Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

Sexta-Feira, Dia 08 de Junho de 2018 as 01:06:59



ARGENTINA anuncia acordo com o FMI



Argentina anuncia acordo com o FMI
 
 
O governo argentino anunciou nesta 5ª feira, 07.06, um acordo stand-by  com o FMI Fundo Monetário Internacional, que colocará US$ 50 bilhões a disposição do país durante 36 meses. Esta é a primeira vez que a Argentina recorre à instituição internacional desde 2005. 
 
A decisão de pedir um empréstimo preventivo (que não será necessariamente usado, mas cujo desembolso depende do cumprimento de determinadas metas) foi tomada pelo presidente Maurício Macri depois que o país enfrentou uma corrida cambial em maio.
 
“Um aspecto muito importante desse acordo são as cláusulas sociais, inéditas”,
 
disse o ministro da Fazenda, Nicolas Dujovne. O acordo prevê mais flexibilidade no cumprimento de metas, caso o país sinta a necessidade de investir mais em planos sociais. Tanto na crise argentina de 2001, quando nas mais recentes crises enfrentadas pela Espanha e pela Grécia, o FMI foi criticado ao cobrar ajustes maiores dos que a sociedade era capaz de enfrentar.
 
O principal desafio do governo argentino será reduzir o gasto público e a inflação, que este ano supera os 20%. O Banco Central prometeu reduzir o índice inflacionário a 17% até o final de 2019 e até 13% em 2020. Se as metas forem cumpridas, a Argentina terá uma inflação de 9% em 2021.
 
O acordo também prevê um déficit fiscal de 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) este ano e de 1,3% em 2019.  O presidente do Banco Central da Argentina, Federico Sturzenegger, disse que a entidade deixará de financiar o Tesouro – e com isso reduzirá os gastos do governo.
 
“Durante 70 anos convivemos com a inflação porque o Banco Central transferia recursos ao Tesouro para financiar o déficit”,
 
disse.
 
“Vamos apagar o que os argentinos chamam de maquininha [de imprimir dinheiro]”.
 
Segundo Dujovne, o acordo “evitou uma crise” na Argentina, que foi afetada pela decisão dos Estados Unidos de aumentar as taxas de juros, pela desvalorização de várias moedas de economias emergentes (entre elas o real) e também por uma seca, que resultou numa queda de US$ 8 bilhões nas exportações agrícolas.
 
O governo também enfrenta as pressões dos sindicatos, que exigem aumentos salariais para fazer frente ao aumento do custo de vida que, em 2017, superou os 20%. 


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
Apoio a BOLSONARO afasta RIVALDO e RONALDINHO GAÚCHO do BARCELONA 16/10/2018
Apoio a BOLSONARO afasta RIVALDO e RONALDINHO GAÚCHO do BARCELONA
 
EUA x CHINA A Visão do Embaixador da China nos EUA 15/10/2018
EUA x CHINA A Visão do Embaixador da China nos EUA
 
FASCISMO - 09/10/2018
FASCISMO - "Temos de reagir ao fascismo na América Latina" diz MADURO
 
ITAMARATI cobra explicações sobre suposto Suicídio de Opositor de MADURO 09/10/2018
ITAMARATI cobra explicações sobre suposto Suicídio de Opositor de MADURO
 
BOLSONARO ganha no Exterior; CIRO fica em segundo 08/10/2018
BOLSONARO ganha no Exterior; CIRO fica em segundo
 
HADDAD 07/10/2018
HADDAD "PT apresentou candidatura com sabedoria", afirma ex-ministro argentino
 
EUA x CHINA Conflito já não é mais somente comercial, afirma especialista 06/10/2018
EUA x CHINA Conflito já não é mais somente comercial, afirma especialista
 
POTENCIAS querem livrar-se da Hegemonia do DÓLAR 06/10/2018
POTENCIAS querem livrar-se da Hegemonia do DÓLAR
 
PETRÓLEO Barril deve passar dos US$ 100 nas próximas semanas 06/10/2018
PETRÓLEO Barril deve passar dos US$ 100 nas próximas semanas
 
HADDAD 04/10/2018
HADDAD "PT apresentou candidatura com sabedoria", afirma ex-ministro argentino
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009