Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

Quarta-Feira, Dia 23 de Outubro de 2019 as 01:10:06



NEOENERGIA - Resultado no 4º trimestre/2019: Números Positivos



NEOENERGIA - Resultado no 3º trimestre/2019
 
Volume distribuído consistente, controle de custos e crescimento marcam o trimestre
 
A Neoenergia divulgou números positivos referentes ao 3T19, demonstrando crescimento de volume distribuído maior que a média nacional no acumulado do ano, (+3,7% a/a) e no trimestre(+1,9% a/a), impacto da revisão tarifária da Elektro ocorrida em Agosto, além de ganho de eficiência com custos crescendo abaixo da inflação, mesmo com aumento de clientes. 
 
Dados operacionais também vieram positivos com os indicadores de qualidade de fornecimento DEC e FEC de todos as distribuidoras melhores que o limite regulatório, e queda nos índices de perdas com a Elektro se enquadrando dentro dos novos limites regulatórios estipulados na revisão recente, com a única exceção sendo a Coelba que não apresentou queda mas aproximou-se da meta regulatória.
 
A receita líquida do trimestre apresentou leve queda na comparação anual devido a ajustes na parcela A das distribuidoras, que se referem aos custos integralmente repassados às tarifas e, portanto, sem impacto na performance operacional. 
 
Já a margem bruta, que exclui os custos referentes a parcela A, apresentou crescimento de 9,9% a/a e atingiu R$ 2.295,4 milhões no trimestre enquanto no acumulado em 9 meses atingiu R$ 6.653,6 milhões (+13,4% a/a), demonstrando melhor dinâmica de crescimento apresentada pela companhia.
 
O total de custos não gerenciáveis apresentou queda de 8,7% a/a no trimestre totalizando R$ 3.749,9 milhões com menor custo de compra de energia e menores encargos de transmissão e distribuição, enquanto nos 9M19 totalizou R$ 11.181,2 milhões, leve alta de 1,8% a/a. Os custos gerenciáveis mostraram ganhos de eficiência crescendo abaixo da inflação mesmo com crescimento da base de clientes.
 
PMSO apresentou alta de 2,7% a/a no trimestre e 1,9% a/a nos 9M19, mas o maior crescimento nos custos de depreciação e com provisões limitou o impacto positivo no resultado trimestral. Assim, o EBITDA trimestral foi R$ 1.506,6 milhões, +10,5% a/a, correspondendo a uma margem EBITDA de 21,0% enquanto no acumulado em 9 meses alcançou R$ 4.180,3 milhões, +22,7% a/a, representando margem de 19,9%.
 
O resultado de equivalência patrimonial adicionou R$ 36,2 milhões no trimestre, contra R$ 11,0 milhões no 3T18, impulsionado em sua maior parte por ganho de arbitragem de Belo Monte (+R$ 17 milhões).
 
O resultado financeiro líquido veio negativo em R$ 310,2 milhões no trimestre, alta de 16,2% a/a com crescimento das despesa financeira (+16,4% a/a) decorrente de maior endividamento médio no período, parcialmente compensados por variações monetárias menores (-119,5% a/a), e redução da renda de aplicações financeiras, dada a redução de caixa por conta da distribuição de lucros e amortizações de dívidas realizadas.
 
O lucro líquido totalizou R$ 599,4 milhões no trimestre (+15,5% t/t e +19,7% a/a), enquanto o acumulado em 9 meses totalizou R$ 1.610,8 milhões (+36,1% a/a). 
 
Endividamento. O endividamento líquido consolidado alcançou R$ 17.540,1 milhões, +15,0% a/a, mas com o crescimento ainda maior do EBITDA, houve ligeiro declínio da alavancagem medida pela relação dívida líquida e EBITDA dos últimos 12 meses, que ficou em 3.3x. 
 
Os Investimentos em expansão totalizaram R$ 1.162,4 milhões no trimestre e R$ 2.963,8 milhões no acumulado em 9 meses, principalmente destinados às distribuidoras (R$ 921,7 milhões no 3T19 e R$ 2.345,5 milhões no 9M19).
 
Destacamos também os investimentos nos novos projetos de transmissão que começam a ganhar ritmo, tendo a metade já recebido licença prévia e quatro deles já com licença de instalação e obras iniciadas. Os investimentos neste segmento foram de R$ 159,8 milhões no 3T19 e R$ 423,7 milhões no 9M19.
 
Confira no anexo a íntegra do relatório a respeito preparado por RAFAEL DIAS, Analista Sênior, e RAFAEL REIS, Analista Sênior, ambos integrantes do BB Investimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: RAFAEL DIAS, Analista Sênior, e RAFAEL REIS, Analista Sênior, ambos integrantes do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 24.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir 25/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 24.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir
 
O MERCADO, 24.01: IBOVESPA cai 0,96% a 118.376 pts DÓLAR sobe a R$ 4,184 25/01/2020
O MERCADO, 24.01: IBOVESPA cai 0,96% a 118.376 pts DÓLAR sobe a R$ 4,184
 
O MERCADO, 22.01: IBOVESPA sobe 1,17% a 118.391 pts, DÓLAR cai a R$ 4,175 23/01/2020
O MERCADO, 22.01: IBOVESPA sobe 1,17% a 118.391 pts, DÓLAR cai a R$ 4,175
 
O MERCADO, 21.01: IBOVESPA cai 1,54% a 117.026 pts DÓLAR sobe a R$ 4,205 22/01/2020
O MERCADO, 21.01: IBOVESPA cai 1,54% a 117.026 pts DÓLAR sobe a R$ 4,205
 
DÓLAR fecha no maior valor do ano: R$ 4,206 22/01/2020
DÓLAR fecha no maior valor do ano: R$ 4,206
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.01, 2ª feira. Avalie se convém Investir 21/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 20.01, 2ª feira. Avalie se convém Investir
 
MARKET UPDATE - Destaques na Economia - 17.01.2020 18/01/2020
MARKET UPDATE - Destaques na Economia - 17.01.2020
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir 18/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.01, 6ª feira. Avalie se convém Investir
 
RENDA FIXA - O Mercado Secundário de Debêntures sob Ótíca do Retorno em 17.01.2010 18/01/2020
RENDA FIXA - O Mercado Secundário de Debêntures sob Ótíca do Retorno em 17.01.2010
 
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 16.01 Avalie se convém Investir 16/01/2020
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 16.01 Avalie se convém Investir
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites