Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

10 de Maio de 2019 as 13:05:01



VALE - Resultado no 1ª trimestre /2019: Misto. Primeiros Efeitos de Brumadinho



VALE - Resultado no 1º Trimestre de 2.019
 
Primeiros efeitos de Brumadinho; misto
 
A Vale apresentou seus resultados do 1T19 na noite passada, 10.05,  com os primeiros impactos de Brumadinho. Os resultados do 1T vieram cheios de não-recorrentes, tornando difícil a comparação com os trimestres anteriores. A empresa trouxe um EBITDA negativo pela primeira vez em sua história. O EBITDA somou negativos US$ 652 mm e foi composto, dentre outras coisas, por estes principais fatores: 
 
(i)    impacto financeiro de Brumadinho na casa de US$ 4.954 mm, 
(ii)   menores volumes de MF e pelotas e 
(iii)  novos procedimentos de gerenciamento de estoque nos portos chineses que afetaram o reconhecimento de receitas. 
 
Além disso, tivemos os efeitos contáveis da IFRS 16, os quais adicionaram US$ 1.764 mm na linha “arrendamentos” no BP da companhia.
 
Apesar dos efeitos financeiros, operacionalmente falando, a Vale manteve as vendas de produtos premium em 81% de seu portfólio, com prêmios pagos por seus produtos ficando em US$ 10,7/t. Entretanto, vimos que os prêmios pagos pelos finos de MF decresceram para US$ 5,6/t dos US$ 8,1/t no 4T18, voltando aos níveis do 1T18, prejudicando um ano todo de trabalho duro da empresa para diferenciar seus produtos.
 
Saber quão eficiente a Vale será em blendar seus produtos em todos os seus sistemas e qual será seu novo mix ajudará a determinar o prêmio acima do padrão IO62% a ser pago por seus produtos de maior qualidade. Acompanharemos estas métricas de perto, tendo em vista que boa parte da nossa tese de investimentos é baseada na qualidade diferenciada dos produtos da empresa.
 
O EBITDA da Vale ex-Brumadinho ficou em US$ 4,101 mm no trimestre, 8,4% abaixo das nossas estimativas e 8,2% menor que o trimestre anterior. Na comparação anual, houve aumento de 3,3%.
 
Outperform
 
Por ora, mantemos nosso TP 19E para Vale US em US$ 16,0/ação e para VALE3 em R$ 62,00/ação e mantemos o rating em Outperform, enquanto ajustamos o modelo para inserção dos reais impactos divulgados no 1T19.
 
Brumadinho: efeitos diretos e indiretos. 
 
Como mencionamos, os resultados do 1T tiveram os efeitos de US$ 4.954 mm de Brumadinho. A seguir, repetimos os detalhes apresentados pela companhia: 
 
(i)     US$ 2.423 mm de provisões para compensações/remediações, 
(ii)    US$ 1.855 mm para o plano de descomissionamento,
(iii)   US$ 104 mm de despesas diretamente ligadas a Brumadinho, 
(iv)   US$ 290 mm em volumes perdidos, 
(v)    US$ 160 mm de despesas com paradas e 
(vi)   US$ 122 mm em outros. 
 
Lembramos que, conforme informado pela empresa na conferência com analistas, estes valores não comtemplam 
 
(a)  indenizações ambientais, 
(b)  gastos com barragens fora do escopo da Vale e 
(c)  indenizações coletivas.
 
Minerais ferrosos: prêmios de finos de MF caindo.
 
As vendas de produtos premium representaram 81% do portfolio da Vale, ante 84% no 4T18. Os prêmios pagos pelos produtos da Vale neste segmento ficaram em US$ 10,7/t comparado aos US$ 11,5/t no 4T18 e US$ 7,6/t no 1T18, com pelotas contribuindo fortemente para estes valores. 
 
Os preços realizados CFR/FOB ficaram em US$ 81.1/t no período, enquanto o Platts MF-62% ficou em média US$ 82,1/t. Os volumes vendidos, entretanto, caíram consideravelmente no trimestre, como mencionado no nosso relatório de produção e vendas.
 
Consequentemente, as receitas do segmento somaram US$ 6.343 mm, 17% abaixo t/t e 3% menor a/a. O custo caixa C1 foi de US$ 14/t, impactado por menor diluição de custos fixos devido ao menor volume sazonal. Os custos de frete mantiveram a tendência de queda e ficaram em US$ 16,8/t no trimestre ante US$ 18,8/t no 4T18. Houve também os efeitos de 
 
(i)   novo sistema de gerenciamento de estoques nos portos chineses, afetando o reconhecimento de receitas, 
(ii)   paradas operacionais em Brumadinho e 
(iii)  impacto do clima nas vendas. 
 
O EBITDA ajustado, assim, ficou em US$ 3.602 mm, queda de 12% t/t e 9% abaixo das nossas estimativas.
 
Metais Básicos: valor a volume. 
 
Durante o trimestre, os menores volumes vendidos juntamente com maiores custos impactaram negativamente os resultados da divisão. A estratégia da empresa de focar em valor a volume é baseada na crença de que a demanda futura de níquel deverá crescer com o mercado de VEs, assim, ela tem preservado volumes para condições de mercado mais favoráveis no futuro.
 
Os preços médios da Vale para níquel no 1T19 ficaram 1.6% maior que os da LME. Já para cobre, os preços realizados foram 3,3% menor. 
 
Consequentemente, as receitas somaram US$ 1.451 mm no trimestre, 10% menor t/t e 11% abaixo a/a. O EBITDA veio em US$ 505 mm (17% abaixo das nossas estimativas.
 
 
Carvão: volumes menores afetam resultados. 
 
Os volumes retraíram 30% t/t. Os preços realizados apresentaram movimentos mistos com carvão termal caindo, ao passo que carvão metalúrgico avançou no período. As receitas somaram US$ 333 mm no 1T19, 31% menor que o trimestre anterior. O CPV somou US$ 423 mm, influenciado por menor diluição de custos fixos. Assim, o EBITDA totalizou negativos US$ 69 mm, contra positivos US$ 16 mm no 4T18.
 
Endividamento. 
 
No período, a dívida bruta ficou em US$ 15.466 mi, 8% abaixo de set/18. Quanto à dívida líquida, a redução foi de 10% t/t, totalizando US$ 9.650 mi, abaixo da meta da Vale de US$ 10 bi para 2018.
 
O atual nível de alavancagem (0,6x dívida líquida/EBITDA) coloca a companhia em uma posição confortável, caso a empresa necessite de recursos para enfrentar os custos decorrentes dos impactos de Brumadinho.
 
Confira no anexo a íntegra do estudo preparado por GABRIELA E. CORTEZ, Analista Senior do BB Investimentos
 

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: GABRIELA E. CORTEZ, Analista Senior do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 24.05. Programe seu Investimento 25/05/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 24.05. Programe seu Investimento
 
O MERCADO, 6ª Feira: Ibovespa cai a 93.627 pts; Dólar cai a R$ 4,015 24/05/2019
O MERCADO, 6ª Feira: Ibovespa cai a 93.627 pts; Dólar cai a R$ 4,015
 
NATURA & CO.  Nota de Pesquisa A Aquisição da AVON 23/05/2019
NATURA & CO. Nota de Pesquisa A Aquisição da AVON
 
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa cai a 93.910 pts. Dólar sobe a R$ 4,0470 23/05/2019
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa cai a 93.910 pts. Dólar sobe a R$ 4,0470
 
MAGAZINE LUIZA - Atualização das Estimativas de Preço Futuro das Ações 23/05/2019
MAGAZINE LUIZA - Atualização das Estimativas de Preço Futuro das Ações
 
O MERCADO, 4ª Feira: Ibovespa cai a 94.360 pts. Dólar cai a R$ 4,040 22/05/2019
O MERCADO, 4ª Feira: Ibovespa cai a 94.360 pts. Dólar cai a R$ 4,040
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 22.05. Programe seu Investimento 22/05/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 22.05. Programe seu Investimento
 
O MERCADO, 3ª Feira: Ibovespa sobe a 94.484 pts (+2,76%). Dólar caiu R$ 4,0470 (-1,36%) 21/05/2019
O MERCADO, 3ª Feira: Ibovespa sobe a 94.484 pts (+2,76%). Dólar caiu R$ 4,0470 (-1,36%)
 
VALE - Revisão de Preços das Ações pós-Brumadinho 21/05/2019
VALE - Revisão de Preços das Ações pós-Brumadinho
 
RENDA FIXA  Análise do Mercado em 20.05.2019, pelo BB Investimentos 21/05/2019
RENDA FIXA Análise do Mercado em 20.05.2019, pelo BB Investimentos
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites