Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

Domingo, Dia 17 de Maio de 2020 as 02:05:50



PIB desmorona e Guedes fica em 'Sinuca de Bico' no pós-Pandemia



PIB desmorona e política de Guedes ficará em 'sinuca de bico' após epidemia
 
Com queda do PIB em função do coronavírus, governo ficará dividido entre "necessidade" de "expansão de gastos" e liberalismo de Paulo Guedes, disse à Sputnik Brasil a economista Esther Dweck.
 
Estimativa do governo anunciada nesta semana aponta uma queda histórica do PIB de 4,7% em 2020. A projeção anterior, de março, era de alta de 0,02%.
 
Além disso, o IBC-Br (Índice de Atividade Econômica do Banco Central), considerado uma prévia do PIB, registrou uma queda de 5,9% em março em comparação com o mês anterior.
 
Para Dweck, professora do IE-UFRJ Instituto de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, a estratégia para mitigar os efeitos da crise do coronavírus passa por políticas de transferência de renda para a população e de crédito para empresas, assim como ajuda para estados e municípios.
 
Medidas que, se fossem propostas antes da epidemia para a equipe ultraliberal do ministro da Economia, Paulo Guedes, seriam rapidamente rechaçadas.
 
"O governo vai estar numa sinuca de bico. Por um lado, vai perceber a necessidade de fazer algum tipo de medida de retomada da economia, o que significaria a expansão dos gastos. Por outro, existe a pauta pela qual o governo foi eleito, bastante liberal. E o governo depende do Guedes para se sustentar, porque ele é parte do apoio que o governo tem para aplicar reformas [como da Previdência, por exemplo]",
 
afirmou a especialista.
 
Caminho do ajuste fiscal
 
Ao chegar à encruzilhada, Dweck aposta qual caminho o executivo irá escolher.
 
"Umas das coisas mais graves anunciadas pelo Guedes é que para sair da crise vamos precisar de mais reformas, reformas que na verdade destroem todos os instrumentos que temos de desenvolvimento",
 
disse a coordenadora do Grupo de Economia do Setor Público do IE-UFRJ.
 
Teto de Gastos Públicos
 
Além disso, ela lamenta que a equipe econômica do governo tenha se comprometido com a "retomada, a partir do ano que vem, da Emenda Constitucional nº 95", que estabeleceu um teto de gastos públicos durante 20 anos.
 
O limite imposto pela lei, que segundo críticos praticamente congelou o investimento público em áreas como saúde e educação, está sendo inevitavelmente furado pela situação de calamidade gerada pela pandemia.
 
De acordo com Dweck, esse caminho "vai trazer uma crise econômica forte" e a perda de "apoio" ao governo, o que pode levar Guedes a deixar seu cargo, seja por "conta própria" ou porque a situação ficou "insustentável".
 
A especialista, que discorda "totalmente da ideia de que a economia brasileira estava decolando" antes da crise do coronavírus, devido à estagnação do "PIB per capita" e por apostar em uma "ideia errônea" de que o ajuste fiscal traria por si só um boom de investimento, coordenou estudo com três cenários pós-epidemia.
 
Três cenários após a pandemia
 
No mais otimista, o relatório prevê queda pouco maior de 3%, no intermediário e no pessimista, para ela os mais prováveis, as projeções são de queda de 6% e 11%, respectivamente.
 
"Os três panoramas envolvem tanto fatores domésticos quanto externos. Em parte, o próprio governo vai determinar o tamanho dessa queda. Nos fatores domésticos, por um lado, o que mais conta é ter um isolamento social bastante eficaz, o que reduziria o tempo de isolamento, o que não é o que esta acontecendo hoje. Por outro, são as politicas de mitigação dos efeitos econômicos por meio da transferência de renda para a população e garantias de créditos para as empresas, além da transferência de recursos para estados e municípios", 
 
afirmou a professora Dweck.
 
 


Fonte: SPUTNIKNEWS. Imagem de arquivo. Copidescagem e Chamada de Capa da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
AUXÍLIO EMERGENCIAL Prorrogação elevará gasto total a R$ 203 BI 05/06/2020
AUXÍLIO EMERGENCIAL Prorrogação elevará gasto total a R$ 203 BI
 
BNDES cria Programa de Apoio à Pequena e Média Empresa 05/06/2020
BNDES cria Programa de Apoio à Pequena e Média Empresa
 
DÓLAR cai abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde Março 05/06/2020
DÓLAR cai abaixo de R$ 5 pela primeira vez desde Março
 
BOLSONARO veta destinação de fundo extinto ao combate da Covid-19 04/06/2020
BOLSONARO veta destinação de fundo extinto ao combate da Covid-19
 
CÂMBIO - Dólar fecha no menor nível em 10 semanas 04/06/2020
CÂMBIO - Dólar fecha no menor nível em 10 semanas
 
TESOURO NACIONAL capta US$ 3,5 BI no exterior com juros baixos 04/06/2020
TESOURO NACIONAL capta US$ 3,5 BI no exterior com juros baixos
 
FUTEBOL Covid-19 Reduz Receita dos Clubes em mais de R$ 1 BI 02/06/2020
FUTEBOL Covid-19 Reduz Receita dos Clubes em mais de R$ 1 BI
 
AUXÍLIO EMERGENCIAL - 11 Milhões Pedidos em análise na CAIXA 02/06/2020
AUXÍLIO EMERGENCIAL - 11 Milhões Pedidos em análise na CAIXA
 
BC irá 'ajustar' Crédito Emergencial para Folha de Pagamentos 01/06/2020
BC irá 'ajustar' Crédito Emergencial para Folha de Pagamentos
 
IMPOSTO DE RENDA - Metade dos Contribuintes entregou Declaração de IR 31/05/2020
IMPOSTO DE RENDA - Metade dos Contribuintes entregou Declaração de IR
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites