Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Política

Segunda-Feira, Dia 01 de Outubro de 2018 as 01:10:55



PROTESTOS gigantescos contra Bolsonaro e a extrema direita



"Ele Não" ofusca alta hospitalar de Bolsonaro
 
 
A alta hospitalar do candidato presidencial de extrema-direita, Jair Bolsonaro, foi ofuscada neste fim de semana por grandes manifestações, com o crescimento de preocupações sobre suas tendências autoritárias.
 
Bolsonaro voou de São Paulo para sua casa no Rio de Janeiro no sábado, três semanas depois de ser esfaqueado durante a campanha eleitoral, enquanto dezenas de milhares de mulheres ocupavam as ruas de cidades brasileiras para protestar contra suas posições extremistas antes da eleição de 7 de outubro.
 
O site de notícias G1 informou protestos anti-Bolsonaro em todos os 27 estados do Brasil, gerados por um grupo do Facebook chamado Women United Against Bolsonaro, no qual quase 4 milhões de pessoas se juntaram. Manifestações pró-Bolsonaro aconteceram em 16 estados, segundo o site.
 
O site da revista piauí chamou as manifestações de “históricas” e imprimiu uma foto de uma enorme multidão em São Paulo, na qual os organizadores afirmaram que meio milhão de pessoas compareceram, embora a polícia não fornecesse uma estimativa.
 
No Rio, a grande multidão que encheu o centro da cidade foi notável por sua diversidade - com mulheres de todas as idades, muitas das quais trouxeram crianças, homens e manifestantes LGBT, cantando “não ele”, uma hashtag anti-Bolsonaro que se tornou uma campanha slogan compartilhado por celebridades como Madonna.
 
Muitos manifestantes expressaram preocupação com a declaração de Bolsonaro em uma entrevista na televisão na sexta-feira de que ele não aceitaria nenhum resultado eleitoral que não vencesse por causa de seu endosso à ditadura militar que governou o Brasil por duas décadas.
 
Flavia Carvalho, 40, uma funcionária civil, carregava uma faixa “não ele” projetada em torno de um desenho animado de Adolf Hitler. "Ele está pregando o fascismo", disse ela. Outros disseram que estavam protestando contra as visões sexistas, racistas e homofóbicas que Bolsonaro expressou.
 
“Ele é sexista. Ele é misógino. Ele é racista ”,
 
disse Ana Paulo Gonçalves, 24 anos, professora.
 
"Ele quer voltar para a ditadura militar",
 
disse sua irmã Christine, 29, uma designer.
 
Bolsonaro, ex-capitão do exército e veterano legislador, atualmente lidera as pesquisas para uma votação no primeiro turno em 7 de outubro. Em segundo lugar está Fernando Haddad, um ex-prefeito de São Paulo que tomou o lugar do formidável e popular ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva depois que a candidatura de Lula foi barrada porque ele está cumprindo uma sentença de prisão por corrupção.
 
Bolsonaro e Haddad devem enfrentar um segundo turno em 28 de outubro.
 
Fazendo uso adepto do WhatsApp e das mídias sociais, a Bolsonaro construiu apoio em todo o Brasil, atacando o Partido dos Trabalhadores de Lula por seu envolvimento em um esquema enorme de corrupção e defendendo uma abordagem linha-dura à lei e à ordem.
 
Seus pontos de vista ressoaram com os brasileiros irritados e com medo da corrupção endêmica e do aumento do crime violento. Os torcedores organizam manifestações drive-by, percorrendo cidades em todo o Brasil em comboios de carros e motos, agitando bandeiras e chifres.
 
As divisões Bolsonaro provoca no Brasil eram evidentes em um vídeo dele embarcar no vôo de sábado de São Paulo. Enquanto alguns passageiros o regalavam com cânticos de “lenda”, outros gritavam “fascista” e “não ele”.
 
Em entrevista à televisão transmitida na sexta-feira, Bolsonaro sugeriu que as forças armadas do Brasil poderiam intervir se seus principais rivais, o partido esquerdista dos Trabalhadores, "cometessem uma falta" na eleição.
 
"Eu não aceito uma eleição que não seja eu eleito",
 
disse Bolsonaro ao repórter José Datena, acrescentando que o sistema de votação eletrônica do Brasil poderia ser fraudado pelo Partido dos Trabalhadores, mas sem fornecer provas.
 
Bolsonaro goza de amplo apoio entre a polícia e os militares. Seu candidato a vice-presidente, o general Hamilton Mourão, enervou os brasileiros recentemente, quando disse em uma situação de “anarquia”, um presidente poderia declarar um “golpe automático”. Ambos elogiam a ditadura militar que governou o Brasil entre 1964 e 1985, torturando e executando adversários.
 
“Eu vivi [durante] essa fase”,
 
disse Maria do Carmo, de 84 anos, que protestava no Rio e viu parentes aprisionados pelo regime militar.
 
"Foi terrível."
 
No domingo, o jornal Folha de S.Paulo convocou os dois principais candidatos a se comprometerem com a democracia, acusando Bolsonaro de "estimular paranóias de manipulação" e criticando o Partido dos Trabalhadores por seus ataques ao sistema de justiça pelo aprisionamento de Lula. motivado


Fonte: THE GUARDIAN, de Londres





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
TSE proíbe Mentira-KIT GAY da campanha BOLSONARO. Youtube e Facebook excluem 16/10/2018
TSE proíbe Mentira-KIT GAY da campanha BOLSONARO. Youtube e Facebook excluem
 
IBOPE: Bolsonaro com 59% dos votos válidos; Haddad, 41% 15/10/2018
IBOPE: Bolsonaro com 59% dos votos válidos; Haddad, 41%
 
FACHIN arquiva inquérito de Zeca do PT e Blairo Maggi: 15/10/2018
FACHIN arquiva inquérito de Zeca do PT e Blairo Maggi: "Não há indícios das supostas condutas"
 
Partidos lançam frente de apoio a HADDAD e MANUELA D´AVILA: PCdoB PROS PSB PCB PSOL 15/10/2018
Partidos lançam frente de apoio a HADDAD e MANUELA D´AVILA: PCdoB PROS PSB PCB PSOL
 
HADDAD pretende fazer “Arco de Alianças” contra Retrocessos 15/10/2018
HADDAD pretende fazer “Arco de Alianças” contra Retrocessos
 
BOLSONARO afirma que capitães vão mandar no Brasil 15/10/2018
BOLSONARO afirma que capitães vão mandar no Brasil
 
HADDAD busca o Centro e prega Estabilidade Democrática 14/10/2018
HADDAD busca o Centro e prega Estabilidade Democrática
 
HADDAD recebe carta de apoio e apreço de integrantes do PSDB 11/10/2018
HADDAD recebe carta de apoio e apreço de integrantes do PSDB
 
PDT dá apoio crítico a HADDAD; 05 Partidos definem neutralidade; 11/10/2018
PDT dá apoio crítico a HADDAD; 05 Partidos definem neutralidade;
 
PAULO GUEDES  Economista de Bolsonaro nega volta da CPMF 09/10/2018
PAULO GUEDES Economista de Bolsonaro nega volta da CPMF
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009