Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

17 de Abril de 2019 as 03:04:05



SIDERURGIA Desempenho Setorial no 1º trimestre/2019: Demanda mais fraca



Com as expectativas do crescimento da economia brasileira arrefecendo, a retomada da indústria também sente a desaceleração. 
 
Demanda mais fraca e custos mais altos; misto
 
A temporada do 1T19 começará com a Usiminas divulgando seus resultados no dia 18 de abril. Esperamos um trimestre bastante similar ao 4T18, o qual já havia sido fraco, ancorado em menores volumes vendidos e pressões de custos observadas no período.
 
Com as expectativas do crescimento da economia brasileira arrefecendo, a retomada da indústria também sente a desaceleração. 
 
No cenário internacional, a ameaça de retração na economia global põe um ponto de atenção extra para a indústria, tendo em vista que as exportações, que já funcionaram como uma saída para a crise, poderiam  ficar bastante limitadas a partir de agora.
 
Indicadores Macroeconômicos. 
 
Na China, a produção de aço somou 149,6 Mt em 2019 (até fevereiro), uma melhora de 9,4% comparado a 2018, enquanto a produção mundial avançou 3,8%, somando 287,6 Mt, de acordo com a WSA. 
 
Os preços internacionais de aço apresentaram comportamento diversificado no 1T19.  Os preços de BQ nos EUA caíram 9,4% t/t em média, enquanto na China houve aumento de 3,8% t/t. 
 
Já para sucata, estávamos esperando um aumento de preços devido à sazonalidade (inverno no hemisfério norte), entretanto, com um inverno menos rigoroso, a oferta se manteve e os preços caíram no período. 
 
Nos EUA, a queda foi de 6,8% t/t em média, para US$ 368/t. Do lado positivo, como mencionamos no nosso Setorial de março (leiao aqui), o PMI manufatura na China ultrapassou a barreira dos 50 pts, ficando em 50,5 pts,  com rumores de que um acordo entre China e EUA possa ser definido. 
 
E por falar em EUA, o payroll de março criou 196k vagas, acima do consenso de 177k. Entretanto, o salário médio por hora trabalhada desapontou o mercado. A taxa de desemprego ficou estável em 3,8% no período. O ISM nos EUA subiu para 55 pts, melhorando levemente m/m amparado pelos efeitos Trump-Xi.
 
No mercado doméstico, o relatório do IABR confirmou um 2019 mais fraco que 2018. A produção de aço bruto somou 5.595 kton no ano (até fevereiro), estável a/a. Entretanto, a produção de aços planos e longos caiu 4,9% e 6,3%, respectivamente no mesmo período, confirmando que o retorno esperado na demanda ainda não chegou. 
 
O consumo aparente avançou 1,9% a/a, para 3.172 kton. No setor automotivo, a Anfavea (Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores) espera um crescimento de 11% para este ano. 
 
De acordo com a associação, até março de 2019, as vendas somaram 607,6 mil unidades, expandindo ~11% a/a. A produção, contudo, ficou estável comparada ao mesmo trimestre do ano anterior. As exportações são o maior ponto de atenção, pois a crise na Argentina continua. No trimestre, houve queda de 42% comparado ao 1T18.
 
Outlook. 
 
O ano de 2019 começou com grandes expectativas em termos de melhora na economia doméstica. Não obstante, com o passar do 1T19 e as estimativas para o PIB sendo revisadas para baixo, as estimativas para o restante do ano estão sendo ameaçadas por um cenário incerto. 
 
Do lado positivo, as empresas estão agora mais enxutas e melhores estruturadas do que antes, o que poderá ajudar no caso de um ambiente mais desafiador. Lembramos que todas estão em níveis mais confortáveis de endividamento e geração de caixa.
 
As margens têm melhorado desde o ano passado e devem continuar a expandir no geral. Devemos ver avanços a partir do 2T19, contanto que os aumentos de preços anunciados no mês passado sejam implementados. 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório preparado por GABRIELA E. CORTEZ, CNPI Senior Analyst do BB INVESTIMENTOS

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: GABRIELA E. CORTEZ, CNPI Senior Analyst do BB INVESTIMENTOS





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.09 Avalie se convém Investir 20/09/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.09 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 20.09: Ibovespa sobe 0,46% a 104.817. Dólar cai a R$ 4,153 20/09/2019
O MERCADO, 20.09: Ibovespa sobe 0,46% a 104.817. Dólar cai a R$ 4,153
 
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures em 19.09.2019 20/09/2019
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures em 19.09.2019
 
PAPEL E CELULOSE  Análise Setorial do Desempenho na Bolsa - Setembro/2019 20/09/2019
PAPEL E CELULOSE Análise Setorial do Desempenho na Bolsa - Setembro/2019
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.09 Avalie se convém Investir 19/09/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.09 Avalie se convém Investir
 
LOJAS AMERICANAS e B2W DIGITAL Parceria Ame e Linx - Análise: BB Investimentos 19/09/2019
LOJAS AMERICANAS e B2W DIGITAL Parceria Ame e Linx - Análise: BB Investimentos
 
O MERCADO, 19.09: Ibovespa cai a 104.339 pts. Dólar sobe a R$ 4,162 19/09/2019
O MERCADO, 19.09: Ibovespa cai a 104.339 pts. Dólar sobe a R$ 4,162
 
O MERCADO, 18.09: Ibovespa estável em 104.531 pts. Dólar sobe a R$ 4,103 18/09/2019
O MERCADO, 18.09: Ibovespa estável em 104.531 pts. Dólar sobe a R$ 4,103
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.09 Avalie se convém Investir 17/09/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.09 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 17.09: Ibovespa sobe 0,90% a 104.616 pts. Dólar cai a R$ 4,077 17/09/2019
O MERCADO, 17.09: Ibovespa sobe 0,90% a 104.616 pts. Dólar cai a R$ 4,077
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites