Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

17 de Março de 2019 as 02:03:54



BANCOS BRASILEIROS Análise de Desempenho - Janeiro/2019



Setor Financeiro -  BANCOS BRASILEIROS
Análise de Desempenho Setorial -  Janeiro 2019
 
Neutro, aguardando os próximos passos
 
 
Os dados de crédito de janeiro divulgados pelo Banco Central do Brasil (BCB) trouxeram alguns ajustes nos números de 2018, como em algumas linhas de empréstimos a pessoas jurídicas. O total de empréstimos caiu 0,9% m/m, enquanto a relação crédito/PIB recuou 60 bps m/m, atingindo 46,8%. 
 
O destaque negativo foi o crédito livre às empresas (-3,4% m/m), que tinha sido o destaque positivo de dezembro. Embora os números possam ser explicados por efeitos sazonais, é notável a diminuição do apetite por empréstimos no início do ano, especialmente no segmento PJ.
 
Vale a pena mencionar que os guidances dos bancos divulgados durante esta temporada de resultados evidenciaram um movimento em direção à PF, comparte do crescimento esperado com base na recuperação no segmento das PMEs.
 
Crescimento de crédito.
 
A carteira de crédito total do Brasil alcançou R$ 3.232,3 bilhões, uma redução de 0,9% em comparação com o mês passado. Os empréstimos direcionados caíram 0,8%, principalmente devido à menor contribuição do BNDES, que caiu 1,8% m/m, devido à mudança na política de crédito e fatores sazonais. 
 
Adicionalmente, os empréstimos livres apresentaram queda de 1,0% em relação às empresas, com queda de 3,4%, com destaque para desconto de recebíveis (-20,9% m/m) e antecipação de recebíveis de cartão de crédito (-9,9% m/m), ambos influenciados por efeitos sazonais.
 
Qualidade dos ativos. 
 
Olhando para as comparações mensais, em janeiro, os dados de inadimplência se deterioraram em quase todas as linhas, exceto no NPL90 para pessoas físicas, que permanece estável. O NPL90 total e o NPL90 – PJ com recursos livres atingiram 2,9% (+10 bps e + 20 bps, respectivamente). A provisão para devedores duvidosos, por sua vez, aumentou 7 bps m/m, alcançando 6,5%.
 
Spread. 
 
Durante 2018, principalmente no 2S, percebeu-se uma tendência de queda no spread total. Mas esse padrão não foi observado em janeiro, quando os números mostraram um aumento no spread, destacando o spread PF que atingiu 18,6% (+160 bps). Esse aumento pode ser explicado pelo aumento de 0,3% m/m no Índice de Custo do Crédito (ICC).
 
Implicações.
 
Janeiro não é um bom referencial para o resto do ano, pois é afetado por alguns efeitos sazonais. No entanto, de acordo com o Departamento de Estatística do BC (Fernando Rocha), durante coletiva de imprensa, é possível notar um arrefecimento das empresas, pois os empresários aguardam mais definições sobre a agenda de reformas.
 
Além disso, os índices de inadimplência aumentaram em janeiro, fato que acompanharemos de perto. Total NPL90 não piorou em qualquer comparação mensal do ano passado. 
 
Apesar dessas observações, mantemos nossa visão positiva em relação ao setor financeiro brasileiro. Recentemente, o Bradesco, o Itaú e o Banco do Brasil divulgaram seus guidances para 2019 em relação ao crescimento da carteira de crédito. O intervalo total dessas previsões cai entre 3% e 13%. O Santander não divulga guidance formal ao mercado.
 
Valuation
 
Para avaliar os bancos, nossos preços-alvo derivam de um Modelo de Descontos Dividendos de três estágios (DDM), e também rolaremos os preços-alvo para o final de 2019. Assumimos um custo de capital (Ke) de 14,0% para o grande limite, bancos (Bradesco, Itaú e Santander Brasil); e de 15,0% para bancos de médio [porte] e de investimento, com crescimento nominal na perpetuidade (g) de 6%. 
 
No universo de cobertura financeira, nossas principais escolhas são o Itaú (ITUB4) e o IRB Brasil RE (IRBR3).
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório elaborado por KAMILA OLIVEIRA, Analista, VINICIUS SOARES, Analista, WESLEY BERNABÉ, CFA, Gerente de Pesquisa, todos do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: KAMILA OLIVEIRA, Analista, VINICIUS SOARES, Analista, WESLEY BERNABÉ, CFA Gerente de Pesquisa do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
USIMINAS  Resultado  no 1º Trimestre/2019: Negativo. Margens Deteriorando 18/04/2019
USIMINAS Resultado no 1º Trimestre/2019: Negativo. Margens Deteriorando
 
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa sobe aos 94.578 pts (+1,39%). Dólar a R$ 3,930 (-0,13%) 18/04/2019
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa sobe aos 94.578 pts (+1,39%). Dólar a R$ 3,930 (-0,13%)
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 18.04 Programe seu Investimento 18/04/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 18.04 Programe seu Investimento
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 17.04 Programe seu Investimento 17/04/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.04 Programe seu Investimento
 
O MERCADO, 4ª feira: Ibovespa cai a 93.284 pts (-1,11%). Dólar sobe a R$ 3,9350 (+0,87%) 17/04/2019
O MERCADO, 4ª feira: Ibovespa cai a 93.284 pts (-1,11%). Dólar sobe a R$ 3,9350 (+0,87%)
 
O MERCADO, 3ª feira: Ibovespa sobe a 94.333 pts (+1,34%). Dólar sobe a R$ 3,901 17/04/2019
O MERCADO, 3ª feira: Ibovespa sobe a 94.333 pts (+1,34%). Dólar sobe a R$ 3,901
 
SIDERURGIA  Desempenho Setorial no 1º trimestre/2019: Demanda mais fraca 17/04/2019
SIDERURGIA Desempenho Setorial no 1º trimestre/2019: Demanda mais fraca
 
PETRÓLEO & GÁS - Relatório Setorial - Março-Abril/2019 - pelo BB-BI 15/04/2019
PETRÓLEO & GÁS - Relatório Setorial - Março-Abril/2019 - pelo BB-BI
 
PAPEL E CELULOSE - Relatório Setorial do 1º trimestre/2019 15/04/2019
PAPEL E CELULOSE - Relatório Setorial do 1º trimestre/2019
 
O MERCADO, 2ª feira: Ibovespa sobe a 93.082 pts (+0,22%). Dólar cai a R$ 3,868 15/04/2019
O MERCADO, 2ª feira: Ibovespa sobe a 93.082 pts (+0,22%). Dólar cai a R$ 3,868
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites