Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

05 de Janeiro de 2020 as 03:01:18



EUA não estão preparados para conseqüências do assassinato de SOLEIMANI, afirma analista sueco



EUA não estão preparados para consequências do assassinato do general Soleimani,
afirma o analista sueco Houssein Askary
 
Em entrevista à agência de notícias Tasnim News, o autor e analista político sueco afirmou que até especialistas em inteligência americanos reconhecem que o governo dos EUA não está preparado para as consequências do assassinato do principal comandante iraniano, general Qassem Soleimani.
 
Askary é um cidadão sueco nascido no Iraque. Ele é o coordenador do Instituto Internacional Schiller  do Sudoeste da Ásia. Askary tem  trabalhado como analista econômico e estratégico, desde 1996, no sudoeste da Ásia e no norte e leste da África para a revista semanal Executive Intelligence Review, com sede em Washington.
 
Askary é co-autor de vários livros sobre a estratégia da Nova Rota da Seda e seu impacto na economia. economia mundial. Seu último relatório especial em formato de livro "Estendendo a Nova Rota da Seda para o Oeste da Ásia e África" ​​foi publicado em novembro de 2017. Ele abordou esses assuntos em conferências e seminários internacionais na Suécia, Dinamarca, Alemanha, França, Egito, Sudão, Irã, Japão e China.
 
Em 2018, ele escreveu um estudo de 80 páginas sobre a reconstrução do Iêmen e a Iniciativa do Cinturão e Rota da China.
 
Confira a seguir a íntegra da entrevista de Hussein Askary em entrevista à agência de notícias Tasnim News, em 04.01.2019.
 
 
TASNIN NEWS: A Casa Branca e o Pentágono assumiram a responsabilidade pelo assassinato do general Qassem Soleimani no Iraque, dizendo que o ataque foi realizado sob a direção do presidente dos EUA, Donald Trump. Como você sabe, o reverenciado comandante era uma figura internacional que representava o Eixo da Resistência. Dados os últimos desdobramentos  regionais, como você interpreta o assassinato?
 
HOUSSEIN ASKARY: O assassinato do general Soleimani e do comandante das Forças Populares de Mobilização do Iraque Abu Mahdi al-Muhandis é um grande erro e revés para o potencial de recuperar a paz e a tranquilidade na região após a derrota do Daesh e de outros grupos terroristas no Iraque e na Síria. Até especialistas em inteligência americanos e ex-oficiais de inteligência, como Patrick Lang, Larry C. Johnson e Scott Ritter, todos o descreveram como tal e revelam que a Administração dos EUA não estava e não está preparada para as conseqüências desse assassinato.
 
Não há estratégia para como esse novo nível de agressão pode ser encerrado sem entrar em uma grande guerra regional, uma guerra que o presidente Trump ainda insiste que ele queria evitar. Portanto, qualquer explicação racional é difícil de entender com esse assassinato.
 
É muito provável que Trump tenha sido sugado para esta operação imprudente com a pressão de círculos neoconservadores e indivíduos e grupos pró-sionistas defensores da guerra.
 
Essas forças ficaram abaladas com as vitórias alcançadas na Síria e no Iraque para limpar o país dos grupos terroristas apoiados pelos EUA e pela Grã-Bretanha e, finalmente, pavimentaram o caminho para a integração a partir da Ásia Central através do Irã, Iraque e Síria e Mediterrâneo.
 
 
 
TASNIN NEWS: Segundo muitos especialistas militares, o general Soleimani teve importante papel no combate a grupos terroristas, particularmente o Daesh (ISIS ou ISIL), no Iraque e na Síria. Como você acha do sucesso dos grandes generais no combate ao terrorismo apoiado pelos EUA e seu efeito no assassinato dele?
 
HOUSSEIN ASKARY: O papel pessoal do general Soleimani e o da Brigada Quds em parar e finalmente derrotar o Daesh na região é inegável, mesmo por especialistas ocidentais. Desde junho de 2014, quando o Daesh assumiu Mosul, o general Soleimani e as forças iranianas reagiram imediatamente a esse desenvolvimento perigoso para impedir o Daesh de tomar outras partes do Iraque, incluindo Bagdá.
 
O exército iraquiano treinado pelos EUA desapareceu repentinamente e as forças americanas no Iraque estavam apenas observando o avanço do Daesh e de seus aliados. Sem a intervenção do general Soleimani, juntamente com a Fatwa do aiatolá Sistani, para mobilizar a resistência ao Daesh, o Iraque teria desaparecido.
 
Da mesma forma, na Síria, o apoio do Irã ao exército árabe sírio, muito antes da intervenção russa, permitiu a Damasco recuar e finalmente derrotar os grupos terroristas apoiados pelo Ocidente.
 
O papel do general Soleimani na coordenação da intervenção russa na Síria é bem conhecido. Portanto, seu papel pessoal definitivamente desempenhou um papel no assassinato. No entanto, são os desenvolvimentos regionais que provaram ser inúteis as políticas ocidentais de mudança de regime, e o surgimento de um novo paradigma liderado pela Rússia, China e seus aliados, como o Irã, perturbando a velha ordem mundial, o que poderia ser uma causa direta disso. escalação mais recente.
 
 
 
TASNIN NEWS: Em um comunicado divulgado na sexta-feira, o líder da Revolução Islâmica, o aiatolá Seyed Ali Khamenei, alertou que uma forte vingança aguarda os criminosos por trás do martírio do general Soleimani. Muitos acreditam que se o Irã não se vingar, isso levará a mais ataques dos EUA. Na sua opinião, quão severo Teerã responderia ao “ato terrorista” de Washington e como a resposta pode criar dissuasão contra os EUA e seus futuros movimentos na região?
 
HOUSSEIN ASKARY: Esse assassinato do governo Trump colocou a região e o mundo em novas águas desconhecidas. Portanto, é muito difícil prever a reação e a "vingança" iraniana. Especialistas militares e de inteligência sabem muito bem que o Irã tem muitos meios de realmente prejudicar os EUA e seus aliados na região.
 
O oficial de inteligência americano aposentado Larry C Johnson escreveu ontem que "a reação do Irã provavelmente envolverá alvos militares, diplomáticos e econômicos da Arábia Saudita, Israel e EUA". Mas esse é um caminho para desastres maiores.
 
Ele também argumentou que o Irã desenvolveu um exército cibernético de poder que poderia causar danos reais à infraestrutura dos EUA, que depende muito das redes da Internet. Além disso, as tropas e os interesses dos EUA no Iraque estão completamente expostos e abertos a ataques. É importante lembrar que foi violada a soberania iraquiana, e os comandantes militares iraquianos foram mortos ao longo do general Soleimani. A totalidade da presença e influência dos EUA no Iraque está em questão agora.
 
No entanto, a liderança iraniana tem exercido muita calma e racionalidade na avaliação de suas reações aos movimentos coercitivos dos EUA nos últimos dois anos. Obviamente, uma reação mais contida seria útil. Mas isso exige garantias de que tais operações criminais sejam interrompidas e a atual política dos EUA em relação ao Irã seja revertida.
 
Portanto, a presidente do Instituto Internacional Schiller, Sra. Helga Zepp-LaRouche, pediu que a Rússia e a China intervenham diplomaticamente para garantir que os EUA percebam que essa seria a maneira correta de aliviar a tensão e colocar toda a região em risco. caminho de paz e segurança.
 
 
 


Fonte: TASNIN NEWS. Tradução e apresentação Redação JF

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
IRÃ oferece conciliação. TRUMP não aceita e exclui o fim de sanções 27/01/2020
IRÃ oferece conciliação. TRUMP não aceita e exclui o fim de sanções
 
ÍNDIA E BRASIL- Acordos em Tecnologia, Energia e Segurança 25/01/2020
ÍNDIA E BRASIL- Acordos em Tecnologia, Energia e Segurança
 
BRASIL ocupa 4º lugar como destino de Investimentos Externos, diz UNCTAD 20/01/2020
BRASIL ocupa 4º lugar como destino de Investimentos Externos, diz UNCTAD
 
BRICS 2020 Os Destaques na visão do diretor do IPEA, no Forum Econômico de Gaidar 20/01/2020
BRICS 2020 Os Destaques na visão do diretor do IPEA, no Forum Econômico de Gaidar
 
DESIGUALDADE Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas 20/01/2020
DESIGUALDADE Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas
 
ARQUITETOS DA TORTURA DA CIA depõem à Justiça dos EUA sobre o 20/01/2020
ARQUITETOS DA TORTURA DA CIA depõem à Justiça dos EUA sobre o "09/11"
 
HONG KONG  Novos Protestos e Manifestações neste domingo 19/01/2020
HONG KONG Novos Protestos e Manifestações neste domingo
 
PARAGUAI - Fuga de presos brasileiros vinculados ao PCC neste domingo 19/01/2020
PARAGUAI - Fuga de presos brasileiros vinculados ao PCC neste domingo
 
FMI: 18/01/2020
FMI: "Economia Global, Risco de Recair na Grande Depressão"
 
CHINA - PIB cresceu 6,1% em 2019 17/01/2020
CHINA - PIB cresceu 6,1% em 2019
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites