Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Quinta-Feira, Dia 06 de Setembro de 2018 as 10:09:25



O MERCADO na 4ª feira: Bolsa sobe 0,51%, Dólar cai a R$ 4,142



Diário de Mercado - 05 de setembro 2018
 
Ativos domésticos têm alívio mesmo com quedas no exterior
 
Comentário.
 
Em dia ruim para os mercados acionários pelo mundo, o Ibovespa avançou moderadamente retomando os 75 mil pts, ao passo que dólar e juros futuros registraram leve arrefecimento.
 
O alívio doméstico, visto também em outros mercados emergentes, é apontado como passageiro, uma vez que as condições adversas permanecem presentes – Turquia e Argentina ainda não lograram êxito na solução de suas crises.
 
Por aqui, o mercado aguardava as importantes pesquisas de intenção de voto de Ibope e Datafolha, mas estas foram suspensas ou canceladas em razão dos imbróglios jurídicos que rondam o quadro eleitoral. No exterior, os agentes acompanham com preocupação as negociações comerciais entre Canadá e EUA, um possível desentendimento pode gerar desdobramentos negativos para o comércio global.         
 
Ibovespa.
 
Após cair do patamar dos 78 mil pts aos 74 mil pts em 5 pregões, o principal índice doméstico registrou avanço moderado nesta quarta-feira, retornando aos 75 mil pts. As blue chips subiram de maneira generalizada, destacaram-se com ganhos relevantes Suzano e B3, além de boa recuperação de boa parte do setor de varejo. Já Ultrapar e Fibria lideraram as perdas, considerando seu peso no Ibovespa.
 
O índice fechou aos 75.092 pts (+0,51%), acumulando recuo de 2,07% em setembro, queda de 1,71% no ano e alta de 4,08% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 9,2 bilhões, sendo R$ 8,9 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 03 (último dado disponível), houve retirada líquida de R$ 36,060 milhões em capital estrangeiro da B3. Em 2018, há déficit de capital estrangeiro em R$ 3,024 bilhões.  
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o PMI Serviços caiu de 50,4 pts em julho para 46,8 pts em agosto, pressionado pelo enfraquecimento da demanda. Já o PMI Composto também caiu firme, mas de modo menos acentuado, de 50,4 pts em julho para 47,8 pts em agosto, em decorrência da contribuição positiva do PMI Manufatura divulgado na véspera. 
 
Nos EUA, a balança comercial registrou em julho o maior déficit desde fevereiro, em US$ 50,1 bi, ante US$ 45,7 bi (revisado de US$ 46,3 bi) em junho – ligeiramente acima do consenso. A política fiscal expansionista, além de desaceleração econômica no exterior, contribuiu para um avanço das importações e arrefecimento das exportações. 
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar comercial (interbancário) teve sessão volátil nesta quarta-feira, atingindo os R$ 4,18 na máxima e R$ 4,11 em sua mínima. As perdas da divisa a caminho do fim do pregão estiveram em linha com o avanço das moedas emergentes após dias de perdas relevantes. Real, lira e peso tiveram os melhores desempenhos na cesta das principais moedas.
 
A divisa fechou valendo R$ 4,1420 (-0,24%), passando a acumular alta de 1,89% em setembro, 24,95% no ano e de 32,93% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco medido pelo CDS Brasil de 5 anos caiu a 297 pts, ante 306 pts da véspera.
 
Juros.
 
Em dia de alívio, mesmo que apontado como passageiro, para as economias emergentes, os juros futuros encerraram a sessão regular com ajustes de baixa na seção curta da curva e mais próximos da estabilidade nos contratos de médio e longo prazos.
 
Em meio às incertezas do cenário eleitoral, além da crise dos emergentes, a estrutura a termo da curva apresenta prêmios superiores àqueles vistos pós greve dos caminhoneiros, especialmente nos vértices de médio e longo prazos. 
 
Para a semana.
 
No Brasil, destaque para o IPCA de agosto, além da divulgação dos dados do setor de veículos pela Anfavea. Nos EUA, serão divulgados os tradicionais indicadores de emprego da primeira semana do mês; ADP (vagas no setor privado) e o payroll. Na China, balança comercial. 
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 4ª feira, 05.09.2018, elaborado por RICARDO VIEITES, CNPI, HAMILTON ALVES, CNPI-T. e RAFAEL REIS, CNPI-P, integrantes do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: RICARDO VIEITES, CNPI, HAMILTON ALVES, CNPI-T. e RAFAEL REIS, CNPI-P, integrantes do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
JBS  Resultados no 3º Trimestre/ 2018: Forte Geração de Caixa 17/11/2018
JBS Resultados no 3º Trimestre/ 2018: Forte Geração de Caixa
 
BANCO CENTRAL Sai ex-Diretor do ITAÚ, entra Diretor do Banco SANTANDER 17/11/2018
BANCO CENTRAL Sai ex-Diretor do ITAÚ, entra Diretor do Banco SANTANDER
 
MAHLE METAL LEVE Resultados no 3º trimestre/2018: Vendas Fortes 17/11/2018
MAHLE METAL LEVE Resultados no 3º trimestre/2018: Vendas Fortes
 
M DIAS BRANCO  Resultados do 3T18 e Atualização de Preços futuros das Ações 17/11/2018
M DIAS BRANCO Resultados do 3T18 e Atualização de Preços futuros das Ações
 
O MERCADO 6ª feira Ibovespa sobe 2,96% Dólar cai a R$ 3,738 17/11/2018
O MERCADO 6ª feira Ibovespa sobe 2,96% Dólar cai a R$ 3,738
 
O MERCADO 4ª feira: Ibovespa sobe 1,25% Dólar cai a R$ 3,783 14/11/2018
O MERCADO 4ª feira: Ibovespa sobe 1,25% Dólar cai a R$ 3,783
 
O MERCADO 2ª Feira: Ibovespa cai 0,14% a 85.524,7 pts. Dólar sobe a R$ 3,759 13/11/2018
O MERCADO 2ª Feira: Ibovespa cai 0,14% a 85.524,7 pts. Dólar sobe a R$ 3,759
 
O MERCADO 6ª feira: Ibovespa estável; Dólar cai R$ 3, 738 10/11/2018
O MERCADO 6ª feira: Ibovespa estável; Dólar cai R$ 3, 738
 
BRF - Resultado no 3º Trimestre/2018: Recuperação no Trimestre 10/11/2018
BRF - Resultado no 3º Trimestre/2018: Recuperação no Trimestre
 
O MERCADO 5ª feira: Ibovespa cai 2,39% a 85390 pts; Dólar sobe a R$ 3,747 08/11/2018
O MERCADO 5ª feira: Ibovespa cai 2,39% a 85390 pts; Dólar sobe a R$ 3,747
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009