Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia

12 de Janeiro de 2018 as 02:15:00



S & P Agência de Risco rebaixa classificação do Brasil



STANDARD & POOR'S rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.
Standard & Poor's rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
BANCO DO BRASIL - Lucro líquido recorde de R$ 12,2 bilhões em 2012 21/02/2013
BANCO DO BRASIL - Lucro líquido recorde de R$ 12,2 bilhões em 2012
 
19/02/2013
TRABALHO - CAGED exige certificação digital
 
19/02/2013
DINHEIRO NO CAMPO - Exportações do Agronegócio foram de US$6,6 bilhões em jan/2013
 
19/02/2013
INVESTIMENTOS ALTERNATIVOS - BB lança nova linha de Capital de Giro para produtor Rural
 
19/02/2013
BRASIL SEM MISÉRIA - Programa retirou da miséria 22 milhões desde 2011
 
CAIXA - Carteira de Crédito impulsiona lucro para R$ 6,1 bilhões em 2012 19/02/2013
CAIXA - Carteira de Crédito impulsiona lucro para R$ 6,1 bilhões em 2012
 
19/02/2013
BANCO CENTRAL - "Não há risco de descontrole inflacionário no País", afirma Tombini
 
IMPOSTO DE RENDA - Receita divulga regras do IRPF 2013 19/02/2013
IMPOSTO DE RENDA - Receita divulga regras do IRPF 2013
 
18/02/2013
DINHEIRO NO CAMPO - Valor da produção de lavouras deve atingir R$ 283,5 bi em 2013
 
18/02/2013
BANCO DO BRASIL abre escritório na Rússia para garantir apoio às empresas
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009