Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia

12 de Janeiro de 2018 as 02:15:00



S & P Agência de Risco rebaixa classificação do Brasil



STANDARD & POOR'S rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.
Standard & Poor's rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
CAMBIO - BC interrompe venda de dólares pela primeira vez em um mês 19/06/2018
CAMBIO - BC interrompe venda de dólares pela primeira vez em um mês
 
PIS/PASEP  Saques injetarão R$ 34,3 bilhões na economia 18/06/2018
PIS/PASEP Saques injetarão R$ 34,3 bilhões na economia
 
CADE: Tabelamento de frete pode levar à formação de cartel 18/06/2018
CADE: Tabelamento de frete pode levar à formação de cartel
 
JUROS DO CRÉDITO não acompanham Queda da SELIC 18/06/2018
JUROS DO CRÉDITO não acompanham Queda da SELIC
 
MERCADO espera manutenção da SELIC em 6,50% 18/06/2018
MERCADO espera manutenção da SELIC em 6,50%
 
CÂMBIO - Semana começa com dólar em alta 18/06/2018
CÂMBIO - Semana começa com dólar em alta
 
RENÚNCIA FISCAL Brasil deixou de arrecadar R$ 354,7 bi em 2017 17/06/2018
RENÚNCIA FISCAL Brasil deixou de arrecadar R$ 354,7 bi em 2017
 
CÂMBIO - Banco Central torrou US$20 BI nesta semana para segurar o Dólar 16/06/2018
CÂMBIO - Banco Central torrou US$20 BI nesta semana para segurar o Dólar
 
PETROLEO Brasil produz 3,2 milhões de barris em maio, 2,6 milhões, a Petrobrras 17/06/2018
PETROLEO Brasil produz 3,2 milhões de barris em maio, 2,6 milhões, a Petrobrras
 
FGV identifica US$30 BI em Perdas por Barreiras Comerciais à Indústria 16/06/2018
FGV identifica US$30 BI em Perdas por Barreiras Comerciais à Indústria
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009