Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

06 de Agosto de 2019 as 21:08:18



O MERCADO, 06.08: Ibovespa sobe com alívio da guerra comercial no exterior. Dólar fecha a R$ 3,995



Diário do Mercado na 3ª feira, 06.08.2019
 
Ibovespa sobe com alívio da guerra comercial no exterior
 
Comentário.
 
O Ibovespa reagiu ao revés da véspera e avançou com firme volume financeiro.  Se ontem o recrudescimento da guerra comercial entre EUA e China havia derrubado as bolsas de valores pelo mundo, notícias no dia trouxeram percepção de possível “trégua”, levantando os índices das bolsas de Nova York (Dow Jones em +1,21%; S&P500 em +1,30% e Nasdaq em +1,39%), que contagiaram positivamente o mercado acionário brasileiro.
 
O índice VIX, que internacionalmente baliza a aversão ao risco, que havia saltado de 17,6 na sexta-feira passada para 24,6 pts ontem, recuou para 20,17 agora.
 
Externamente, o Banco Popular da China (PBoC) fixou a taxa de câmbio em relação ao dólar norte-americano mais alta, contudo, mas abaixo do patamar de 7 yuans por dólar (cotação considerada como uma “barreira psicológica” pelo mercado) - postura bem assimilada pelos agentes, pois evitou uma desvalorização maior da moeda.
 
Este contexto, no momento, amenizou o humor dos investidores, mas, não se dissiparam os temores em relação à guerra comercial entre as duas maiores economias do mundo, que ainda tende a trazer boa dose de volatilidade aos mercados. Internamente, a ata do Copom do Banco Central foi bem recebida, citando: “a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo (monetário)”.
 
Esta assertiva incutiu uma percepção nos agentes de novo corte na taxa básica de juros (Selic). Mas, vale ressaltar que também mencionou:
 
“os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação”.
 
Enfim, o mercado doméstico prosseguiu acreditando em mais redução na taxa Selic, que se encontra em seu piso histórico de 6,0% a.a., na decisão do comitê no próximo dia 18 de setembro. 
 
No Brasil, o dólar comercial fechou “de lado” em R$ 3,9550 (-0,03%). Já os juros futuros recuaram, revertendo a maior parte das altas ocorridas no dia anterior.
 
Ibovespa.
 
Com o panorama externo mais benigno, o índice já abriu ascendente e se assim permaneceu ao longo do pregão, subindo um pouco do meio da tarde em diante.
 
O Ibovespa fechou aos encerrou aos 102.163 pts (+2,06%), acumulando -0,50% na semana, +0,35% no mês, +16,24% no ano e +26,05% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 17,924 bilhões, sendo R$ 16,708 bilhões no mercado à vista.
 
Capital Externo na Bolsa
 
No dia 2 de agosto (último dado disponível), a saída líquida de capital estrangeiro foi de R$ 724,023 milhões da Bolsa. Em 2019, o saldo acumulado está negativo em R$ 11,984 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, a produção de veículos foi de 266.371 veículos em julho, alta de +14,2% ante junho (233.150 unidades) e elevação de +8,24% ante o mesmo período do ano passado - sendo este o melhor resultado para o mês desde 2013. 
 
Câmbio e CDS.
 
A divisa norte-americana esteve oscilante ao longo da sessão, mas fechou quase estável frente ao real, em dia de trégua da guerra comercial.
 
O dólar comercial (interbancário) fechou cotado a R$ 3,9550 (-0,03%), variando +1,64% na semana, +3,56% no mês, + 2,06% no ano e +5,95% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil passou a 139 pts ante 130 pts ontem.
 
Juros.
 
Os juros futuros encerraram a sessão regular em queda, após a intensa alta da última sessão, o tom brando da ata do Copom contribuiu para a correção das taxas. Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2021 em 5,54% de 5,57%; DI janeiro/2023 em 6,42% de 6,54%; DI janeiro/2025 em 6,94% de 7,05%; DI janeiro/2027 em 7,25% de 7,35%.
 
Para a semana.
 
Brasil: Vendas a varejo, IGP-DI, IPCA e Volume do setor de serviços;
 
EUA: Novos pedidos de seguro-desemprego;
 
Alemanha: Produção industrial e Balança comercial;
 
Reino Unido: PIB e Produção industrial;
 
Japão: PIB;
 
China: Balança comercial, IPC e IPP. 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório sobre o comportamento do mercado  na 3ª feira, 06.08.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES,  CNPI-T, integrante do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 02.12: IBOVESPA sobe 064% a 108.927 pts. DÓLAR cai a R$ 4,211 02/12/2019
O MERCADO, 02.12: IBOVESPA sobe 064% a 108.927 pts. DÓLAR cai a R$ 4,211
 
O MERCADO, 29.11 - R$ 8,2 BI de Capitais Externos deixam a bolsa B3 em Novembro 30/11/2019
O MERCADO, 29.11 - R$ 8,2 BI de Capitais Externos deixam a bolsa B3 em Novembro
 
MEGA SENA sorteia prêmio de R$ 44 Milhões neste sábado 30/11/2019
MEGA SENA sorteia prêmio de R$ 44 Milhões neste sábado
 
BRASKEM - Resultado no 3º trimestre de 2019: Negativo 30/11/2019
BRASKEM - Resultado no 3º trimestre de 2019: Negativo
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 28.11 Avalie se convém Investir 29/11/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 28.11 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 28.11: IBOVESPA sobe 0,54% a 108.290 pts. DÓLAR cai a R$ 4,215 28/11/2019
O MERCADO, 28.11: IBOVESPA sobe 0,54% a 108.290 pts. DÓLAR cai a R$ 4,215
 
O MERCADO, 26.11: IBOVESPA cai 1,26% a 107.059 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,244 27/11/2019
O MERCADO, 26.11: IBOVESPA cai 1,26% a 107.059 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,244
 
KLABIN DAY - Perspectiva Positiva para 2.020 26/11/2019
KLABIN DAY - Perspectiva Positiva para 2.020
 
O MERCADO, 25.11: IBOVESPA cai 0,25% a 108.423 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,214 26/11/2019
O MERCADO, 25.11: IBOVESPA cai 0,25% a 108.423 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,214
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 22.11 Avalie se convém Investir 22/11/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 22.11 Avalie se convém Investir
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites