Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

13 de Setembro de 2019 as 01:09:53



O MERCADO, 12.09: Ibovespa sobe 0,89%, Dólar cai face ao Panorama Externo Melhor



Diário do Mercado na 5ª feira, 12.09.2019
 
O Ibovespa avança apoiado em melhor panorama externo no dia
 
Comentário.
 
O índice brasileiro foi conduzido por notícias externas consideradas favoráveis, encerrando em sua maior pontuação desde 18 de julho de 2019 (104.716 pts). No dia, ênfase para a alta do preço do minério de ferro na China, que impulsionou a Vale, que foi destaque ponderado na alta do índice.
 
Entre as notícias externas positivas, se sobressaíram: o adiamento da adoção de aumento de tarifas importações pelos EUA de produtos chineses, que trouxe alívio aos mercados, mesmo subsistindo ainda a percepção de tão somente um parcial acordo entre os países; e para o BCE (Banco Central Europeu) na Europa, que adotou medidas de estímulos que foram consideradas propícias pelos agentes.
 
No Brasil, o dólar comercial fechou cotado a R$ 4,0590 (-0,12%). Nos juros futuros, houve baixa generalizada - sua curva de estrutura a termo caiu como um todo.   
 
Ibovespa.
 
O índice iniciou ascendente e ficou oscilante ao redor dos 104 mil pts (+0,54%) até por volta de meio dia e meia. A partir daí, subiu um pouco mais e passou o restante da sessão com curtas variações ao redor dos 104.500 pts (+1,02%).
 
O Ibovespa encerrou aos 104.370 pts (+0,89%), acumulando +1,39% na semana, +3,20% no mês, +18,76% no ano e +38,93% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 16,733 bilhões, sendo R$ 15,491 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 10 de setembro (último dado disponível), a bolsa teve entrada líquida de R$ 537,603 milhões em capital estrangeiro, com o saldo negativo cedendo  a -R$ 1,497 bilhão no mês. Em 2019, a retirada líquida acumulada situa-se em -R$ 22,727 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o volume do setor de servições variou +0,8% em julho (com ajuste sazonal) ante -3,6% em junho, surpreendendo positivamente ao superar o consenso de mercado, em +0,4%. Em relação a julho de 2018, houve elevação de +1,8%. O indicador passou a acumular +0,8% no ano e +0,9% em 12 meses. 
 
Na zona do euro, o BCE Banco Central Europeu decidiu reduzir ainda mais sua taxa de depósitos, que já estava negativa, passando-a para -0,500% de -0,400% anterior – patamar que se encontrava desde março de 2016, bem como anunciou a retomada do estímulo monetário (“quantitative easing”), com a compra líquida de ativos em € 20 bilhões de euros por mês a partir de novembro próximo. 
 
A postura de política monetária foi apoiada em perspectivas de menor crescimento, com sua revisão do PIB em 2019 para 1,1% (1,2% antes) e em 2020 para 1,2% (1,4% antes); e com sua expectativa de inflação (núcleo) mais baixa, sendo revista em 2019 para 1,0% (1,1% antes ) e em 2020 para 1,2% (1,4% antes).
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar findou cotado em baixa frente ao real, inspirado pelas notícias positivas vindas do mercado externo, como negociações comercial entre EUA e China e o pacote de medidas do Banco Central Europeu.
 
A moeda fechou cotada R$ 4,0590 (-0,12%), variando -0,51% na semana, -2,00% no mês, +4,75% no ano e -2,22% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos passou a 121 pts versus 124 pts da véspera. 
 
Juros.
 
Os juros futuros findaram em baixa ao longo de sua curva de estrutura a termo. O humor doméstico melhorou com notícias externas vistas positivas: alívio entre EUA e China, além de afrouxamento monetário pelo BCE.
 
Em relação à sessão anterior, fecharam: DI janeiro/2020 em 5,27% de 5,30%; DI janeiro/2021 em 5,34% de 5,38%; DI janeiro/2023 em 6,39% de 6,45%; DI janeiro/2025 em 6,95% de 7,00%; DI janeiro/2027 em 7,25% de 7,31%.
 
Agenda.
 
Brasil: Atividade econômica;
 
EUA: Vendas no varejo, Índice confiança consumidor Univ. Michigan;
 
Japão: Produção industrial.
 
Confira no anexo a íntegrao do relatório de análise do comportamento do mercado na 5ª feira, 12.09.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos 

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 18.10: Ibovespa em pequena baixa, segue bolsas no exterior. Dólar cai a R$ 4,118 18/10/2019
O MERCADO, 18.10: Ibovespa em pequena baixa, segue bolsas no exterior. Dólar cai a R$ 4,118
 
VAREJO & SHOPPINGS Perspectivas de Desempenho no 3º Trimestre/2019 17/10/2019
VAREJO & SHOPPINGS Perspectivas de Desempenho no 3º Trimestre/2019
 
O MERCADO, 16.10: Ibovespa avança na expectativa de Selic mais baixa. Dólar a R$ 4,153 16/10/2019
O MERCADO, 16.10: Ibovespa avança na expectativa de Selic mais baixa. Dólar a R$ 4,153
 
O MERCADO, 17.10: Realização de Lucros na B3. Dólar a R$ 4,169 17/10/2019
O MERCADO, 17.10: Realização de Lucros na B3. Dólar a R$ 4,169
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.10 Avalie se convém Investir 17/10/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.10 Avalie se convém Investir
 
RENDA FIXA  DEBÊNTURES - Mercado Secundário em 14.10.2019 15/10/2019
RENDA FIXA DEBÊNTURES - Mercado Secundário em 14.10.2019
 
O MERCADO, 15.10: Ibovespa sobe puxado por NY. Dólar sobe a R$ 4.164 15/10/2019
O MERCADO, 15.10: Ibovespa sobe puxado por NY. Dólar sobe a R$ 4.164
 
O MERCADO, 14.10: Ibovespa fecha em alta, mas liquidez reduzida. Dólar sobe a R$ 4,128 14/10/2019
O MERCADO, 14.10: Ibovespa fecha em alta, mas liquidez reduzida. Dólar sobe a R$ 4,128
 
O MERCADO, 11.10: Ibovespa sobe 1,98% a 103.831 pts. Dólar cai a R$ 4,093 12/10/2019
O MERCADO, 11.10: Ibovespa sobe 1,98% a 103.831 pts. Dólar cai a R$ 4,093
 
VALE Tour de Analistas e Investidores - Novo Preço-Alvo 2020e da Ação 12/10/2019
VALE Tour de Analistas e Investidores - Novo Preço-Alvo 2020e da Ação
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites