Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

12 de Outubro de 2021 as 04:10:23



BALANÇA COMERCIAL - Superávit de US$ 58,50 BI até 2ª semana de Outubro



Superávit da balança atinge US$ 1,93 bilhão até 2ª semana de outubro
 
Corrente de comércio chega a US$ 13,87 bilhões no período; no acumulado do ano, superávit é de US$ 58,50 bilhões, com corrente de comércio de US$ 384 bilhões
 
Até a segunda semana de outubro, a balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,93 bilhão, em um crescimento de 46%, pela média diária, em relação ao mesmo período do ano passado.
 
A corrente de comércio (soma das exportações e importações) alcançou US$ 13,87 bilhões, em alta de 49,6%. No acumulado do ano, o superávit chegou a US$ 58,50 bilhões, subindo 38,8%, e a corrente de comércio atingiu US$ 384 bilhões, um aumento de 36,5%, na comparação com o período de janeiro a outubro de 2020.
 
Os dados foram divulgados nesta 2ª feira, 11.10.2021, pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.  
 
As exportações em outubro, até a segunda semana, cresceram 49,2% e somaram US$ 7,90 bilhões, enquanto as importações subiram 50,3% e totalizaram US$ 5,97 bilhões. Já no acumulado desde janeiro, as exportações cresceram 36,8% e somaram US$ 221,25 bilhões, com as importações subindo 36,1% e alcançando US$ 162,75 bilhões.
 
Exportações por setores   
 
O desempenho das exportações brasileiras por setores, até a segunda semana de outubro, apresentou crescimento de 45,6% na Agropecuária; de 52,9% na Indústria Extrativa; e de 48,8% na Indústria de Transformação.
 
Na Agropecuária, o crescimento nas vendas foi impulsionado por soja (+186,6%); café não torrado (+ 29,1%); frutas e nozes não oleaginosas,frescas ou secas (+ 12,5%); produtos hortícolas, frescos ou refrigerados (+67,5%) e especiarias (+ 42,3%). 
 
Já a Indústria de Transformação teve crescimentos mais expressivos nas vendas de óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+ 584,5%); produtos laminados planos de ferro ou aço não ligado, folheados ou chapeados, ou revestidos (+ 4.044,4%),  alumina, óxido de alumínio, exceto corindo artificial (+ 276,2%); celulose (+ 53,4%) e produtos laminados planos de ferro ou aço não ligado, não folheados ou chapeados, ou revestidos (+ 776,2%). 
 
Por fim, na Indústria Extrativista destaque para as vendas de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+ 201,7%); pedra, areia e
cascalho (+ 154,8%); minérios de alumínio e seus concentrados (+ 103,1%) e outros minerais em bruto (+ 23,9%). 
 
Importações por setores   
 
Até a 2ª semana de outubro, todos os setores também registraram crescimento nas importações. A Agropecuária registrou alta de 41%; a Indústria Extrativista aumentou as compras do exterior em 134,1%, enquanto a Indústria de Transformação registrou aumento de 46,5%.  
 
A alta das importações na Agropecuária foi influenciada pela expansão das compras de milho não moído, exceto milho doce (+ 560,3%); látex, borracha natural, balata, guta-percha, guaiúle, chicle e gomas naturais (+104,5%); pescado inteiro vivo, morto ou refrigerado (+ 62,4%); algodão em bruto (+ 1.169,7%) e matérias vegetais em bruto (+ 9,8%). 
 
Na Indústria Extrativa, os destaques foram os aumentos nas compras de óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos, crus (+ 483,0%); carvão, mesmo em pó, mas não aglomerado (+ 77,0%); outros minérios e concentrados dos metais de base (+ 257,1%); fertilizantes brutos, exceto adubos (+ 13,1%) e outros minerais em bruto (+ 2,5%). 
 
Já na Indústria de Transformação as importações foram puxadas pelas altas de adubos ou fertilizantes químicos, exceto fertilizantes brutos, (+ 209,0%); óleos combustíveis de petróleo ou de minerais betuminosos, exceto óleos brutos (+ 97,1%); geradores elétricos giratórios e suas partes (+ 588,9%); medicamentos e produtos farmacêuticos, exceto veterinários (+ 88,8%) e válvulas e tubos termiônicas, de cátodo frio ou foto-cátodo, diodos, transistores (+ 52,4%).


Fonte: Ministerio da Economia





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
SULGÁS - Governo do RS vende em Leilão sua estatal de Gás 22/10/2021
SULGÁS - Governo do RS vende em Leilão sua estatal de Gás
 
DÓLAR cai a R$ 5,627 e IBOVESPA cai 1,34%. Mercado se acalma com visita de Bolsonaro a Guedes 22/10/2021
DÓLAR cai a R$ 5,627 e IBOVESPA cai 1,34%. Mercado se acalma com visita de Bolsonaro a Guedes
 
CONTAS EXTERNAS - BC Estima Déficit de US$ 21 Bilhões em 2021 01/10/2021
CONTAS EXTERNAS - BC Estima Déficit de US$ 21 Bilhões em 2021
 
CONTAS EXTERNAS - DÉFICIT de US$ 20,7 BI em 12 meses; e de US$ 1,7 BI só em Setembro 22/10/2021
CONTAS EXTERNAS - DÉFICIT de US$ 20,7 BI em 12 meses; e de US$ 1,7 BI só em Setembro
 
PREÇO DE COMBUSTÍVEIS - Não há Perspectivas de Estabilização, diz Petrobras 22/10/2021
PREÇO DE COMBUSTÍVEIS - Não há Perspectivas de Estabilização, diz Petrobras
 
DÓLAR sobe 1,92% a R$ 5,668 e IBOVESPA cai 2,79%, em 21.10 22/10/2021
DÓLAR sobe 1,92% a R$ 5,668 e IBOVESPA cai 2,79%, em 21.10
 
COMBUSTÍVEIS - Setor Privado alega Defasagem de Preços para Não importar Combustíveis 20/10/2021
COMBUSTÍVEIS - Setor Privado alega Defasagem de Preços para Não importar Combustíveis
 
DÓLAR tem alta de 1,33% a R$ 5,594, mesmo com BC vendendo US$500 MI das Reservas Internacionais 19/10/2021
DÓLAR tem alta de 1,33% a R$ 5,594, mesmo com BC vendendo US$500 MI das Reservas Internacionais
 
DÓLAR subiu 1,21% a R$ 5,521; IBOVESPA  estável, mas já desvalorizou 3,86% em 2021 18/10/2021
DÓLAR subiu 1,21% a R$ 5,521; IBOVESPA estável, mas já desvalorizou 3,86% em 2021
 
BOLETIM FOCUS - Mercado eleva Projeção da Inflação para 8,69% 18/10/2021
BOLETIM FOCUS - Mercado eleva Projeção da Inflação para 8,69%
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites