Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

05 de Março de 2019 as 23:03:58



RUSSIA acumula Reservas de US$ 450 BI, contra expectativas de Washington



Sanções de Washington ajudaram a Rússia a acumular 450 bilhões de dólares
 
A acumulação de um grande volume de reservas internacionais pelo Banco Central da Rússia é um efeito direto das sanções ocidentais contra a economia russa, opina a colunista da Sputnik Natalia Dembinskaya.
 
Em fevereiro de 2019, o volume das reservas internacionais russas atingiu 475 bilhões de dólares. Essa cifra supera significativamente o volume da dívida externa, que em janeiro se cifrava em 453 bilhões de dólares.
 
"Se for necessário, o Ministério das Finanças da Rússia será capaz de pagar sua dívida por completo",
 
sublinhou a jornalista.
 
As reservas internacionais são ativos altamente líquidos que o Banco Central da Rússia tem à sua disposição. O banco as utiliza para influenciar a taxa de câmbio da moeda nacional através de intervenções. As reservas internacionais de qualquer país incluem recursos denominados em moedas estrangeiras, ouro, direitos de saque especiais do FMI e obrigações.
 
Dembinskaya considera que um dos fatores que facilitaram a acumulação de reservas por parte da Rússia foi a chamada regra orçamentária, segundo a qual todas as receitas obtidas na indústria petrolífera acima do preço básico de 40 dólares por barril são direcionadas ao erário público do país.
 
Colchão de segurança
 
O Banco Central da Rússia fez intervenções monetárias em 2014 para apoiar a taxa de câmbio do rublo e salvar a economia do país das consequências da crise econômica. Como resultado, as reservas internacionais diminuíram 25%. A partir de 2015, a Rússia iniciou o longo processo de recuperação das suas reservas internacionais.
 
Desde fevereiro de 2018, estas reservas aumentaram mais de 27 bilhões de dólares (R$ 100 bilhões). Com esse crescimento, elas são ajustadas não apenas ao funcionamento da regra orçamentária, mas também à imposição de sanções pelos países ocidentais, opina a autor do artigo.
 
"O Banco Central da Rússia aplica gradualmente a política [de aumento das reservas internacionais]. Isso não é surpreendente: a pressão das sanções está aumentando e, por isso, a Rússia está criando ativamente uma espécie de colchão de segurança",
 
revelou Dembinskaya.
 
As sanções não permitem aos maiores bancos russos e às empresas petrolíferas obter novos créditos nos bancos ocidentais. As empresas russas começaram a pagar suas dívidas nos prazos previstos nos contratos, reduzindo assim sua alavancagem financeira. Isso levou à acumulação de meios financeiros, escreve o jornal The New York Times.
 
Segundo o jornal americano, esse efeito pode ser considerado como um fator negativo que retira recursos da economia russa e indica a redução do investimento. Entretanto, os economistas sublinham que a Rússia não precisa de créditos estrangeiros, porque a Rússia está na lista dos países menos endividados do mundo: no último ano sua dívida externa se reduziu em cerca de 10%.
 
Ouro em vez de dólares
 
Durante a última década, a composição das reservas internacionais russas mudou significativamente: os investimentos em títulos do Tesouro dos EUA foram reduzidos drasticamente, enquanto a percentagem de ouro aumentou.
 
Segundo os dados do Banco Central da Rússia, em 1 fevereiro de 2019, Rússia acumulou reservas de ouro estimadas em mais de 89 bilhões de dólares (R$ 330 bilhões), ou seja, o metal precioso é responsável por 18% de todas reservas internacionais do país.
 
Com o passar do tempo, a Rússia bem como outros países mostram cada vez menos confiança na moeda americana. Por exemplo, entre junho de 2017 e junho de 2018, o Banco Central russo reduziu seus ativos denominados em dólares de 46% para 22%.
 
"Do ponto de vista de desenvolvimento do sistema financeiro, não existe uma alternativa ao dólar. É uma espécie de proteção contra riscos cambiais, um seguro contra sanções e, sem dúvida, uma boa oportunidade para ganhar dinheiro […] Em caso de colapso do sistema financeiro baseado no dólar, o ouro inequivocamente conservará seu valor",
 
concluiu o analista.
 
 


Fonte: SPUTINIK NEWS. Chamada de capa da Redação JF.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
11/04/2013
MERCOSUL - Dilma Roussef vai à Argentina discutir comércio
 
QUESTÃO COREANA - Uma leitura dos últimos movimentos.  por Wilson R Correa 10/04/2013
QUESTÃO COREANA - Uma leitura dos últimos movimentos. por Wilson R Correa
 
07/04/2013
COREIA DO NORTE - Novo presidente chinês afirma que China não possui plano para a Coreia
 
04/04/2013
CORÉIA DO NORTE - O conflito ficará na retórica, avalia o governo brasileiro.
 
CORÉIA DO NORTE - O rato ruge, alerta total das tropas da Coréia do Norte 29/03/2013
CORÉIA DO NORTE - O rato ruge, alerta total das tropas da Coréia do Norte
 
25/03/2013
BRASIL & CHINA - Assinatura de acordo de Swap de moedas
 
CONFISCO EM CHIPRE imposto por FMI e União Européia atemoriza portugueses 19/03/2013
CONFISCO EM CHIPRE imposto por FMI e União Européia atemoriza portugueses
 
CORÉIA DO NORTE - EUA disponibilizam arsenal atômico à Coreia do Sul 19/03/2013
CORÉIA DO NORTE - EUA disponibilizam arsenal atômico à Coreia do Sul
 
16/03/2013
PAPA FRANCISCO teve Dom Claudio Hummes como articulador de sua eleição
 
06/03/2013
DILMA ROUSSEF: Morte de Chavez deixará vazio na história e no coração da América Latina
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites