Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

26 de Outubro de 2021 as 20:10:10



IMPOSTOS - Arrecadação federal cresce 12,9%



Arrecadação federal cresce 12,9% e bate recorde em setembro
 
Melhora da economia e IOF mais alto impulsionaram receita
 
Impulsionada pela recuperação da economia e pelo aumento no IOF Imposto sobre Operações Financeiras, a arrecadação federal bateu recorde para o mês de setembro. Segundo dados divulgados nesta 3ª feira, 26.10, pela Receita Federal, o governo arrecadou R$ 149,102 bilhões no mês passado, com aumento de 12,87% acima da inflação em valores corrigidos pelo IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo.
 
O valor é o maior da história para meses de setembro desde o início da série histórica da Receita Federal, em 1995, em valores corrigidos pela inflação. Nos nove primeiros meses do ano, a arrecadação federal soma R$ 1,349 trilhão, com alta de 22,3% acima da inflação pelo IPCA, também recorde para o período.
 
A arrecadação superou as previsões das instituições financeiras. No relatório Prisma Fiscal, pesquisa divulgada pelo Ministério da Economia, os analistas de mercado estimavam que o valor arrecadado ficaria em R$ 138,758 bilhões em setembro, pelo critério da mediana (valor central em torno dos quais um dado oscila).
 
Recuperação
 
A recuperação da economia, que neste ano deve fechar com crescimento próximo de 5%, está impulsionando a arrecadação, com reforço de R$ 14,52 bilhões em setembro na comparação com setembro do ano passado em valores corrigidos pelo IPCA. No entanto, fatores atípicos e mudanças na legislação também contribuíram para a alta.
 
O aumento do IOF, que entrou em vigor no fim de setembro para financiar o Auxílio Brasil, também ajudou a melhorar a arrecadação. De abril a dezembro do ano passado, o IOF sobre operações de crédito foi zerado para baratear as linhas de crédito emergenciais concedidas durante a pandemia. Juntos, os dois efeitos elevaram a arrecadação em R$ 3,34 bilhões no mês passado em relação a setembro de 2020.
 
Adiamentos
 
Os adiamentos de pagamento de tributos também ajudaram a impulsionar a arrecadação no mês passado. Isso porque diversas obrigações que tinham sido suspensas no início do ano, por causa da segunda onda da pandemia de covid-19, voltaram a ser pagas no segundo semestre. O pagamento de tributos diferidos (adiados) aumentou de R$ 1,81 bilhão em setembro do ano passado, para R$ 2,61 bilhões em setembro deste ano.
 
Também influiu na alta da arrecadação o recolhimento atípico (que não se repetirá em outros anos) de cerca de R$ 2 bilhões em setembro em IRPJ Imposto de Renda Pessoa Jurídica e em CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido por grandes empresas. Nos nove primeiros meses do ano, os recolhimentos atípicos somam R$ 31 bilhões, contra apenas R$ 5,3 bilhões no mesmo período de 2020.
 
Ao longo de 2021, esses recolhimentos fora de época têm impulsionado a arrecadação por causa de empresas que registraram lucros maiores que o previsto e tiveram de pagar a diferença. Por causa do sigilo fiscal, a Receita não pode informar o nome e a atividade dessas grandes companhias.
 
Tributos
 
Na divisão por tributos, as maiores altas em setembro – em relação ao mesmo mês de 2020 – foram registradas na arrecadação do IRPJ e da CSLL, alta de R$ 3,5 bilhões (16,94%) acima da inflação pelo IPCA, impulsionados pelo recolhimento atípico de grandes empresas e pelo aumento do lucro das empresas. Em seguida vem o IOF, com crescimento de R$ 3,34 bilhões (352,2%) acima da inflação, por causa do fim da isenção que vigorou em 2020 e do aumento das alíquotas em 2021.
 
Em terceiro lugar, estão as receitas da Previdência Social, que aumentou 7,89% acima da inflação, motivada pela recuperação do emprego formal. A arrecadação do PIS Programa de Integração Social e da COFINS Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social, subiu 6,71% acima da inflação, influenciada pela recuperação das vendas e do setor de serviços, após a vacinação em massa contra a covid-19. Por incidir sobre o faturamento, a arrecadação de PIS/Cofins está atrelada ao consumo.


Fonte: AGENCIA BRASIL.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
GUEDES reconhece que JUROS ALTOS traz Desaceleração na Economia 04/12/2021
GUEDES reconhece que JUROS ALTOS traz Desaceleração na Economia
 
GUIA DE AÇÕES, 03.12.2021: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir 03/12/2021
GUIA DE AÇÕES, 03.12.2021: VEJA AQUI AS COTAÇÕES. Avalie se convém investir
 
ENDIVIDAMENTO - 73,5% das Famílias Paulistanas estão com Dívidas 03/12/2021
ENDIVIDAMENTO - 73,5% das Famílias Paulistanas estão com Dívidas
 
PRODUTIVIDADE - Indicador da indústria cai 1,3%, no 3º trimestre 03/12/2021
PRODUTIVIDADE - Indicador da indústria cai 1,3%, no 3º trimestre
 
IBGE - Pesquisa mostra enfraquecimento do mercado de trabalho em 2020 00/00/0000
IBGE - Pesquisa mostra enfraquecimento do mercado de trabalho em 2020
 
ORÇAMENTO 2022 - Comissão Mista aprova Acréscimo de R$ 72 bi para 2022 02/12/2021
ORÇAMENTO 2022 - Comissão Mista aprova Acréscimo de R$ 72 bi para 2022
 
CNI: 7 em cada 10 Indústrias têm Dificuldades para Comprar Insumo 02/12/2021
CNI: 7 em cada 10 Indústrias têm Dificuldades para Comprar Insumo
 
VENDAS DE NATAL devem garantir crescimento de 5% no varejo paulista 02/12/2021
VENDAS DE NATAL devem garantir crescimento de 5% no varejo paulista
 
BRASIL EM RECESSÃO - PIB caiu 0,1% no 3º trimestre de 2021 02/12/2021
BRASIL EM RECESSÃO - PIB caiu 0,1% no 3º trimestre de 2021
 
BRASIL tem 13,5 Milhões de Desempregados, 30.7 Milhões Subutilizados e 5 Milhões de Desalentados 30/11/2021
BRASIL tem 13,5 Milhões de Desempregados, 30.7 Milhões Subutilizados e 5 Milhões de Desalentados
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites