Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

Sexta-Feira, Dia 10 de Janeiro de 2020 as 00:01:17



BREXIT Após aprovado pela Câmara dos Comuns, projeto segue à Câmara dos Lordes



Projeto de lei de Boris Johnson sobre Brexit segue para os Lordes após votação dos parlamentares
 
Primeiro-ministro ganha maioria de 99 votos, com votação dos parlamentares rejeitando promessa de reunir famílias separadas de refugiados
 
O projeto de lei do primeiro ministro britânico Boris Johnson sobre Brexit foi aprovado pela Câmara dos Comuns na 5ª feira, 09.01, em um marco importante que significa que o Reino Unido está a caminho de deixar a UE em 31.01.
 
O primeiro-ministro obteve uma votação do projeto de retirada da UE em terceira leitura por 330 votos a 231, a maioria de 99.
 
Antes da eleição, os parlamentares haviam frustrado o projeto de lei do Brexit apresentado por Theresa May, a primeira-ministra anterior, e ameaçavam fazer o mesmo com o acordo revisado por Johnson.
 
No entanto, a composição do novo parlamento é agora fortemente pró-Brexit, com a considerável maioria conservadora de Johnson.
 
O projeto de lei agora seguei para a Câmara dos Lordes, onde os colegas podem dar-lhe uma audiência mais desafiadora, mas ainda é improvável que bloqueiem sua passagem.
 
O porta-voz oficial do primeiro-ministro alertou a Câmara dos Lordes, onde Johnson não tem maioria, para não frustrar o progresso da legislação.
 
"O país enviou uma mensagem muito clara de que eles querem que o Brexit seja resolvido",
 
disse ele.
 
O projeto foi aprovado sem emenda no Commons em contraste marcante com os esforços tortuosos anteriores. Os parlamentares da oposição tentaram forçar uma emenda comprometendo o governo a permitir que crianças refugiadas desacompanhadas continuassem a se reunir com suas famílias no Reino Unido após o Brexit.
 
Crianças Refugiadas
 
O governo anterior havia aceitado uma emenda do colega trabalhista Lord Dubs, buscando proteções contínuas para crianças refugiadas após o Brexit, mas Johnson abandonou esse compromisso após a eleição.
 
Um novo deputado conservador usou seu discurso inaugural para defender essa decisão do governo. David Simmonds alegou que crianças vulneráveis ​​estavam “muito na mente de muitos membros”, mas argumentou que era “absolutamente certo” que essas questões deveriam ser tratadas na nova lei de imigração.
 
Falando de seu antigo papel de líder do trabalho nacional do governo local sobre o reassentamento de refugiados no Reino Unido, Simmonds disse:
 
“O que tende a acontecer é que os jovens são trazidos para a Grã-Bretanha para serem vinculados a um primo distante e, de fato, eles [ acabam] no sistema de atendimento deste país. ”
 
Ele acrescentou que os jovens refugiados na UE
 
"já estão em países que possuem sistemas de proteção infantil muito semelhantes, equivalentes e, em alguns casos, melhores que os nossos".
 
Mas Keir Starmer, o secretário secreto do Brexit, disse que os trabalhistas ainda podem "vencer o argumento moral" depois que sua tentativa de consagrar proteções para crianças refugiadas no acordo do governo do Brexit falhou.
 
Ele instou o governo a "reconsiderar" sua oposição aos planos de seu partido, acrescentando que os trabalhistas "podem não ganhar muitos votos neste parlamento, mas podemos ganhar o argumento moral".
 
Retomada das negociações com a UE: 01.02.2020 
 
Downing Street(1) sublinhou nesta 5ª feira que estava pronto para começar a próxima etapa do processo Brexit - negociando um acordo comercial até o final do ano - em 1º de fevereiro.
 
Mas o negociador-chefe do Brexit em Bruxelas, Michel Barnier, alertou que o acesso do mercado britânico à UE pode ser limitado, a menos que esteja de acordo com as condições dos subsídios estatais.
 
"Se o Reino Unido quiser um vínculo aberto conosco para os produtos - tarifas zero, cotas zero - precisamos ter cuidado com o dumping zero ao mesmo tempo",
 
disse ele em uma conferência em Estocolmo.
 
“Espero que esse ponto seja entendido corretamente por todos. Solicitaremos necessariamente certas condições sobre a política de auxílio estatal no Reino Unido.”
 
Ele também insistiu que era irrealista a meta da Grã-Bretanha de ter um acordo de livre comércio completo até o final do ano.
 
"Não podemos esperar concordar com todos os aspectos dessa nova parceria", disse Barnier, acrescentando que "estamos prontos para dar o melhor de nós nos 11 meses".
 
 
(1) Downing Stret 10 é o endereço residencial do Primeiro Ministro britânico. A expressão é assemelhada àquela utilizada para designar a sede do governo brasileiro, o Planalto; ou americano, a Casa Branca; ou argentino, a Casa Rosada.


Fonte: THE GUARDIAN. Tradução e copidescagem da Redação JF

 
Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
IRÃ oferece conciliação. TRUMP não aceita e exclui o fim de sanções 27/01/2020
IRÃ oferece conciliação. TRUMP não aceita e exclui o fim de sanções
 
ÍNDIA E BRASIL- Acordos em Tecnologia, Energia e Segurança 25/01/2020
ÍNDIA E BRASIL- Acordos em Tecnologia, Energia e Segurança
 
BRASIL ocupa 4º lugar como destino de Investimentos Externos, diz UNCTAD 20/01/2020
BRASIL ocupa 4º lugar como destino de Investimentos Externos, diz UNCTAD
 
BRICS 2020 Os Destaques na visão do diretor do IPEA, no Forum Econômico de Gaidar 20/01/2020
BRICS 2020 Os Destaques na visão do diretor do IPEA, no Forum Econômico de Gaidar
 
DESIGUALDADE Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas 20/01/2020
DESIGUALDADE Bilionários do mundo têm mais riqueza do que 4,6 bilhões de pessoas
 
ARQUITETOS DA TORTURA DA CIA depõem à Justiça dos EUA sobre o 20/01/2020
ARQUITETOS DA TORTURA DA CIA depõem à Justiça dos EUA sobre o "09/11"
 
HONG KONG  Novos Protestos e Manifestações neste domingo 19/01/2020
HONG KONG Novos Protestos e Manifestações neste domingo
 
PARAGUAI - Fuga de presos brasileiros vinculados ao PCC neste domingo 19/01/2020
PARAGUAI - Fuga de presos brasileiros vinculados ao PCC neste domingo
 
FMI: 18/01/2020
FMI: "Economia Global, Risco de Recair na Grande Depressão"
 
CHINA - PIB cresceu 6,1% em 2019 17/01/2020
CHINA - PIB cresceu 6,1% em 2019
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites