Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

27 de Novembro de 2021 as 00:11:59



BANCOS mantém Juros escorchantes em Outubro



As taxas do crédito pessoal consignado chegaram a 83,6% ao ano e
os juros do cartão de crédito rotativo, a 343,6%.
O oligopólio bancário continua sob as asas do Banco Central,
mantido desavergonhadamente longe das inspeções e processos CADE Conselho Administrativo de Defesa Econômica.
 
As taxas de juros dos empréstimos nos bancos subiram em outubro, segundo a pesquisa Estatísticas Monetárias e de Crédito do Banco Central (BC), divulgada nesta 6ª feira, 26.11,  em Brasília.
 
Nas operações com taxas livremente definidas pelos bancos, a taxa média cobrada de empresas e famílias ficou em 32,8% ao ano, aumento de 2,2 pontos percentuais em relação a setembro, quando estava em 30,6% ao ano. Essa é a maior taxa desde março de 2020 (33,3% ao ano).
 
As famílias pagaram taxa média de 43,8% ao ano, com alta de 2,1 pontos percentuais em relação a setembro, e as empresas, 19,1% ao ano, aumento de 2 pontos percentuais. Em 12 meses, as altas foram de 4,8 pontos percentuais para as pessoas físicas e de 7,1 pontos para as empresas.
 
O assalto às Famílias pelos bancos
 
No caso das famílias, o BC destacou os aumentos das taxas do crédito pessoal não consignado (6,2 ponto percentual, chegando a 83,6% ao ano, em outubro), crédito pessoal consignado para servidores públicos (0,9 ponto percentual, com taxa de 17,9 % ao ano) e cartão de crédito rotativo (4,1 pontos percentuais; taxa de 343,6% ao ano).
 
O cheque especial ficou com taxa de 128,8% ao ano, recuo de 0,8 ponto percentual em relação a setembro.
 
Crédito às Empresas
 
No crédito às empresas, o destaque ficou para os crescimentos nos custos de contratação de desconto de duplicatas e outros recebíveis (1,5 ponto percentual, com taxa em 14,2% ao ano), capital de giro com prazo menor que 365 dias (6 pontos percentuais; taxa de 22,1% ao ano) e capital de giro com prazo superior a 365 dias (2 pontos percentuais, com juros em 19% ao ano).
 
Inadimplência
 
A inadimplência, considerados atrasos acima de 90 dias, do crédito livre para pessoas físicas chegou a 4,3%, com alta de 0,1 ponto percentual em relação a setembro. A inadimplência das empresas permaneceu em 1,6%.
 
Crédito direcionado
 
A alta dos juros também foi observada nas operações de crédito direcionado, que têm regras definidas pelo governo e é destinado basicamente aos setores habitacional, rural, de infraestrutura e ao microcrédito.
 
A taxa média para pessoas físicas subiu 0,4 ponto percentual para 7,7% ao ano. Para as empresas, a alta, no mês, foi de 1,3 ponto percentual para 10,8% ao ano.
 
A inadimplência do crédito consignado ficou estável em 1% para pessoas jurídicas e 1,4% para as famílias.
 
Taxa básica
 
A alta dos juros bancários ocorre em um período de aumento da taxa básica de juros, a Selic, atualmente definida pelo COPOM Comitê de Política Monetária do BC, em 7,75% ao ano.
 
Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.
 
Os bancos também consideram outros fatores na hora de definir os juros cobrados dos consumidores, como inadimplência, lucro e despesas administrativas.
 
Saldo dos empréstimos
 
O crédito do Sistema Financeiro Nacional totalizou R$ 4,5 trilhões em outubro, aumento de 1,5% em relação ao mês anterior. De acordo com o BC, esse desempenho refletiu altas de 0,9% na carteira de pessoas jurídicas (saldo de R$ 1,9 trilhão) e de 1,9% na de famílias (R$ 2,6 trilhões), em outubro comparado ao mês anterior.
 
Em relação a outubro de 2020, o crédito se elevou 16%, mesmo desempenho do mês anterior. Segundo o BC, nessa comparação de 12 meses, o crédito destinado às empresas desacelerou, passando de 11,7% (em 12 meses encerrados em setembro), para 11,4% (12 meses encerrados em outubro), enquanto o destinado às famílias continuou em expansão, de 19,5% para 19,7%.
 
O saldo do crédito livre às empresas somou R$ 1,2 trilhão, com aumentos de 1,2% no mês e de 15,9% em 12 meses, com destaque para as modalidades de antecipação de faturas de cartão de crédito (5,5%), capital de giro com prazo superior a 365 dias (0,9%) e financiamento às exportações (3%).
 
Para as pessoas físicas, o crédito livre atingiu R$ 1,4 trilhão em outubro, altas de 2,2% em relação ao mês anterior e de 21,3% na comparação interanual. O BC destacou que houve “evolução nas principais carteiras do segmento”, como as de cartão de crédito (4,2%), crédito pessoal não consignado (4,1%), crédito pessoal consignado para servidores públicos (1%) e financiamentos para a aquisição de veículos (1,2%).
 
O saldo das operações de crédito direcionado destinado às empresas atingiu R$ 695 bilhões no mês, com expansão mensal de 0,6% e crescimento interanual de 4,2%. No crédito direcionado às famílias, o saldo totalizou R$ 1,2 trilhão em outubro, com variações positivas de 1,5% no mês e de 17,8% em 12 meses, “fomentado pela continuidade do desempenho favorável do crédito rural com taxas reguladas (2,9%) e dos financiamentos imobiliários com taxas reguladas (1,1%)”.
 
Novos empréstimos
 
As novas contratações de crédito do sistema financeiro atingiram R$ 428,9 bilhões em outubro. Na série com ajuste sazonal, o fluxo aumentou 1,7% no mês, com expansão de 5,1% nas concessões a pessoas jurídicas e alta de 0,1% para pessoas físicas.


Fonte: AGENCIA BRASIL.Chamada de capa e SUBTÍTULO da Redação JF.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
AUXÍLIO BRASIL  começa a ser pago nesta terça-feira 18/01/2022
AUXÍLIO BRASIL começa a ser pago nesta terça-feira
 
CIRCUITO DE NEGÓCIOS AGRO BB oferece Crédito Itinerante a Pequenos Produtores 18/01/2022
CIRCUITO DE NEGÓCIOS AGRO BB oferece Crédito Itinerante a Pequenos Produtores
 
DÓLAR pressionado pela Fuga de Capitais. IBOVESPA sobe a 106.668 pts 18/01/2022
DÓLAR pressionado pela Fuga de Capitais. IBOVESPA sobe a 106.668 pts
 
RIO: Veja impactos da Variante Ômicron sobre Transportes e Serviços 17/01/2022
RIO: Veja impactos da Variante Ômicron sobre Transportes e Serviços
 
PRÉ-SAL - Petrobras atingiu Recorde de Produção no pré-sal em 2021 17/01/2022
PRÉ-SAL - Petrobras atingiu Recorde de Produção no pré-sal em 2021
 
DÓLAR subiu a R$ 5,527: IBOVESPA caiu a 106.374  em 17.01 17/01/2022
DÓLAR subiu a R$ 5,527: IBOVESPA caiu a 106.374 em 17.01
 
OFAM: Pandemia fez um Novo Bilionário a cada 26 horas 17/01/2022
OFAM: Pandemia fez um Novo Bilionário a cada 26 horas
 
IBC-BR - Atividade Econômica cresceu 0,69% em novembro, diz o BC 17/01/2022
IBC-BR - Atividade Econômica cresceu 0,69% em novembro, diz o BC
 
DÓLAR cai a R$ 5,51 e IBOVESPA sobe pois as Ações estavam baratas demais 15/01/2022
DÓLAR cai a R$ 5,51 e IBOVESPA sobe pois as Ações estavam baratas demais
 
EUA recomendam que População use 16/01/2022
EUA recomendam que População use "Máscara Mais Protetora Possível"
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites