Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia

12 de Janeiro de 2018 as 02:15:00



S & P Agência de Risco rebaixa classificação do Brasil



STANDARD & POOR'S rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.
Standard & Poor's rebaixa Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento
 
 
A agência de classificação de risco S&P Standard & Poor's  rebaixou o Brasil para três níveis abaixo do grau de investimento com perspectiva estável. A redução da nota do país foi divulgada nesta 5ª feira, à noite.
 
A perspectiva estável significa que a agência terá de esperar pelo menos seis meses para alterar a nota do país. O grau de investimento representa a garantia de que o país não corre risco de dar calote na dívida pública.
 
Em comunicado, a S&P informou que o Brasil está demorando para implementar as reformas que reduzam os riscos fiscais do País, principalmente a da Previdência. 
 
“Apesar de vários avanços da administração [Michel] Temer, o Brasil fez progresso mais lento que o esperado em implementar uma legislação significativa para corrigir a derrapagem fiscal estrutural e o aumento dos níveis de endividamento”, 
 
justificou a agência.
 
Desde fevereiro de 2016, o Brasil estava enquadrado dois níveis abaixo do grau de investimento. As outras duas principais agências de classificação de risco, Fitch e Moody’s ainda não alteraram a nota do país e continuam a manter o Brasil dois níveis abaixo do grau de investimento.
 
No fim de dezembro, o ministro Henrique Meirelles fez uma teleconferência com as três principais agências de classificação de risco. Ele tinha pedido que a S&P, a Fitch e a Moody’s aguardassem a votação da reforma da Previdência, prevista para fevereiro, antes de tomarem qualquer decisão sobre a nota do Brasil.
 
Em nota divulgada esta noite, o Ministério da Fazenda informou que o governo continua comprometido com as medidas de ajuste fiscal e com a reforma da Previdência. 
 
“O governo reforça seu compromisso em aprovar medidas como a reforma da Previdência, tributação de fundos exclusivos, reoneração da folha de pagamentos, adiamento do reajuste dos servidores públicos, entre outras iniciativas que concorrem para garantir o crescimento sustentável da economia brasileira e o equilíbrio fiscal de longo prazo”, 
 
destacou o texto.


Fonte: AGENCIA BRASIL





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
28/08/2012
BB & CAIXA - R$ 64 bi em crédito na economia no 2º trimestre/2012
 
28/08/2012
MANIPULAÇÃO DE JUROS - Acordos judiciais bilionários nos EUA
 
FISCO - EFD Contribuições, obrigatoriedade para empresas de lucro presumido e arbitrado 27/08/2012
FISCO - EFD Contribuições, obrigatoriedade para empresas de lucro presumido e arbitrado
 
COMENTÁRIO ECONÔMICO BOVESPA - Semana de 20 a 24.08.2012;  da SPARTA Investimentos 24/08/2012
COMENTÁRIO ECONÔMICO BOVESPA - Semana de 20 a 24.08.2012; da SPARTA Investimentos
 
BB - Nova estratégia em cartões Ourocard: liberação de crédito para o agronegócio 24/08/2012
BB - Nova estratégia em cartões Ourocard: liberação de crédito para o agronegócio
 
ETANOL - BUNGE acena com novos investimentos e sugere mudanças na política de preços do etanol 24/08/2012
ETANOL - BUNGE acena com novos investimentos e sugere mudanças na política de preços do etanol
 
FISCO - Receita Federal lança versão nova do CNPJ 23/08/2012
FISCO - Receita Federal lança versão nova do CNPJ
 
BB Giro 13º Salário - Linha de crédito também alcança Franquias sob condições atraentes 23/08/2012
BB Giro 13º Salário - Linha de crédito também alcança Franquias sob condições atraentes
 
TESOURO NACIONAL - Superávit primário de R$1,3 bilhões não é para reeestruturação de carreiras do funcionalismo 23/08/2012
TESOURO NACIONAL - Superávit primário de R$1,3 bilhões não é para reeestruturação de carreiras do funcionalismo
 
DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - Estoque da DPF cai para R$ 1,876 trilhão em julho/2012 (-4,8%) 23/08/2012
DÍVIDA PÚBLICA FEDERAL - Estoque da DPF cai para R$ 1,876 trilhão em julho/2012 (-4,8%)
 
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009