade internacional de capitais.
 
A desvalorização do Real também pode ter influenciado a decisão do BC de manter a taxa Selic no mesmo patamar, uma vez que dólar mais caro pode significar aumento da inflação no médio prazo, devido ao encarecimento de produtos e serviços importados em moeda estrangeira.
 
O Banco Central também vem tentando conter a volatilidade no mercado de câmbio com ajustes na comercialização de swaps, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro. Desde o começo da semana, a autoridade monetária iniciou a oferta diária de rolagem integral de 4.225 contratos de swaps.
 
Além disso, passou a fazer a oferta adicional de 5 mil novos contratos ao longo do mês e não apenas ao final, como estava previsto. A ideia, com isso, é manter aplicações em dólar no país, evitando a fuga da moeda que impacta na desvalorização do real. 


Fonte: da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
FICHT Agência de Risco mantém Nota Baixa para o Brasil 21/05/2019
FICHT Agência de Risco mantém Nota Baixa para o Brasil
 
CÂMBIO BC leiloará US$ 3,75 BI das Reservas para Conter Alta do Dólar 19/05/2019
CÂMBIO BC leiloará US$ 3,75 BI das Reservas para Conter Alta do Dólar
 
NOVA CRISE no Radar da Economia Mundial 18/05/2019
NOVA CRISE no Radar da Economia Mundial
 
Economista da FGV diz que brigas do presidente prejudicam crescimento 18/05/2019
Economista da FGV diz que brigas do presidente prejudicam crescimento
 
ARRECADAÇÃO menor levou ao contingenciamento, diz Bolsonaro 16/05/2019
ARRECADAÇÃO menor levou ao contingenciamento, diz Bolsonaro
 
ATA DO COPOM  Taxa Selic ainda em nível confortável, mas espera-se que BC corte a Selic 15/05/2019
ATA DO COPOM Taxa Selic ainda em nível confortável, mas espera-se que BC corte a Selic
 
PIB Mensal recua em março 15/05/2019
PIB Mensal recua em março
 
PIBINHO DO GUEDES  Atividade Econômica cai 0,68%, no 1º Trimestre segundo o BC 15/05/2019
PIBINHO DO GUEDES Atividade Econômica cai 0,68%, no 1º Trimestre segundo o BC
 
TESOURO DIRETO paga valor recorde de R$ 9 bi a 122 mil Investidores 15/05/2019
TESOURO DIRETO paga valor recorde de R$ 9 bi a 122 mil Investidores
 
AZUL oferece US$ 145 milhões para comprar parte da AVIANCA 13/05/2019
AZUL oferece US$ 145 milhões para comprar parte da AVIANCA
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites