Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

05 de Outubro de 2021 as 19:55:40



DIA DAS CRIANÇAS - Expectativa de Faturamento Recorde no Varejo



CNC estima faturamento recorde do varejo para o Dia das Crianças
 
A data é a terceira mais importante depois do Natal e do Dia das Mães
 
Pesquisa da CNC Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, divulgada hoje (5), estima que a movimentação financeira do varejo para o Dia das Crianças, comemorado no próximo dia 12, deverá alcançar R$ 7,43 bilhões.
 
Caso seja confirmada essa expectativa, será o maior faturamento do comércio varejista nacional para a data, desde 2015, quando atingiu R$ 7,52 bilhões. Essa é a terceira data mais importante do varejo, depois do Natal e do Dia das Mães.
 
No ano passado, a movimentação financeira para a celebração das crianças totalizou R$ 6,52 bilhões, menor resultado desde 2009, de R$ 6,18 bilhões, mostrando retração de 11,3% em relação a 2019, de R$ 7,35 bilhões. De acordo com economista sênior da CNC, Fabio Bentes, o avanço de 14% em 2021, já descontada a inflação, é atribuído à fraca base comparativa de 2020 sobre 2019, quando a receita das vendas somou R$ 7,35 bilhões. O economista acredita que, tal como aconteceu a partir de 2017 e observado nos anos anteriores, a tendência é de recuperação das vendas.
 
“De 2017 em diante, as vendas vieram crescendo pouco, mas cresceram, e foram interrompidas por esse ano atípico de 2020 (devido à pandemia da covid-19)”,
 
disse o economista.
 
A expectativa de expansão das vendas este ano, se deve ao aumento de 34% na circulação de consumidores registrado desde o fim da segunda onda da crise sanitária, em outubro de 2020, até o final do mês passado.
 
“Isso aí é o lastro do otimismo no comércio. Foi assim também nas datas comemorativas pós segunda onda da covid-19. Desde o final da segunda onda, a gente observa um aumento contínuo na movimentação do varejo”.
 
Segundo a CNC, o ramo de eletroeletrônicos e brinquedos será mais uma vez o destaque das vendas para o Dia das Crianças, respondendo por 31% do volume projetado, ou o equivalente a R$ 2,31 bilhões, seguido pelo ramo de vestuário e calçados (R$ 2,21 bilhões), com crescimento real em relação à mesma data de 2020 em torno de 28% a 29%.
 
A análise regional revela que o estado de São Paulo se mantém na liderança absoluta, com movimentação financeira de R$ 2,68 bilhões, seguido por Minas Gerais (R$ 758,5 milhões), Rio Grande do Sul (R$ 687,2 milhões) e Rio de Janeiro (R$ 655,7 milhões). Juntos, os quatro estados deverão responder por 53,4% do total movimentado na data comemorativa. 
 
A pesquisa mostra, por outro lado, que as maiores taxas em relação a 2020 são esperadas no Espírito Santo (18,3%), Bahia (4,5%) e Paraná (4,4%), onde a recuperação do comércio se mostra mais forte do que nos demais estados.
 
Inflação
 
Fabio Bentes disse que apesar do aumento na circulação de consumidores, o varejo brasileiro terá dificuldades para evitar repasses aos preços de bens e serviços ao consumidor final diante da inflação anualizada de 10,1%, segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA-15). Os itens que compõem a cesta típica da data aumentaram 7%, maior taxa desde 2016 (8,8%). 
 
Segundo Fabio Bentes, “a crise ainda está nos calcanhares do comércio”. Entre os produtos e serviços mais demandados nessa época do ano, os maiores reajustes em 12 meses são observados nos preços de bicicletas (15,9%), doces (12,3%) e lanches (10,9%), de acordo com a CNC.
 
Alerta
 
Para o Dia das Crianças, o alerta do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) é que os pais estejam atentos à combinação de brincadeira com segurança, principalmente neste momento em que boa parte das compras é feita pela internet.
 
A dica na hora de escolher brinquedos para crianças de até 14 anos de idade, sejam nacionais ou importados, é observar a faixa etária e se o produto tem o Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro, porque isso significa que ele foi submetido aos ensaios de segurança exigidos pelo regulamento.
 
O selo do Inmetro é obrigatório em brinquedos desde 1992 e considera itens de segurança como impacto e queda (bordas cortantes e pontas agudas); mordida (partes pequenas que podem ser levadas à boca); toxicidade (metais e substâncias nocivos à saúde); inflamabilidade (risco de combustão em contato com o fogo); e ruído (níveis acima dos limites estabelecidos pela legislação).
 
Para ajudar na hora da compra, o Inmetro resumiu algumas recomendações relativas à segurança.
 
a) procurar sempre pontos de venda legalmente estabelecidos;
 
b) comprar somente brinquedos que contenham o selo de identificação da conformidade com a marca do Inmetro; o selo deve estar sempre visível, impresso na embalagem, gravado ou numa etiqueta afixada no produto;
 
c) brinquedos importados também devem ser submetidos a ensaios em laboratórios acreditados ou reconhecidos pelo Inmetro, além de exibir o selo;
 
d) os pais devem selecionar o brinquedo considerando a idade, o interesse e o nível de habilidade da criança;
 
e) o brinquedo deve obedecer à idade indicada;
 
f)  na hora da compra, exigir a nota fiscal, tíquete do caixa, recibo ou equivalente que somente empresas legalizadas possuem.


Fonte: AGENCIA BRASIL.chamada de capa da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
SULGÁS - Governo do RS vende em Leilão sua estatal de Gás 22/10/2021
SULGÁS - Governo do RS vende em Leilão sua estatal de Gás
 
DÓLAR cai a R$ 5,627 e IBOVESPA cai 1,34%. Mercado se acalma com visita de Bolsonaro a Guedes 22/10/2021
DÓLAR cai a R$ 5,627 e IBOVESPA cai 1,34%. Mercado se acalma com visita de Bolsonaro a Guedes
 
CONTAS EXTERNAS - BC Estima Déficit de US$ 21 Bilhões em 2021 01/10/2021
CONTAS EXTERNAS - BC Estima Déficit de US$ 21 Bilhões em 2021
 
CONTAS EXTERNAS - DÉFICIT de US$ 20,7 BI em 12 meses; e de US$ 1,7 BI só em Setembro 22/10/2021
CONTAS EXTERNAS - DÉFICIT de US$ 20,7 BI em 12 meses; e de US$ 1,7 BI só em Setembro
 
PREÇO DE COMBUSTÍVEIS - Não há Perspectivas de Estabilização, diz Petrobras 22/10/2021
PREÇO DE COMBUSTÍVEIS - Não há Perspectivas de Estabilização, diz Petrobras
 
DÓLAR sobe 1,92% a R$ 5,668 e IBOVESPA cai 2,79%, em 21.10 22/10/2021
DÓLAR sobe 1,92% a R$ 5,668 e IBOVESPA cai 2,79%, em 21.10
 
COMBUSTÍVEIS - Setor Privado alega Defasagem de Preços para Não importar Combustíveis 20/10/2021
COMBUSTÍVEIS - Setor Privado alega Defasagem de Preços para Não importar Combustíveis
 
DÓLAR tem alta de 1,33% a R$ 5,594, mesmo com BC vendendo US$500 MI das Reservas Internacionais 19/10/2021
DÓLAR tem alta de 1,33% a R$ 5,594, mesmo com BC vendendo US$500 MI das Reservas Internacionais
 
DÓLAR subiu 1,21% a R$ 5,521; IBOVESPA  estável, mas já desvalorizou 3,86% em 2021 18/10/2021
DÓLAR subiu 1,21% a R$ 5,521; IBOVESPA estável, mas já desvalorizou 3,86% em 2021
 
BOLETIM FOCUS - Mercado eleva Projeção da Inflação para 8,69% 18/10/2021
BOLETIM FOCUS - Mercado eleva Projeção da Inflação para 8,69%
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites