Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Sexta-Feira, Dia 26 de Julho de 2019 as 01:07:51



O MERCADO, 5ª Feira: Ibovespa cai -1,41% a 102.654 pts. Dólar sobe a R$ 3,782



Diário do Mercado na 5ª feira, 25.07.2019
 
Ibovespa realiza com piora externa e resultado no setor financeiro
 
Comentário.
 
O índice brasileiro sofreu pressão vendedora, após ficar nove pregões oscilando ao redor dos 104.000 pts, com a elevação externa da aversão ao risco.
 
O motivador da piora do humor dos investidores adveio de declarações do presidente do BCE (Banco Central Europeu), que frustraram expectativas dos agentes em relação à postura de política monetária futura da instituição.
 
Assim, os mercados acionários de Nova York, que haviam batido recordes na véspera, tiveram realizações de lucros e induziram na mesma direção as demais bolsas pelo mundo. Internamente, o resultado do Bradesco 2T19 também foi componente de influência negativa para o Ibovespa.
 
No mais, os agentes prosseguem refinando suas apostas no consenso de corte da taxa Selic na próxima semana. O mercado já  precificou queda de 25 pontos-base dos juros nos EUA no próximo dia 31 de julho. 
  
No Brasil, o dólar comercial terminou a R$ 3,7820 (+0,34%). A curva da estrutura a termo subiu como um todo, com realce para os vencimentos intermediários dos juros futuros (DIs).
 
Ibovespa.
 
O índice abriu declinante e não teve forças para se recuperar, passando a oscilar, a partir do meio dia e meia, já ao redor de sua pontuação de fechamento, como curtas variações.
 
Destaque de baixa para os papéis do setor de bancos, após divulgação do balanço do Bradesco 2T19. Mas, Petrobras e Vale também encerraram negativas e pesaram na variação do dia.
 
O Ibovespa fechou aos 102.654 pts (-1,41%), acumulando -0,77% na semana, +1,67% no mês, +16,80% no ano e +27,97% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 15,479 bilhões, sendo R$ 14,787 bilhões no mercado à vista. 
 
Capitais Externos na Bolsa. 
 
No dia 23 de julho (último dado disponível), houve retirada líquida de capital estrangeiro em R$ 701,676 milhões da Bolsa, apurando saída líquida de R$ R$ 4,319 bilhões em julho. Em 2019, o saldo acumulado está negativo em R$ 8,220 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, a criação de vagas formais na economia (Caged) foi de 48.436 em junho - o melhor resultado para o mês desde 2013 quando houve a criação de 123.823 mil novos postos de trabalho. O total acumulado no 1º semestre somou geração de 408 mil empregos formais - o mais alto resultado desde 2014 (588.671).
 
A dívida pública federal apresentou um aumento de +2,24% em junho, somando R$ 3,977 trilhões frente ao mês de maio (R$ 3,890 trilhões).
 
O Banco Central divulgou que o déficit em conta corrente registrou déficit de -US$ 2,914 bilhões em junho, acumulando saldo negativo de -US$ 10,533 bilhões no primeiro semestre de 2019.
 
Já o investimento direto no País foi de US$ 2,190 bilhões em junho, acumulando saldo positivo de US$ 37,338 bilhões no ano.
 
Câmbio e CDS.
 
A divisa norte-americana fechou em alta frente ao real, com o mercado internacional repercutindo a decisão do Banco Central Europeu a respeito da taxa de juros no dia.
 
O dólar comercial (interbancário) fechou cotado a R$ 3,7820 (+ 0,34%), acumulando variações +0,99% na semana, de -1,51% em julho, -2,40% no ano e +2,11% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil cedeu a 125, de 126 ontem. 
 
Juros.
 
Após passarem três pregões seguidos em queda, os juros futuros subiram, em dia de realizações de lucros, apoiados no menor apetite por risco do cenário externo.
 
Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2021 em 5,46%, de 5,42%; DI janeiro/2023 em 6,35%, de 6,31%; DI janeiro/2025 em 6,90% de 6,87%; DI janeiro/2027 em 7,22% de 7,20%.
 
Para a semana.
 
Brasil: Dados do setor de crédito e Custos de construção.
 
EUA: prévia do PIB do 2T19.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 5ª feira, 25.07.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos.                            

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos.

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
VAREJO & SHOPPINGS Perspectivas de Desempenho no 3º Trimestre/2019 17/10/2019
VAREJO & SHOPPINGS Perspectivas de Desempenho no 3º Trimestre/2019
 
O MERCADO, 16.10: Ibovespa avança na expectativa de Selic mais baixa. Dólar a R$ 4,153 16/10/2019
O MERCADO, 16.10: Ibovespa avança na expectativa de Selic mais baixa. Dólar a R$ 4,153
 
O MERCADO, 17.10: Realização de Lucros na B3. Dólar a R$ 4,169 17/10/2019
O MERCADO, 17.10: Realização de Lucros na B3. Dólar a R$ 4,169
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.10 Avalie se convém Investir 17/10/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.10 Avalie se convém Investir
 
RENDA FIXA  DEBÊNTURES - Mercado Secundário em 14.10.2019 15/10/2019
RENDA FIXA DEBÊNTURES - Mercado Secundário em 14.10.2019
 
O MERCADO, 15.10: Ibovespa sobe puxado por NY. Dólar sobe a R$ 4.164 15/10/2019
O MERCADO, 15.10: Ibovespa sobe puxado por NY. Dólar sobe a R$ 4.164
 
O MERCADO, 14.10: Ibovespa fecha em alta, mas liquidez reduzida. Dólar sobe a R$ 4,128 14/10/2019
O MERCADO, 14.10: Ibovespa fecha em alta, mas liquidez reduzida. Dólar sobe a R$ 4,128
 
O MERCADO, 11.10: Ibovespa sobe 1,98% a 103.831 pts. Dólar cai a R$ 4,093 12/10/2019
O MERCADO, 11.10: Ibovespa sobe 1,98% a 103.831 pts. Dólar cai a R$ 4,093
 
VALE Tour de Analistas e Investidores - Novo Preço-Alvo 2020e da Ação 12/10/2019
VALE Tour de Analistas e Investidores - Novo Preço-Alvo 2020e da Ação
 
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures: CRA e CRI 05/10/2019
RENDA FIXA Mercado Secundário de Debêntures: CRA e CRI
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites