Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

25 de Junho de 2020 as 00:06:35



SENADO aprova Projeto que Privatiza o Serviço de Água e Esgoto



Senado aprova novo marco do saneamento
 
Projeto prevê participação de empresas privadas e cria exigência de saúde financeira às estatais para manterem-se nesta atividade.
Projeto segue para a sanção por Bolsonaro. 
 
O Senado aprovou nesta 4ª feira, 24.06, o Projeto de Lei (PL) 4.162/19, que trata do novo marco do saneamento e que teve a relatoria do Senador Tasso Jereissati. O projeto já havia passado pela Câmara, após muita discussão. Agora segue para sanção presidencial. 
 
O projeto viabiliza a injeção de mais investimentos privados no serviço de saneamento. Hoje, em 94% das cidades brasileiras, o serviço de saneamento é prestado por empresas estatais. As empresas privadas administram o serviço em apenas 6% das cidades.
 
Com a proposta, empresas privadas também poderão participar de licitações do setor. Atualmente, prefeitos e governadores podem optar pela licitação ou por firmar termos de parceria diretamente com as empresas estatais.
 
Se sancionado o projeto pelo presidente da República, as empresas estatais não poderão firmar novos contratos para a prestação do serviço sem participar de licitação junto com as empresas privadas.
 
O projeto prevê também que os atuais contratos em vigor poderão ser prorrogados por mais 30 anos, desde que as empresas (94% estatais) comprovem uma saúde financeira suficientemente boa para se manterem apenas com a cobrança de tarifas e contratação de dívida. Além disso, as empresas devem ampliar o fornecimento de água para 99% da população e acesso a esgoto para 90% da população.
 
Universalização dos serviços
 
O relator da proposta no Senado, Tasso Jereissati, afirmou que o propósito do projeto é universalizar a prestação de serviços de saneamento no Brasil. Ou seja, garantir o acesso de todos os municípios a água tratada e coleta de esgoto. Para que isso ocorra até 2033, ele estima serem necessários entre R$ 500 bilhões e R$ 700 bilhões em investimentos.
 
Um dos mecanismos inseridos pelo projeto para universalizar o sistema de saneamento no país é a prestação regionalizada. Assim, empresas não podem fornecer serviço apenas para os municípios de interesse delas, que gerem lucro. A prestação regionalizada inclui municípios mais e menos atraentes e não necessariamente contíguos em um mesmo território de prestação.
 
Fim dos Lixões
 
O PL também estabelece um prazo para o fim dos lixões no país. Para capitais e regiões metropolitanas, esse prazo é 2021; para cidades com mais de 100 mil habitantes, o prazo é 2022. Já em cidades entre 50 e 100 mil habitantes, os lixões devem ser eliminados até 2023; e em cidades com menos de 50 mil habitantes, o prazo é 2024.
 
População desabastecida
 
Segundo levantamento de 2018 realizado pelo Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), 35 milhões de brasileiros (16,38%) não têm acesso à água tratada e cerca de 100 milhões (47%) não têm rede de coleta de esgoto.
 
“Essa modernização é absolutamente necessária e urgente. Conforme já apontaram pareceres sobre as matérias mencionadas, o modelo institucional do setor precisa ser otimizado de modo a superar os graves índices hoje observados no Brasil”,
 
explicou o relator da matéria, Tasso Jereissati (PSDB-CE), em seu parecer.
 
A epidemia de covid-19, por sua vez, reforça os argumentos dos defensores do projeto, uma vez que as práticas de higiene, como lavar as mãos, estão entre as formas eficazes de prevenir o contágio e milhões de brasileiros ainda não têm acesso à água tratada.
 
“Enquanto órgãos de saúde pública de referência no plano internacional e no Brasil recomendam que se lavem as mãos com frequência para evitar a contaminação com o coronavírus, temos 35 milhões de brasileiros sem acesso à água tratada. Um grande e potencialmente letal paradoxo”, 
 
argumentou o relator.
 
Alguns senadores questionaram a efetividade da proposta. Para Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB), o projeto não garante que a população seja realmente beneficiada com a privatização dos sistemas de saneamento.
 
“Eu não tenho segurança que essa universalização chegará de fato aos rincões. É muito comum a simploriedade de utilizar o caos, como nós temos, para as soluções quase messiânicas”.
 
Mecias de Jesus (Republicanos-RR) acredita que a privatização deverá aumentar as tarifas de fornecimento de água e esgoto sem que haja melhora visível no serviço. Ele usou como exemplo o serviço de distribuição de energia em Roraima que, segundo ele, é caro e de baixa qualidade.
 
“A privatização resultou na demissão de centenas de servidores e na entrega de um patrimônio de mais de R$ 1 bilhão por míseros R$ 50 mil. Hoje o Roraimense paga a tarifa de energia mais cara do Brasil pelo pior serviço prestado”.
 
Já o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), mostrou apoio ao projeto. Ele considera que o novo marco do saneamento poderá expandir a rede e oferecer serviços a toda população.
 
“O objetivo deste projeto é ampliar os mecanismos que levem à expansão da rede, inclusive por meio da prestação regionalizada dos serviços. Esse é o caminho para recuperar o tempo perdido e modernizarmos um setor estratégico para alavancar a economia brasileira”.
 
CNI comemora aprovação
 
A CNI Confederação Nacional da Indústria comemorou a aprovação. Para ela, o novo marco do saneamento vai modernizar o setor.
 
“O novo marco legal do saneamento básico modernizará o setor de maior atraso da infraestrutura nacional e permitirá o aumento dos investimentos nas redes de coleta e tratamento de esgoto e de abastecimento de água. Essa é uma condição imprescindível para que o Brasil caminhe na direção de universalizar os serviços de saneamento”, 
 
disse a entidade, em nota.
 
Para a entidade, o aumento da concorrência trazido pela nova lei poderá dar um “choque de eficiência” em estatais com rendimento abaixo do necessário, além de permitir a entrada de capital privado no setor de saneamento.
 
“A abertura de espaço para a iniciativa privada atuar na exploração do setor, possibilitará a atração de grandes investimentos e a geração de, pelo menos, um milhão de empregos em cinco anos”,
 
disse o presidente da CNI, Robson Braga.


Fonte: AGENCIA BRASIL. Chamada de Capa e Subtitulo da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
PETROLEO - Parcela da União cresceu 50% nos Contratos de Partilha 14/07/2020
PETROLEO - Parcela da União cresceu 50% nos Contratos de Partilha
 
DÓLAR sobe a R$ 5,388 e fecha no maior nível em 2 semanas 14/07/2020
DÓLAR sobe a R$ 5,388 e fecha no maior nível em 2 semanas
 
PRONAMPE - BB já emprestou R$ 5 BI e esgotou a verba novamente 11/07/2020
PRONAMPE - BB já emprestou R$ 5 BI e esgotou a verba novamente
 
MARKET UPDATE SEMANAL 04.07 a 10.07.2020 Indicadores da Atividade Econômica 10/07/2020
MARKET UPDATE SEMANAL 04.07 a 10.07.2020 Indicadores da Atividade Econômica
 
O MERCADO, 09.07: IBOVESPA cai 0,61% a 99.160 pts; DÓLAR cai a R$ 5,3353 10/07/2020
O MERCADO, 09.07: IBOVESPA cai 0,61% a 99.160 pts; DÓLAR cai a R$ 5,3353
 
CAIXA ultrapassa R$ 5 bi em crédito a Micro e Pequenas Empresas 10/07/2020
CAIXA ultrapassa R$ 5 bi em crédito a Micro e Pequenas Empresas
 
COMÉRCIO VAREJISTA cresce 13,9% em maio 09/07/2020
COMÉRCIO VAREJISTA cresce 13,9% em maio
 
PETROBRAS anuncia reajuste de 5% para Gasolina nas Refinarias 08/07/2020
PETROBRAS anuncia reajuste de 5% para Gasolina nas Refinarias
 
DÓLAR sobe 0,63% a R$ 5,386 08/07/2020
DÓLAR sobe 0,63% a R$ 5,386
 
BOLSA sobe 2,24% e DÓLAR sobe a R$ 5,352 nesta 2ª feira 06/07/2020
BOLSA sobe 2,24% e DÓLAR sobe a R$ 5,352 nesta 2ª feira
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites