Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

24 de Abril de 2019 as 11:04:50



LOCAÇÃO DE AUTOMÓVEIS Previsão de Resultados do Segmento no 1º trimestre/2019



Segmento de Empresas de Aluguel de Carros
 
1º Trimestre/2019: Outro trimestre forte
 
Esta semana, a Localiza abrirá a temporada de resultados no setor de aluguel de carros e divulgará seus resultados do 1T19 nesta 5ª feira, 25.04. Neste relatório, comentamos nossas expectativas para cada empresa do setor.
 
LOCALIZA: Resultado Positivo
 
A divisão de RAC deverá apresentar mais um trimestre com crescimento acima de 25% a/a no 1T19, apoiado pela nova parceria com a UBER, que permitiu à Localiza acelerar a expansão do aluguel para os motoristas de aplicativos e reduzir a inadimplência.
 
No entanto, o preço médio diário do aluguel deve permanecer inalterado no trimestre, uma vez que as taxas UBER são menores.
 
No segmento de Terceirização de Frotas, a Localiza deverá apresentar um crescimento de mais de 25% na comparação anual no 1T19, mas com redução de tarifas, sem afetar a rentabilidade do negócio, como resultado do menor custo da dívida ( Taxa Selic).
 
A frota total da Localiza ultrapassou os 248k veículos no 4T18. Em 2019, o foco no crescimento da parceria UBER, que tem ticket médio menor e maior severidade de uso de veículos, deve refletir em maiores custos de depreciação. Com efeito, a empresa utilizará o canal de vendas por atacado, empurrando as margens no segmento de carros usados.
 
Em 2018, a depreciação média no RAC foi de R$ 715,9 por veículo, enquanto no 4T18 atingiu R $ 1.184 (+65%). No segmento de Terceirização de Frotas, foi de R$ 3.576 no 1T18 versus R$ 4.094 no 4T18 (+14,5%).
 
Em nossa opinião, o maior desafio para a Localiza em 2019/2020 refere-se à manutenção do ritmo de crescimento com rentabilidade.
 
MOVIDA: Resultado Positivo
 
A estratégia de priorizar a rentabilidade do negócio deve ser o principal destaque do 1T19. No segmento de RAC, devemos ver outro trimestre com crescimento de volume e tarifas mais altas na comparação anual.
 
Na divisão Frota, a Movida deverá crescer em mais de 40% em volume com tarifa fixa, o que, considerando a redução do custo da dívida, resultará em aumento da rentabilidade nos contratos de frota.
 
Vale destacar a estratégia da Movida em focalizar a seletividade do perfil de clientes em seu segmento de frota de outsourcing, com foco em empresas de menor porte e com maior retorno.
 
No segmento de carros usados, a empresa iniciou no ano passado o processo de turnaround e deve mostrar as margens EBITDA entre -1% e 0% a partir do segundo semestre de 2019 em diante. Esperamos uma ligeira recuperação de margem no 1T19, bem como uma expansão no número de veículos vendidos.
 
Estimamos 11.592 carros vendidos no 1T19 e 15.253 carros comprados, representando um aumento de 3.661 carros na frota total da Movida no primeiro trimestre.
 
O principal desafio para a Movida em 2019 será melhorar suas margens operacionais no segmento de carros usados.
 
UNIDAS: Resultado Positivo.
 
A Unidas deve apresentar o maior crescimento de volume no segmento de RAC da indústria de aluguel de carros no 1T19. Esperamos que seu volume cresça mais de 40% aa no 1T19, com o preço da diária fixa em relação ao 1T18. O crescimento da divisão de RAC é apoiado por uma maior participação dos negócios corporativos e UBER no segmento.
 
Na divisão Fleet, o 1T19 será marcado pela adição de 4.500 veículos da aquisição da NTC, com veículos de médio porte com maior preço médio de locação.
 
Além disso, a indústria de terceirização de frotas no Brasil continua aquecida e a Unidas mantém a liderança neste segmento, que esperamos crescer entre 15% e 20% em volume ano/ano.
 
No final de 2018, a frota total da Unidas atingiu 140 mil veículos e espera-se fechar o 1T19 com aproximadamente 150 mil carros. Com essa escala operacional, o principal desafio será a desmobilização de veículos usados.
 
A empresa deve aumentar a participação das vendas no atacado, que pressionará as margens na nova divisão. Na página seguinte, veja o detalhamento de nossas estimativas financeiras para cada empresa.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório preparado por RENATO HALGREN, analista senior do BB Investimentos
TRADUÇÃO: Redação JF

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: RENATO HALGREN, analista senior do BB Investimentos. TRADUÇÃO: Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 21.08 Programe seu Investimento 21/08/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 21.08 Programe seu Investimento
 
O MERCADO, 21.08: Ibovespa volta superar 100.000 pts, Dólar cai a R$ 4,030 21/08/2019
O MERCADO, 21.08: Ibovespa volta superar 100.000 pts, Dólar cai a R$ 4,030
 
VAREJO - Desempenho do Setor no 1º Semestre/2019: Positivo 21/08/2019
VAREJO - Desempenho do Setor no 1º Semestre/2019: Positivo
 
O MERCADO, 20.08: Ibovespa em trajetória errática. Dólar cai a R$ 4,051 20/08/2019
O MERCADO, 20.08: Ibovespa em trajetória errática. Dólar cai a R$ 4,051
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.08 Programe seu Investimento 19/08/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.08 Programe seu Investimento
 
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures - Relatório de 13.08.2019 16/08/2019
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures - Relatório de 13.08.2019
 
O MERCADO, 16.08: Ibovespa sobe 0,76% a 99.805 pts. Dólar sobe a R$ 4,003 16/08/2019
O MERCADO, 16.08: Ibovespa sobe 0,76% a 99.805 pts. Dólar sobe a R$ 4,003
 
O MERCADO, 15.08, Ibovespa abaixo dos 100 mil pts com persistência de temores 16/08/2019
O MERCADO, 15.08, Ibovespa abaixo dos 100 mil pts com persistência de temores
 
O MERCADO, 14.08: Ibovespa cai 2,94% a 100.258 pts. Dólar sobe 1,79% a R$ 4,038 14/08/2019
O MERCADO, 14.08: Ibovespa cai 2,94% a 100.258 pts. Dólar sobe 1,79% a R$ 4,038
 
O MERCADO, 3ª Feira: R$ 5 BI líquidos deixaram a B3 em agosto. E R$ 15 BI no ano 14/08/2019
O MERCADO, 3ª Feira: R$ 5 BI líquidos deixaram a B3 em agosto. E R$ 15 BI no ano
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites