Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

11 de Junho de 2018 as 00:06:18



ILAN GOLDFAJN Cenário menos favorável no exterior, recursos migram aos EUA



O Banco Central anunciou em 07.06, a realização de US$ 20 bilhões em leilões adicionais de contrato de swap cambial, - venda de dólares no mercado futuro. 
 
 
A intervenção no cãmbio buscava conter a forte alta do dólar que havia fechado o pregão cotado a R$ 3,926, o maior valor desde 1º de março de 2016. A ação surtiu efeito e por volta das 13h de 08.06, 6ª feira, a moeda norte-americana registrava queda de 4,59%, sendo cotado para venda a R$ 3,7455.
 
O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, disse na 6ª feira, 08.06, que é preciso reduzir a indexação da economia brasileira, ou seja, os reajustes automáticos de preços a partir da inflação passada. Segundo ele, “essa cultura” tende a ser mudada à medida que a inflação seja mantida em patamares baixos. 
 
“Se a gente conseguir manter a inflação baixa, vamos conseguir reduzir a indexação”, 
 
disse ao participar de um almoço promovido pelo Instituto Brasileiro de Executivos Financeiros.
 
Goldfajn atribuiu a alta do dólar a um cenário externo menos favorável, com os recursos migrando para economias mais fortes.
 
“O cenário externo está menos benigno. Eu diria, mais desafiador, mais volátil. E o que tem de fundo é uma realocação em direção a países avançados, em especial os EUA",
 
disse lembrando que as taxas de juros norte-americanas têm subido, atraindo os investidores.
 
Segundo o presidente, o Banco Central está preparado para fazer novas intervenções para amortecer a volatilidade do câmbio.
 
“Estamos aqui ajudando o mercado enquanto for necessário”.
 
Inflação
 
Para Goldfajn, o patamar de inflação registrado atualmente no Brasil vai ajudar o país a passar com mais tranquilidade pelas flutuações do câmbio que vem acontecendo nos últimos dias, evitando medidas como grandes altas na taxa de juros para conter o aumento de preços. 
 
“A gente está nesse período de mais volatilidade com uma inflação baixa. A gente tem hoje uma inflação em 12 meses de 2,46%. A meta é 4,5%. Nós estamos abaixo de 3%. Nesse período mais volátil, a gente começa com uma inflação mais baixa. Isso nos permite uma tranquilidade maior sob o ponto de vista de política monetária”,
 
disse.


Fonte: AGENCIA BRASIL, com copidescagem da Reação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
FICHT Agência de Risco mantém Nota Baixa para o Brasil 21/05/2019
FICHT Agência de Risco mantém Nota Baixa para o Brasil
 
CÂMBIO BC leiloará US$ 3,75 BI das Reservas para Conter Alta do Dólar 19/05/2019
CÂMBIO BC leiloará US$ 3,75 BI das Reservas para Conter Alta do Dólar
 
NOVA CRISE no Radar da Economia Mundial 18/05/2019
NOVA CRISE no Radar da Economia Mundial
 
Economista da FGV diz que brigas do presidente prejudicam crescimento 18/05/2019
Economista da FGV diz que brigas do presidente prejudicam crescimento
 
ARRECADAÇÃO menor levou ao contingenciamento, diz Bolsonaro 16/05/2019
ARRECADAÇÃO menor levou ao contingenciamento, diz Bolsonaro
 
ATA DO COPOM  Taxa Selic ainda em nível confortável, mas espera-se que BC corte a Selic 15/05/2019
ATA DO COPOM Taxa Selic ainda em nível confortável, mas espera-se que BC corte a Selic
 
PIB Mensal recua em março 15/05/2019
PIB Mensal recua em março
 
PIBINHO DO GUEDES  Atividade Econômica cai 0,68%, no 1º Trimestre segundo o BC 15/05/2019
PIBINHO DO GUEDES Atividade Econômica cai 0,68%, no 1º Trimestre segundo o BC
 
TESOURO DIRETO paga valor recorde de R$ 9 bi a 122 mil Investidores 15/05/2019
TESOURO DIRETO paga valor recorde de R$ 9 bi a 122 mil Investidores
 
AZUL oferece US$ 145 milhões para comprar parte da AVIANCA 13/05/2019
AZUL oferece US$ 145 milhões para comprar parte da AVIANCA
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites