Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

09 de Junho de 2018 as 03:06:17



INVESTIMENTOS O Mercado na 6ª feira: Ibovespa cai 1,23% Dólar cai a R$3,7173 (-5,11%)



Diário do Mercado na 6ª feira, 08.06.2018
Alívios do dólar e juros futuros não contagiam Ibovespa
 
Resumo
 
O final de uma semana particularmente agitada foi marcado pela significativa queda do dólar perante o real, com intensa atuação do Banco Central, não apenas no mercado com swaps, mas em sinalizações claras de que está disposto a manter a postura e até mesmo incrementá-la para conter o avanço da moeda.
 
Nos juros, teve impacto positivo o discurso de representantes do Tesouro Nacional sinalizando que os subsídios ao diesel, negociados como contrapartida ao fim da greve dos caminhoneiros, deverão trazer revés às contas públicas apenas em 2018, não devendo contaminar o orçamento de 2019 em diante.
 
Apesar da descompressão em ambos os mercados, o Ibovespa não conseguiu reverter o movimento de queda, com os investidores ainda mensurando os impactos do novo patamar do câmbio e em discussão sobre a possibilidade do aumento da taxa Selic ainda em 2018, com seus impactos sobre a economia.    
 
Ibovespa.
 
Ainda que tenha fechado longe da mínima intradiária (-2,5%), o Ibovespa não acompanhou a melhora no quadro doméstico percebido nos juros e câmbio, e marcou a 4º sessão consecutiva de queda.
 
As principais contribuições negativas vieram da dobradinha Vale e Petrobras, e da Suzano, exportadora que respondeu negativamente à forte queda do dólar.
 
O Ibovespa fechou aos 72.942 pts (-1,23%), acumulando -5,56% na semana, -4,97% no mês, -4,53% no ano e 16,23% em 12 meses. O volume financeiro preliminar da Bovespa foi de R$ 14,82 bilhões, sendo R$ 14,38 bilhões no mercado à vista.
 
Capitais Externos na Bolsa
 
Na 4ª feira, 06.06, último dado disponível, houve entrada líquida de capital estrangeiro em R$ 93,66 milhões na bolsa. No mês de junho o saldo é negativo em R$ 1,959 bilhão; já no ano, o saldo registra saída líquida de R$ 5,971 bilhões no ano.
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, o IPCA relativo a maio oscilou 0,40%, acelerando ante os 0,22% em abril, e acima das projeções do mercado de 0,29%. No comparativo ano contra ano, a variação também foi mais elevada, em 2,86%, ante 2,76% em abril, e 2,74% projetado pelos analistas.
 
Na decomposição do dado, tornou-se evidente um certo impacto advindo da greve dos caminhoneiros sobre o preço de alguns itens e, embora estime-se que o dado de junho também deva trazer alguma contaminação análoga, vislumbramos a alta como pontual, com pouca probabilidade de se perdurar e acabar influenciando significativamente a variação de 2018, que deve permanecer ainda abaixo do limite inferior da meta do governo,  em 4%. 
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar encerrou próximo das mínimas, em uma sessão marcada por uma enérgica postura do Bacen, que anunciou um leilão extra de US$ 3 bilhões no dia, além da sinalização de intervenção com mais US$ 20 bilhões para a próxima semana. Com isso, a paridade derreteu, chegando a apagar as altas das últimas 6 sessões, e fechou a R$ 3,7173 (-5,11%).
 
 
Risco País
 
O risco medido pelo CDS Brasil 5 anos cedeu a 253 pts ante 256 pts da véspera.
 
Juros.
 
A sessão dos juros futuros foi marcada pela volatilidade. Os vértices iniciaram o dia acompanhando a queda do dólar, com reversão do movimento na sequência, e alta predominando próximo ao meio-dia.
 
À tarde, no entanto, o alívio do câmbio e uma entrevista coletiva de representantes do Tesouro novamente alternou o sentido, e uma significativa queda passou a imperar, especialmente na seção longa da curva, refletindo uma descompressão conjuntural percebida em relação à situação das contas públicas.       
 
 
Para a próxima semana.
 
O evento de maior relevância da semana reside na definição de juros pelo Fomc (12 e 13). Além disso, terão destaque nos EUA a inflação pelo CPI, enquanto a Zona do Euro e Japão também definem política monetária. No Brasil, conheceremos o IGP-10 de junho, bem como a primeira prévia do IGP-M, além do IPC-Fipe, ambos do mesmo mês. Por aqui ainda saem vendas no varejo e IBC-Br (atividade econômica), ambos relativos a abril.  
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 6ª feira, 08.06.2018,  elaborado por RAFAEL REIS,  CNPI-P, e RICARDO VIEITES, CNPI, ambos integrantes do BB Investimentos.

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: RAFAEL REIS, CNPI-P, e RICARDO VIEITES, CNPI, ambos integrantes do BB Investimentos.





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
01/05/2014
INVESTIMENTOS - EMBRAER - Resultados no 1º trimestre/2014 - Upside de 27%
 
30/04/2014
INVESTIMENTOS - SANTANDER - Resultados no 1º trimestre/2014
 
29/04/2014
INVESTIMENTOS - ITAÚ UNIBANCO - Resultados no 1º trimestre/2014
 
26/04/2014
INVESTIMENTOS - BANCOS PRIVADOS - Prévia dos resultados
 
26/04/2014
INVESTIMENTOS - KLABIN - Resultados no 1º trimestre/2014: Upside de 32%
 
26/04/2014
INVESTIMENTOS - JSL - Resultados no 1º trimestre/2014
 
24/04/2014
INVESTIMENTOS - BANCOS - Previa dos resultados so 1º trimestre/2014
 
24/04/2014
INVESTIMENTOS - BRADESCO - Resultados do 1º trimestre/2014
 
24/04/2014
INVESTIMENTOS - WEG - Resultados do 1º trimestre/2014
 
24/04/2014
INVESTIMENTOS - USIMINAS - Resultados do 1º trimestre/2014
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009