Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Política

Quinta-Feira, Dia 07 de Novembro de 2019 as 19:45:04



CELSO DE MELLO vota contra prisão após 2ª Instância e empata 5X5



Julgamento está empatado em 5 a 5; desempate fica com Dias Toffoli
 
O ministro do STF Supremo Tribunal Federal Celso de Mello votou nesta 5ª feira, 07.11, pela inconstitucionalidade da execução provisória de condenações criminais, conhecida como prisão após a segunda instância.
 
Com a manifestação do ministro, o placar do julgamento está empatado em 5 votos a 5. Caberá ao presidente da Corte, ministro Dias Toffoli, que vota neste momento, o desempate da questão.
 
No entendimento do ministro, que está na Corte desde 1989, a Constituição não autoriza que a condenação possa ser executada antes do trânsito em julgado, ou seja, antes do término da possibilidade de recorrer da sentença.
 
"Há mais de 30 anos, tenho julgado a controvérsia em exame sempre no mesmo sentido, ou seja, reconhecendo expressamente, com fundamento na presunção de inocência, que as sanções penais somente podem sofrer execução definitiva, não se legitimando quando a elas, a possibilidade de execução provisória",
 
afirmou.
 
Em seu voto, Celso de Mello também disse que atos criminosos devem ser punidos, mas com respeito à lei.
 
"Nenhum juiz do Supremo Tribunal Federal, independentemente de ser favorável ou não à tese do trânsito em julgado, nenhum juiz desse tribunal discorda ou é contrário à necessidade imperiosa de combater e reprimir com vigor, respeitada, no entanto, a garantia constitucional do devido processo legal".
 
Entenda
 
No dia 17 de outubro, a Corte começou a julgar definitivamente três ações declaratórias de constitucionalidade (ADCs), relatadas pelo ministro Marco Aurélio e protocoladas pela Ordem dos Advogados, pelo PCdoB e pelo antigo PEN, atual Patriota.
 
O entendimento atual do Supremo permite a prisão após condenação em segunda instância, mesmo que ainda seja possível recorrer a instâncias superiores. No entanto, a OAB e os partidos sustentam que o entendimento é inconstitucional e uma sentença criminal somente pode ser executada após o fim de todos os recursos possíveis, fato que ocorre no STF e não na segunda instância da Justiça, nos tribunais estaduais e federais. Dessa forma, uma pessoa condenada só vai cumprir a pena após decisão definitiva do STF.
 
A questão foi discutida recentemente pelo Supremo ao menos quatro vezes. Em 2016, quando houve decisões temporárias nas ações que estão sendo julgadas, por 6 votos a 5, a prisão em segunda instância foi autorizada. De 2009 a 2016, prevaleceu o entendimento contrário, de modo que a sentença só poderia ser executada após o Supremo julgar os últimos recursos.
 
A favor da prisão em segunda instância:
 
Alexandre de Moraes,
Luís Roberto Barroso,
Edson Fachin,
Luiz Fux e
Cármen Lúcia,
 
Contra a prisão em segunda instância, ou seja, prisão somente após o chamado trânsito em julgado:
 
Celso de Mello,
Marco Aurélio Mello,
Rosa Weber,
Ricardo Lewandowski e
Gilmar Mendes.


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
20/05/2013
FRONTEIRAS BRASILEIRAS - Operação Agata 7 do Oiapoque ao Chuí
 
16/05/2013
MP DOS PORTOS - Aprovada pelo Senado, vai à sanção presidencial
 
14/05/2013
MP DOS PORTOS - Apoio da FIESP em razão de bilhões em investimentos futuros
 
02/05/2013
INDEXAÇÃO DE SALÁRIOS À INFLAÇÃO - Gilberto Carvalho rejeita a proposta
 
29/04/2013
ANAC - Empresa aérea alemã CONDOR tem acesso gratuito ao mercado brasileiro
 
29/04/2013
FIES - 871 mil jovens fazem curso universitário com apoio do Programa
 
LULA recebe prêmio 24/04/2013
LULA recebe prêmio "Em busca da Paz", pelo International Crisis Group, em NY
 
21/04/2013
ELEIÇÕES 2014 - Lançamento de títulos da OAS no exterior indica situação econômica favorável do Brasil
 
17/04/2013
PPS & PMN - Partidos se fundem e criam a Mobilização Democrática
 
27/03/2013
PEC DAS DOMÉSTICAS - Texto aprovado tem vigência imediata
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites