Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

27 de Julho de 2018 as 02:07:26



FIBRIA - Resultados no 2º trimestre/2018: Números Fortes



FIBRIA
 
2Q18: números fortes e manutenção de bons fundamentos
 
 
A Fibria anunciou hoje (25.07) seus resultados do 2T18, os quais, em nossa opinião, vieram fortemente positivos, na esteira de 
 
(i)   maiores preços realizados de celulose, 
(ii)  melhor impacto da variação cambial e 
(iii) maiores volumes vendidos no período, apesar dos efeitos da greve dos caminhoneiros. 
 
O EBITDA veio 37% maior quando comparado ao trimestre anterior, em BRL 2,499 mm, e 6,3% acima das nossas expectativas.
 
No nosso relatório de Prévias, mencionamos que os volumes deveriam crescer t/t e a/a mesmo com os efeitos negativos da greve, principalmente em razão do ramp up de HII e demanda crescente no período, respeitando a sazonalidade. Os custos foram impactados por ambas as paradas no período: maior que esperada parada de inspeção em HII e a parada não-programada pela greve.
 
Com relação ao mercado de celulose, conforme informado em nosso relatório de prévias, os preços médios da celulose BHKP na Europa ficaram USD 1.046/t no 2T18 ante USD 1.014/t no 1T18 (+3.0%), remanescente dos aumentos anunciados no início do ano.
 
Na China, em média, a BHKP ficou em USD 770/t, apenas 1.3% acima t/t, onde vemos alguma resistência, apesar de acreditarmos que muito seja em razão da sazonalidade. 
 
Já para NBSK na Europa, o aumento foi de 9,6% t/t para USD 1.167/t. A oferta de celulose mundial passou por certas dificuldades que afetaram a produção no trimestre, como disponibilidade de madeira e problemas técnicos em algumas plantas. A situação deteriorou com a greve no Brasil, que, somada aos impactos negativos ao redor do mundo, removeu ~630 kton de capacidade do mercado no período. 
 
Assim, com a entrada de novas máquinas de papel vindo ao mercado, juntamente com estoques em níveis abaixo da média histórica e a forte demanda na Ásia e na América do Norte, acreditamos em fundamentos fortes para os próximos meses. Lembramos ainda que alguns pares internacionais já anunciaram aumentos de preços a serem implementados desde o início de julho.
 
Considerando os fortes fundamentos para o segmento, atualizamos nossos preços de celulose para o LP, o que afetou os preços-alvos de todas as empresas de nosso universo de cobertura, conforme divulgado em nosso relatório de prévias. 
 
Temos um preço-alvo para 2018 de FIBR3 em BRL 81.50/ação, e mantivemos nossa recomendação em Market Perform, devido à limitação de ganhos da ação com a aproximação da conclusão do deal com a Suzano
 
 
Resultados consolidados. 
 
A produção total chegou à 1.600 kton no 2T18, estável t/t, afetada por um lado pela greve e pela parada de inspeção em HII e, por outro lado, por menor impacto de paradas programadas versus o 1T e maior número de dias de produção. 
 
Com relação às vendas, no trimestre, houve alta de 11% t/t (+15.2% a/a), a 1.768 kton, devido à maior demanda na Ásia e América do Norte e volumes vindos de HII e Klabin. A Receita somou BRL 4.722 mm (2,2% acima das nossas estimativas), 28% maior t/t e 70% acima a/a, positivamente impactada por maiores volumes vendidos, câmbio favorável e melhores preços realizados no período.
 
 
Custo-caixa impactado pela greve e compensado em parte pela venda de energia.
 
No período, o custo caixa ficou em BRL 668/t, queda de 6% t/t e alta de 1% a/a em razão de 
 
(i)   paradas programadas e não-programadas 
(ii)  melhores taxas de câmbio, e,
(iii) maiores custos de químicos, parcialmente compensados por 
(iv) maior venda de energia. O custo caixa ex-parada ficou em BRL 598/t (-4,5% t/t e -9,4% a/a). 
 
O EBITDA ajustado veio bem forte e somou BRL 2.499 mm, 6,3% acima das nossas estimativas (+38% t/t e +136% a/a) A margem EBITDA ficou em 53,6%, melhorando 4 p.p. t/t e 15 p.p. a/a, e ainda 4.0 p.p. acima das nossas expectativas.
 
 
Resultado Financeiro e Alavancagem. 
 
Esperávamos um resultado financeiro negativo de BRL 294 mn; entretanto, houve no trimestre um impacto negativo de BRL 1.502 mn de variação cambial. No final, o resultado financeiro fechou em negativos BRL 2.239 mn. O resultado final, por sua vez, fechou negativo em BRL 210 mn (estimativas BB-BI: +BRL 723 mm).
 
Com relação ao endividamento, a dívida bruta somou BRL 21.023 mn no período, +11% t/t e +12% a/a, ao passo que a dívida líquida chegou a BRL 13.804 mn, +8% t/t e 10% a/a.
 
O índice dívida líquida/EBITDA fechou o trimestre em 1,58x em USD, contra 2,02x no 1T18 e 1,83x em BRL, contra 2,08x no 1T18, menor nível desde 2015.
 
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do desempenho da FIBRIA no 2º trimestre/2018, elaborado por GABRIELA E. CORTEZ, Analista Sênior, do BB Investimentos
 

Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do desempenho da AMBEV no 2º trimestre/2018, elaborado por Luciana Carvalho Analista Sênior, do BB Investimentos


Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: BB INVESTIMENTOS





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO na 3ª feira: Ibovespa sobe 2,83%. Dólar cai a R$ 3,722 17/10/2018
O MERCADO na 3ª feira: Ibovespa sobe 2,83%. Dólar cai a R$ 3,722
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 15.10 Programe seu Investimento 15/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 15.10 Programe seu Investimento
 
O MERCADO 2ª feira: Ibovespa sobe 0,53%. Dólar cai a R$ 3,738 15/10/2018
O MERCADO 2ª feira: Ibovespa sobe 0,53%. Dólar cai a R$ 3,738
 
LOJAS  RENNER  Investor Day 2018 e Revisão de Preço 13/10/2018
LOJAS RENNER Investor Day 2018 e Revisão de Preço
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento 12/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 11.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776 12/10/2018
O MERCADO na 5ª feira: Ibovespa cai 0,95%. Dólar sobe a R$ 3,776
 
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763 10/10/2018
O MERCADO 4ª feira: Mau humor externo faz Ibovespa cair 2,8% e Dólar subir a R$ 3,763
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 09.10. Programe seu Investimento 10/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 09.10. Programe seu Investimento
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 08.10. Programe seu Investimento 08/10/2018
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 08.10. Programe seu Investimento
 
O MERCADO 6ª feira, Ibovespa cai 0,76%. Dólar cai a R$ 3,856 06/10/2018
O MERCADO 6ª feira, Ibovespa cai 0,76%. Dólar cai a R$ 3,856
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009