Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

14 de Agosto de 2019 as 21:18:40



O MERCADO, 14.08: Ibovespa cai 2,94% a 100.258 pts. Dólar sobe 1,79% a R$ 4,038



Diário do Mercado na 4ª feira, 15.08.2019
 
Ibovespa sucumbe a múltiplos riscos externos
 
Comentário.
 
O Ibovespa teve firme baixa, com todas as suas ações encerrando negativas, em dia de vencimento de opções sobre o índice e de índice futuro. Uma gama de temores dos investidores pelo mundo compeliram a elevação da aversão ao risco.
 
No dia, se acentuou a preocupação dos agentes com a possibilidade de redução maior do que a esperada do crescimento global no médio prazo, com indicadores considerados mais fracos advindos da China e da Alemanha.
 
Também ainda pairam questões envolvendo a guerra comercial entre EUA e China e a instabilidade política na Itália. Por outro lado, foram elencadas tensões geopolíticas advindas da Rússia, da Coreia do Norte e ainda de Hong Kong.
 
Ademais, não foi completamente descartada uma contaminação advinda da
vizinha Argentina, que vem sofrendo forte correção em preços de ativos ao longo desta semana. E para agitar mais o panorama, o presidente norte-americano, Donald Trump, criticou o Fed (Banco Central local) por sua postura anterior de aperto monetário (alta de juros) sem a contrapartida atual de afrouxamento monetário (queda de juros) com mesma presteza.
 
Neste contexto, o Ibovespa, assim como no dia anterior, aderiu sua trajetória na tendência baixista do índice S&P500 de Nova York. As bolsas em Wall Street sofreram reveses e contaminaram negativamente os demais mercados acionários pelo mundo.
 
No Brasil, o dólar comercial avançou e fechou em R$ 4,0380 (+1,79%). Exceto no curtíssimo prazo, a curva da estrutura a termo subiu, destacadamente de sua parte média em diante.
 
Ibovespa.
 
O índice já abriu decaindo e manteve tendência baixista ao longo de todo o pregão, com todos os papéis de sua composição registrando baixa.
 
O Ibovespa fechou aos 100.258 pts (-2,94%), acumulando -3,59% na semana, +1,53% no mês, +14,08% no ano e +27,55% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 21,5 bilhões, sendo R$ 19,4 bilhões no mercado à vista. Ademais, o exercício de opções sobre o índice foi de R$ 9,462 bilhões.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 12 de agosto (último dado disponível), ocorreu retirada líquida de capital estrangeiro de R$ 1,586 bilhão da Bolsa, com a saída líquida passando a R$ 6,583 bilhões no mês. Em 2019, o saldo acumulado está negativo em R$ 17,017 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
Na China, a produção industrial variou +4,8% em julho versus mesmo período de 2018, caindo frente a +6,3% em junho (A/A), inferior ao consenso de mercado de +6,0%. As vendas a varejo oscilaram 7,6% em julho ante mesmo período do ano passado, cedendo sobre o +9,8% de junho (A/A) – menor do que o consenso de mercado de +8,6%. Na Alemanha, o PIB 2T19 (prévia) mostrou retração de -0,1%  versus +0,4% no 1T19.
 
Câmbio e CDS.
 
A divisa norte-americana encerrou em alta frente ao real, voltando a superar a barreira dos R$ 4,00, pressionado pela onda de aversão ao risco vinda do mercado externo.
 
O dólar comercial (interbancário) fechou cotado a R$ 4,0380 (+1,79%), variando +2,49% na semana, +5,73% no mês, +4,21% no ano e +4,56% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos avançou a 140 pts versus 134 pts da véspera.
 
Juros.
 
Os juros futuros fecharam a sessão regular em alta, acompanhado a alta do dólar. 
 
Em relação à sessão anterior, assim findaram: DI janeiro/2020 em 5,48% de 5,44%; DI janeiro/2021 em 5,46% de 5,39%; DI janeiro/2023 em 6,47% de 6,36%; DI janeiro/2025 em 6,95% de 6,87%; DI janeiro/2027 em 7,24% de 7,16%.
 
Para a semana.
 
Brasil: IGP-10 e Confiança industrial;
 
EUA: Novos pedidos de seguro-desemprego, Produtividade de produtos não-agrícolas, Custo de mão de obra, Produção Industrial, Utilização da capacidade, estoque de empresas e Construção e licenças de casas novas;
 
Japão: Produção Industrial, Vendas a varejo. 
 
Confira no anexo a integra do relatório sobre o comportamento do mercado na 4ª feira, 14.08.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T do BB Investimentos

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
VALE - Resultado no 4º Trimestre/2019: Neutro. 21/02/2020
VALE - Resultado no 4º Trimestre/2019: Neutro.
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.02, 5ª feira. Avalie se convém investir 21/02/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.02, 5ª feira. Avalie se convém investir
 
O MERCADO, 20.02: IBOVESPA cai 1,66%. DÓLAR sobe a R$ 4,391 20/02/2020
O MERCADO, 20.02: IBOVESPA cai 1,66%. DÓLAR sobe a R$ 4,391
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.02, 4ª feira. Avalie se convém investir 19/02/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 19.02, 4ª feira. Avalie se convém investir
 
GERDAU  -  Resultado no 4º trimestre/2019 e Atualização de Preço da Ações 19/02/2020
GERDAU - Resultado no 4º trimestre/2019 e Atualização de Preço da Ações
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 18.02, 3ª feira. Avalie se convém investir 18/02/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 18.02, 3ª feira. Avalie se convém investir
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.02, 2ª feira. Avalie se convém investir 17/02/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.02, 2ª feira. Avalie se convém investir
 
ALIMENTOS & BEBIDAS - Resultado no 4º trimestre/2019: Números fortes para Carne 17/02/2020
ALIMENTOS & BEBIDAS - Resultado no 4º trimestre/2019: Números fortes para Carne
 
SUZANO - Resultado no 4º trimestre de 2019: Neutro 17/02/2020
SUZANO - Resultado no 4º trimestre de 2019: Neutro
 
USIMINAS - Resultados no 4º trimestre de 2019: Margens Mais Baixas 17/02/2020
USIMINAS - Resultados no 4º trimestre de 2019: Margens Mais Baixas
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites