Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

Sexta-Feira, Dia 21 de Janeiro de 2022 as 00:01:08



CEASAS registram queda do preço da Batata e alta, do da Cebola


Conab: Programa Modernização do Mercado Hortigranjeiro tem 1º boletim
 
Ceasas registram queda no preço da batata e alta da cebola
 
Conab Companhia Nacional de Abastecimento registrou oferta recorde de batata nas centrais de Abastecimento Ceasas, no mês de dezembro.
 
De acordo com o 1º Boletim do Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort), divulgado nesta 5ª feira, 20.01, pela companhia, o cenário proporcionou queda de preços em quase todos os mercados atacadistas analisados.
 
A exceção foi apenas Rio Branco (AC), onde houve alta mensal de 8,11%. Nas demais, as reduções chegaram a 36,86% em Curitiba (PR), 30% no Rio de Janeiro, 27,3% em São Paulo, 22,92% em Belo Horizonte e 15,23% em Campinas (SP), detalha o boletim. Com isso, a batata foi vendida, em média, a R$ 0,77 o quilo no Rio de Janeiro e a R$ 1,48 em Belo Horizonte, estados onde a hortaliça saiu mais barata. Ainda segundo o levantamento, outros mercados também apresentaram cotações mais baixas. É o caso de Brasília (4,21%),  do Recife (4%) e de Fortaleza (3,77%).
 
O Boletim Prohort faz levantamento de dados estatísticos da Conab, tendo por base nove das principais centrais de abastecimento do país. Entre as hortaliças e frutas analisadas estão alface, batata, cebola, cenoura, tomate, banana, laranja, maçã, mamão e melancia.
 
A cebola segue registrando preços altos em todas as Ceasas avaliadas. Esses aumentos superaram a margem de 30% em pelo menos três mercados atacadistas: Recife (37,44%), Rio de Janeiro (32,29%) e Brasília (30,08%). A alta do produto ficou em 24,69% na Ceasa de Rio Branco; 23,50% na de Curitiba; 20,79% em São Paulo; 20,10% em Campinas; 20% em Fortaleza; e 19,68% em Belo Horizonte.
 
Recuperação de mercado e inflação
 
De acordo com o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Sergio De Zen, os resultados mostram que está em curso um realinhamento de preços, uma vez que o país exportou, ano passado, volume maior que o registrado nos outros anos. Na avaliação do diretor, isso indica “recuperação de mercados existentes e abertura de novos”.
 
"Outro ponto positivo do setor de hortifruti é que não estamos notando pressão inflacionária muito forte, porque temos produtos em alta, como a cebola, sendo compensados por preços em baixa,como a batata. Há equilíbrio entre preços. Como esses produtos têm participação nos índices de inflação, acabamos tendo equilíbrio entre preços”,
 
disse.
 
Frutas
 
Situação semelhante foi observada nas frutas.
 
“Laranja e melancia estão em queda, enquanto banana e mamão estão em alta. Isso é típico de fatores sazonais”,
 
informou De Zen referindo-se à compensação desses produtos para o equilíbrio dos índices inflacionários. O boletim registrou baixa nos preços da melancia, graças à maior oferta do produto no último mês de dezembro.
 
De acordo com a Conab, o aumento de preço da banana foi causado pela “menor produção da variedade prata, por problemas climáticos e pelas exportações, que continuaram aquecidas”.
 
No caso do mamão, além da queda na oferta, principalmente da variedade formosa, houve “aumento no valor dos insumos para produção, doenças fúngicas em decorrência das chuvas e as exportações, que aumentaram novamente”. A demanda segue regular para outras frutas típicas de fim de ano, como é o caso da ameixa e do pêssego.
 
“O volume foi bem absorvido no varejo”,
 
diz o levantamento.
 
Segundo a gerente de Estudos do Mercado Hortigranjeiro da Conab, Joyce Fraga, a laranja foi a única fruta que teve redução na comercialização externa, na comparação com 2020.
 
“A redução foi de 49% em relação ao ano anterior. Em termos financeiros, a redução ficou em 78%”.
 
Alface
 
O diretor de Política Agrícola informou que houve casos de produtos que apresentaram “comportamentos erráticos”, devido a “fatores como intensidade de chuvas ou de granizo em cada região do país”.
 
Esses produtos têm “comportamento de oferta completamente diferente, o que faz com que preços flutuem de maneira disforme no total do país”. É o caso da alface que, segundo Joyce, mesmo diante da flutuação registrou aumento de 8% na oferta.


Fonte: AGENCIA BRASIL.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
Governo repassa R$ 7,7 BI do Pré-Sal a estados e municípios 20/05/2022
Governo repassa R$ 7,7 BI do Pré-Sal a estados e municípios
 
FORD anuncia Venda da Fábrica de Taubaté 20/05/2022
FORD anuncia Venda da Fábrica de Taubaté
 
ELETROBRAS teve Lucro de R$ 2,7 BI no 1º trimestre/2022 19/05/2022
ELETROBRAS teve Lucro de R$ 2,7 BI no 1º trimestre/2022
 
MERCADO GLOBAL DE CARBONO - Guedes discursa defendendo economia de mercado 18/05/2022
MERCADO GLOBAL DE CARBONO - Guedes discursa defendendo economia de mercado
 
FGV - Monitor do PIB revela 1,5%  de expansão no 1º trimestre/2022 18/05/2022
FGV - Monitor do PIB revela 1,5% de expansão no 1º trimestre/2022
 
FRETE RODOVIÁRIO- MP muda tabela do preço do Frete de Carga 17/05/2022
FRETE RODOVIÁRIO- MP muda tabela do preço do Frete de Carga
 
INFLAÇÃO - IGP-10 recua para 0,10% em maio, diz FGV 17/05/2022
INFLAÇÃO - IGP-10 recua para 0,10% em maio, diz FGV
 
IMPOSTO DE RENDA - Entrega de Declarações 2022 ultrapassa 22 milhões 16/05/2022
IMPOSTO DE RENDA - Entrega de Declarações 2022 ultrapassa 22 milhões
 
COGNA - Resultado no 1º Trimestre/2022: Melhora da  rentabilidade 14/05/2022
COGNA - Resultado no 1º Trimestre/2022: Melhora da rentabilidade
 
AMERICANAS - Resultado no 1º Trimestre/2022: POSITIVO 13/05/2022
AMERICANAS - Resultado no 1º Trimestre/2022: POSITIVO
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites