Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

14 de Outubro de 2019 as 21:50:15



O MERCADO, 14.10: Ibovespa fecha em alta, mas liquidez reduzida. Dólar sobe a R$ 4,128



Diário do Mercado na 2ª feira, 15.10.2019
 
Ibovespa fecha em alta, mas o dia teve liquidez reduzida
 
Comentário
 
O O índice doméstico se descolou positivamente das bolsas de valores de Nova York, mas com volume mais fraco do que os recentes pregões.
 
Nos EUA, foi feriado do “Dia de Colombo”, com o mercado de treasuries (títulos do Tesouro) permanecendo fechado e induzindo menor liquidez aos demais negócios.
 
Internamente, a percepção dos agentes de que a taxa básica de juros (Selic) poderá ir a patamar mais baixo e assim permanecer por um período maior do que antes pensado, induziu um melhor panorama para a bolsa brasileira.
 
Externamente, a não assinatura ainda do acordo comercial parcial negociado entre EUA e China trouxe alguma cautela, além do “quase feriado” ter inibido as negociações nos mercados acionários, que operaram no dia não distantes da estabilidade, terminando com pequenas baixas em Wall Street. 
 
No Brasil, o dólar comercial fechou cotado a R$ 4,1280 (+0,86%). Os juros futuros baixaram como um todo, com destaque para os contratos intermediários – sinalizando uma percepção dos agentes neste momento é de juros mais baixos e por um período mais prolongado. 
 
Ibovespa.
 
O índice chegou a abrir em baixa e oscilante. Porém, a partir da primeira hora de negócios, variou basicamente em campo positivo ao redor de 104 mil pts.
 
O Ibovespa fechou aos 104.301 pts (+0,45%), acumulando -0,42% no mês, +18,68% no ano e +25,78% em 12 meses. O giro financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 10,8 bilhões, sendo R$ 9,8 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
No dia 10 de outubro (último dado disponível), a retirada líquida de capital estrangeiro da Bovespa foi de R$ 968,873 milhões, computando saída líquida de -R$ 10,393 bilhões no mês. Em 2019, o saldo negativo líquido acumulado atingiu -R$ 31,197 bilhões.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o Banco Central informou que o IBC-Br (Índice de Atividade econômica), considerado uma estimação para o PIB, variou +0,7% em agosto, ante -0,07% em julho (revisto de -0,16%). A média trimestral teve alta de +0,11% em agosto. Já em comparação com agosto de 2018, o indicador oscilou +1,62% (revisado de +1,31%).
 
Na China, o saldo da balança comercial subiu a US$ 39,65 bilhões em setembro ante US$ 34,78 bilhões em agosto. Todavia, o resultado adveio mais da queda das importações (A/A) em -8,5% em setembro (-5,6% em agosto), acima do recuo das exportações (A/A), em -3,2% em setembro (-1,0% em agosto). Ou seja, além dos dos dados indicarem que os chineses estão importando menos do resto do mundo, parece sinalizar abrandamento econômico.
 
Câmbio e CDS
 
O dólar subiu perante o real. O dia foi de menor liquidez e a visão dos agentes de redução da taxa Selic e ainda de menor crescimento doméstico induziu o comportamento da divisa.
 
A moeda findou cotada a R$ 4,1280 (+0,86%), acumulando -0,65% no mês, +6,53% no ano e +9,32% em 12 meses.
 
Risco País
 
O risco-país medido pelo CDS Brasil 5 anos passou a 133 pts ante 134 pts na 6ª feira, 11/09). 
 
Juros.
 
Os juros futuros cederam, com o recuo se sobressaindo nos vértices intermediários, por conta da noção dos agentes que a taxa básica de juros além de poder vir para patamar mais baixo, poderá aí permanecer por um período mais estendido.
 
Em relação à sessão anterior, assim fecharam: DI janeiro/2020 em 4,91% de 4,93%; DI janeiro/2021 em 4,57%  de 4,59%; DI janeiro/2023 em 5,55% de 5,59%; DI janeiro/2025 em 6,24% de 6,25%; DI janeiro/2027 em 6,60% de 6,62%.
 
Agenda.
 
Brasil: coleta de impostos, IGP-10, confiança industrial CNI, IGP-M (2ª prévia);
 
EUA: Livro Bege/Fed, produção industrial, utilização da capacidade, licenças e construções de casas novas, índice antecedente;
 
Japão: Produção industrial;
 
China: IPC, produção industrial, vendas a varejo, PIB.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 2ª feira, 14.10.2019, elaborado por HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRA ALVES, CNPI-T, integrante do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
O MERCADO, 18.11: IBOVESPA ca 0,27% a 106.269 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,205 19/11/2019
O MERCADO, 18.11: IBOVESPA ca 0,27% a 106.269 pts. DÓLAR sobe a R$ 4,205
 
SLC AGRÍCOLA - Resultado no 3º trimestre/2019  Resultado Líquido Negativo 16/11/2019
SLC AGRÍCOLA - Resultado no 3º trimestre/2019 Resultado Líquido Negativo
 
JBS - Resultado no 3º Trimestre /2019:  Fortes Resultados 16/11/2019
JBS - Resultado no 3º Trimestre /2019: Fortes Resultados
 
MVR - Resultado no 3º trimestre /2019: Mudança de Direção 13/11/2019
MVR - Resultado no 3º trimestre /2019: Mudança de Direção
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 13.11 Avalie se convém Investir 13/11/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 13.11 Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 13.11: Ibovespa cai com ruídos entre EUA e China. Dólar sobe R$ 4,185 13/11/2019
O MERCADO, 13.11: Ibovespa cai com ruídos entre EUA e China. Dólar sobe R$ 4,185
 
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO 13/11/2019
EMBRAER - Resultado no 3º trimestre de 2019: NEUTRO
 
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116 13/11/2019
O MERCADO, 12.11: Ibovespa cai 1,49% a 106.751 pts. Dólar sobe a R$ 4,116
 
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142 12/11/2019
O MERCADO, 11.11: Ibovespa sobe 0,69% a 108.367 pts. Dólar cai a R$ 4,142
 
SANTANDER BRASIL  Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS 09/11/2019
SANTANDER BRASIL Resultados no 3º trimestre/2019: NEGATIVOS
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites