Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Política

24 de Novembro de 2021 as 15:11:08



PEC DOS PRECATÓRIOS - Relator do Projeto torna Permanente o Auxílio Brasil



Relator da PEC dos Precatórios apresenta parecer à CCJ
 
Proposta torna o Auxílio Brasil um beneficio permanente, no valor de R$ 400
 
O relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios na CCJ Comissão de Constituição e Justiça do Senado, o líder do governo na Casa, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), apresentou nesta 4ª feira, 24.11, eu parecer à proposta no colegiado.
 
Com a leitura do relatório feita, o presidente da CCJ, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), concedeu vista coletiva ao texto. Os precatórios são dívidas da União reconhecidas pela justiça.
 
A expectativa do governo é que o texto seja debatido e votado na próxima 3ª feira 30.11, ou 4ª feira, 1º.12. A etapa seguinte é a votação em dois turnos pelos 81 senadores no plenário da Casa. Se aprovada com alterações, a PEC precisa voltar à análise dos deputados.
 
Para o senador Omar Aziz (PSD-AM), não há tempo hábil para votar a PEC na comissão na próxima terça-feira, como quer o governo. “Concordamos com algumas questões da PEC, mas não concordamos com outras. Não adianta querer açodar as coisas porque o governo quer. Nós queremos ajudar quem precisa. Houve tempo suficiente para ajudar essas pessoas. Se chegamos onde chegamos, não é responsabilidade do Senado Federal”, afirmou.
 
Alterações
 
Entre as sete principais mudanças feitas por Bezerra no texto já aprovado pelos deputados, está a transformação do Auxílio Brasil, que substitui o Bolsa Família, em programa um permanente, no valor de R$ 400. Pelo relatório de Bezerra, até dezembro do próximo ano, quando terminaria o prazo do atual Auxílio Brasil, devem ser estabelecidas as regras básicas para tornar o programa permanente com cerca de 17 milhões de beneficiados.
 
Segundo o Ministério da Economia, a alta da inflação no segundo semestre deste ano aumentou em R$ 14,5 bilhões os recursos a serem liberados em 2022 pela PEC dos Precatórios. O espaço fiscal criado passou de R$ 91,6 bilhões para R$ 106,1 bilhões. No entanto, desse total, o governo só terá R$ 1,1 bilhão para serem livremente gastos.
 
O presidente Jair Bolsonaro disse que utilizará o dinheiro não só para viabilizar as parcelas do novo auxílio para famílias em extrema pobreza, mas também para aumentar o salário de servidores públicos no ano que vem.
 
Fundef
 
Outra mudança no texto prevê que os valores dos precatórios do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef) a serem recebidos por estados e municípios sejam aplicados “na manutenção e desenvolvimento do ensino fundamental público e na valorização do seu magistério, conforme destinação originária do fundo”. Além disso, prevê que no mínimo 60% sejam repassados aos professores, inclusive aposentados e pensionistas.
 
Também pela proposta, o Congresso deverá fazer um “exame analítico e pericial dos atos, fatos e procedimentos geradores dos precatórios e sentenças judiciais contrárias à Fazenda Pública da União”. A ideia é que os precatórios do Fundef sejam pagos, todos os anos, em três parcelas, sendo 40% do valor quitado até 30 de abril, 30% até 31 de agosto e 30% até 31 de dezembro; e “a inclusão, no orçamento das entidades de direito público, de verba necessária ao pagamento de seus débitos, oriundos de sentenças transitadas em julgado, constantes de precatórios judiciários apresentados até 2 de abril, fazendo-se o pagamento até o final do exercício seguinte, quando terão seus valores atualizados monetariamente”.
 
Espaço fiscal
 
No texto apresentado hoje, Bezerra também vincula o espaço fiscal a ser aberto pela PEC em 2022 à ampliação de programas sociais de combate à pobreza e à extrema pobreza; ao atendimento dos limites individualizados e sublimites que decorram da aplicação dos recursos; e à saúde, previdência e assistência social.
 
Travas na PEC
 
No Senado, uma parte dos parlamentares defendem a criação de travas ao espaço fiscal que será aberto com a prorrogação dos precatórios, limitado ao teto de gastos.
 
A ideia é que o governo destine toda a verba dos precatórios para despesas que são atreladas à correção do salário mínimo: abono salarial, seguro-desemprego e a Previdência Social. Os senadores também querem separar os recursos para gastos com saúde e educação e incluir o programa de desoneração da folha salarial.


Fonte: AGENCIA BRASIL.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
PEC dos PRECATÓRIOS - Senado aprova PEC que retorna à Câmara 02/12/2021
PEC dos PRECATÓRIOS - Senado aprova PEC que retorna à Câmara
 
SENADO - Comissão de Agricultura aprova projeto de Doação de Alimentos 02/12/2021
SENADO - Comissão de Agricultura aprova projeto de Doação de Alimentos
 
PLENARIO DO SENADO aprova indicação de ANDRÉ MENDONÇA para o STF 01/12/2021
PLENARIO DO SENADO aprova indicação de ANDRÉ MENDONÇA para o STF
 
ANDRÉ MENDONÇA - Indicado ao STF é sabatinado pelo Senado 01/12/2021
ANDRÉ MENDONÇA - Indicado ao STF é sabatinado pelo Senado
 
Bolsonaro assina filiação ao PL 30/11/2021
Bolsonaro assina filiação ao PL
 
PEC DOS PRECATÓRIOS aprovada pela  CCJ do Senado, segue para o Plenário 00/00/0000
PEC DOS PRECATÓRIOS aprovada pela CCJ do Senado, segue para o Plenário
 
ANDRÉ MENDONÇA - CCJ reúne-se nesta 4ª feira para analisar indicação para o STF 30/11/2021
ANDRÉ MENDONÇA - CCJ reúne-se nesta 4ª feira para analisar indicação para o STF
 
PSDB escolhe JOÃO DÓRIA como candidato à presidência para 2022 28/11/2021
PSDB escolhe JOÃO DÓRIA como candidato à presidência para 2022
 
16/11/2013
JOSÉ DIRCEU: "Preso político de uma democracia sob pressão das elites"-3
 
CÂMBIO - Novo Marco Legal é uma das exigências ao País para integrar a OCDE 16/02/2021
CÂMBIO - Novo Marco Legal é uma das exigências ao País para integrar a OCDE
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites