Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia

27 de Junho de 2018 as 16:06:51



EUA Dinâmica de Crescimento mais forte, mas também na China e Asia Emergente



Economia global
 
Dinâmica de crescimento mais forte nos EUA, por ora
 
• A dinâmica de crescimento está mais forte nos EUA do que no resto do mundo, favorecendo o dólar. No entanto, as pesquisas de negócios na China (e na Ásia emergente em geral) também melhoraram, o que é um bom sinal para as exportações globais e para os preços das commodities.
 
• Nos EUA, com o desemprego bem abaixo do nível de pleno emprego e o núcleo da inflação em cerca de 2%, o Fed, o banco central americano, continuará elevando as taxas de juros, numa tentativa de desacelerar a economia em direção ao crescimento potencial. 
 
• A incerteza política na Itália apertou as condições financeiras na Europa. Reduzimos nossas projeções do PIB da zona do euro para 2,3% em 2018 (de 2,5%, anteriormente) e para 2,0% em 2019 (2,4%, anteriormente).
 
• O risco de guerra comercial entre EUA e China permanece, mas a oferta da China de reduzir tarifas, aumentar as importações e proteger direitos de propriedade cria oportunidade para um acordo sem piora do conflito.
 
• Os preços das commodities permanecem firmes, apesar do dólar mais forte.
 
 
Dinâmica de crescimento é mais forte nos EUA, mas voltou a se intensificar na China e na Ásia emergente
 
A dinâmica de crescimento continua forte nos EUA, embora tenha desacelerado um pouco no resto do mundo. O índice ISM de manufatura vem apresentando oscilações, mas permanece próximo do pico deste ano, enquanto o índice PMI global excluindo os EUA recuou de 55 para 53 (ver gráfico).
 
Essa composição de crescimento explica a força recente do dólar. Entre janeiro e maio, o dólar valorizou 5,4% ante as moedas dos mercados desenvolvidos e 7,6% ante as moedas dos mercados emergentes. Durante esse período, o hiato de crescimento entre os EUA e o resto do mundo aumentou.
 
Do lado positivo, os índices PMI na China e em toda a Ásia emergente se recuperaram nos últimos dois meses, o que é um sinal positivo para o crescimento dos mercados emergentes em geral. É fato que os índices PMI em outras regiões emergentes (EMEA e LATAM) recuaram em maio. Mas a recuperação nos mercados emergentes asiáticos indica que as exportações globais não perderam muito impulso (ver gráfico), e um bom comércio global é um sinal positivo para a maioria desses mercados.
 
 
EUA – Força da demanda doméstica mantém expectativa de aumentos dos juros pelo Fed
 
O crescimento do PIB está em 3% no 1S18, devido à forte demanda interna favorecida por condições financeiras ainda flexíveis, cortes de impostos e gastos do governo. O consumo está crescendo a uma taxa de 2,7% sobre o ano anterior, e o investimento fixo privado está em 4,5% na mesma comparação.
 
Os gastos do governo também devem acelerar para um patamar acima de 3% sobre o ano anterior nos próximos trimestres. 
 
A força doméstica nos EUA mais do que compensa os riscos internacionais. Os riscos de guerra comercial, a volatilidade nos mercados emergentes e a incerteza política na Itália não tiveram impacto significativo nas condições financeiras norte-americanas até o momento.
 
A taxa de desemprego, consequentemente, continuará caindo, enquanto os salários e a inflação continuarão subindo. A taxa de desemprego caiu para 3,75% em maio, bem abaixo da estimativa mediana do Fed para a Nairu (sigla em inglês para taxa de desemprego que não acelera a inflação) (4,5%).
 
Com a economia crescendo perto de 3%, a geração de empregos permanecerá em torno de 200 mil e a taxa de desemprego continuará caindo (ver gráfico). Em resposta ao mercado de trabalho apertado, os salários continuarão aumentando gradualmente.
 
Paralelamente, o núcleo da inflação já está próximo de 2% e deve continuar subindo conforme os salários aumentam.
 
Com o desemprego em queda e a inflação em alta, o Fed continuará elevando as taxas de juros. Se a geração de empregos permanecer em 200 mil por mês por muito mais tempo, a taxa de desemprego cairá abaixo de 3% no fim de 2019, aumentando o risco de que salários mais altos possam levar a uma inflação significativamente acima da meta de 2%. 
 
A economia dos EUA está nos estágios finais do ciclo de recuperação, momento em que o Fed deve apertar sua postura de política monetária, levando o crescimento do PIB e do emprego a desacelerar para suas tendências de longo prazo. Isso limita a valorização dos preços de ações e sugere que a força do dólar pode não durar muito mais.
 
Continuamos projetando quatro aumentos da taxa de juros dos Fed Funds em 2018, seguidos de três aumentos em 2019. Esperamos que a taxa de juros do título do Tesouro de 10 anos suba para 3,25 no fim de 2018 e para 3,50 no fim de 2019.


Fonte: ITAÚ BBA Departamento Econômiico





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
eSOCIAL - Microempreendedor e Empresa devem aderir a partir de 1º de Julho 01/07/2018
eSOCIAL - Microempreendedor e Empresa devem aderir a partir de 1º de Julho
 
INDÚSTRIA Nível de Atividade cai 10,2% em Maio, aponta a FIESP 30/06/2018
INDÚSTRIA Nível de Atividade cai 10,2% em Maio, aponta a FIESP
 
DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL ultrapassa R$ 3,7 trilhões 30/06/2018
DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL ultrapassa R$ 3,7 trilhões
 
TESOURO usou R$ 29 BILHÕES para acalmar o mercado 30/06/2018
TESOURO usou R$ 29 BILHÕES para acalmar o mercado
 
CÂMBIO DÓLAR valorizou 16,98% no 1º semestre 30/06/2018
CÂMBIO DÓLAR valorizou 16,98% no 1º semestre
 
BALANÇA COMERCIAL do setor de Serviços tem déficit de US$ 50 BI em 2017 30/06/2018
BALANÇA COMERCIAL do setor de Serviços tem déficit de US$ 50 BI em 2017
 
BACEN Relatório prevê Cenário confortável para inflação e PIB, só a 1,6% 29/06/2018
BACEN Relatório prevê Cenário confortável para inflação e PIB, só a 1,6%
 
ANATEL leiloou nesta 5ª feira as 20 linhas de Energia para concessão por 30 anos 29/06/2018
ANATEL leiloou nesta 5ª feira as 20 linhas de Energia para concessão por 30 anos
 
CARTEL DE BANCOS Cheque Especial a 311,2% e Rotativo do Cartão, a 243% aa 28/06/2018
CARTEL DE BANCOS Cheque Especial a 311,2% e Rotativo do Cartão, a 243% aa
 
CÂMBIO Dólar fecha a R$ 3,8755 em alta de 2,0%, mesmo com leilões de US$ 2,4 BI 27/06/2018
CÂMBIO Dólar fecha a R$ 3,8755 em alta de 2,0%, mesmo com leilões de US$ 2,4 BI
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009