Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Editorial

19 de Fevereiro de 2015 as 02:02:06



EDITORIAL - Expectativas irracionalmente retroalimentadas



Expectativas irracionalmente retroalimentadas sob a chancela do Banco Central
 
 
Semanalmente o Banco Central consolida e publica, em seu Relatório Focus, todas as 2ªs feiras, desde o governo FHC, as expectativas de agentes do mercado financeiro sobre o comportamento dos preços e do câmbio e sobre a evolução do PIB.
 
Não são poucos os analistas, entre eles Delfim Neto, que têm ironizado a autofagia e a irracionalidade dessa política de comunicação social do Banco Central.
 
A publicação equivale à chancela conferida pela Autoridade Monetária, perante todo mercado, à avaliação que realizam, a cada semana, economistas dos bancos privados, de empresas de consultoria que lhes prestam serviços e demais homens do mercado financeiro. 
 
O efeito tem sido a materialização dessas expectativas por todo o mercado, conforme a antevisão delineada nas expectativas de terceiros publicadas pelo Banco Central em seu Relatório Focus. 
 
Acontece que a opinião do mercado financeiro a respeito do comportamento de indicadores responde exclusivamente aos interesses do capital financeiro, não esconde sua perspectiva exclusivamente financista e imediatista, conformada pela visão livrecambista, pela defesa dos interesses dos bancos, inclusive internacionais, e distante dos interesses do empresariado brasileiro e da população do País.
 
Todo o mercado brasileiro, envolvendo o setor produtivo da economia, passa a ser contaminado pela visão setorial e estreita dos bancos, imediatista e subalterna a interesses do mercado financeiro internacional. E o efeito é a manipulação da opinião dos empresários e da população e a conhecida redução dos investimentos produtivos na economia nacional.
 
Já passou da hora de o Banco Central deixar de chancelar a opinião do mercado financeiro em suas reações, negativas ou eventualmente positivas, em resposta às medidas governamentais.
 
O Banco Central é uma Autoridade Monetária e não pode ser portavoz dos interesses do mercado financeiro, como se eles representassem a economia brasileira in totum.


Fonte: da Redação





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
EDITORIAL O rato que ruge não mais é rato: a Coreia do Norte conseguiu 28/11/2017
EDITORIAL O rato que ruge não mais é rato: a Coreia do Norte conseguiu
 
EDITORIAL Nem sempre a Casa Branca blefou ou foi falastrona 05/09/2017
EDITORIAL Nem sempre a Casa Branca blefou ou foi falastrona
 
MULHERES superam homens na criação de novos negócios, mas enfrentam obstáculos 07/08/2017
MULHERES superam homens na criação de novos negócios, mas enfrentam obstáculos
 
EDITORIAL - O Desastre da PF aclarou algumas coisas, além da carne estragada 24/03/2017
EDITORIAL - O Desastre da PF aclarou algumas coisas, além da carne estragada
 
EDITORIAL - Onde estão os Cálculos Atuariais da Reforma da Previdência ? 13/03/2017
EDITORIAL - Onde estão os Cálculos Atuariais da Reforma da Previdência ?
 
EDITORIAL - Quousque tandem abutere patientia nostraTemer ? 09/03/2017
EDITORIAL - Quousque tandem abutere patientia nostraTemer ?
 
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros 15/02/2017
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros
 
Mercado projeta inflação no centro da meta em 2017 13/02/2017
Mercado projeta inflação no centro da meta em 2017
 
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros 10/02/2017
EDITORIAL - Cartel de Bancos não cede nos Juros
 
EDITORIAL - Fiesp dá sinais de se desgarrar da frente de apoio ao Governo Temer 09/12/2016
EDITORIAL - Fiesp dá sinais de se desgarrar da frente de apoio ao Governo Temer
 
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009