Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

13 de Setembro de 2021 as 19:09:27



ANTONY BLINKEN explica Retirada Desastrada do Afeganistão aos Congressistas


Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA
 
Blinken enfrenta nesta 2ª feira questionamentos públicos do Congresso
 
O secretário de Estado Antony J. Blinken defendeu a decisão do governo Biden de retirar as forças americanas e diplomatas do Afeganistão nesta 2ª feira, 13.09, ao afirmar que não haveria evidências de que aquele país teria se estabilizado se as tropas dos EUA ali ainda permanecessem; e que não havia como prever seu colapso à medida que o Talibã avançasse.
 
Em suas primeiras observações públicas ao Congresso, Antony Blinken enumerou os esforços que os EUA fizeram para retirar norte-americanos do Afeganistão desde que a embaixada fechou e os militares partiram no final de agosto. Mais de 50 cidadãos americanos e residentes legais partiram do Afeganistão nos últimos dias, no que o Sr. Blinken descreveu como uma missão sem prazo.
 
Ele também repetiu seu compromisso com os afegãos que trabalharam para os EUA ou defenderam abertamente suas políticas durante a guerra de 20 anos e que agora são vulneráveis à retribuição talibã.
 
Mas, o Sr. Blinken disse, "era hora de acabar com a guerra mais longa da América", e ele não deu nenhuma indicação de que o Sr. Biden já havia reconsiderado essa decisão.
 
"Não há evidências de que ficar mais tempo teria tornado as forças de segurança afegãs ou o governo afegão mais resilientes ou autossustentáveis",
 
disse Blinken ao Comitê de Relações Exteriores da Câmara, em uma teleconferência ao vivo.
 
"Se 20 anos e centenas de bilhões de dólares em apoio, equipamento e treinamento não bastassem, por que outro ano, ou cinco, ou dez, fariam a diferença?"
 
Em seu discurso de abertura, o Sr. Blinken também descreveu brevemente meses de avaliações de ameaças, com o objetivo de esclarecer o que a administração previu que aconteceria assim que as tropas americanas saíssem.
 
"Mesmo as avaliações mais pessimistas não previram que as forças do governo em Cabul entrariam em colapso enquanto as forças dos EUA permanecessem",
 
disse ele.
 
Ele afirmou que o governo Biden não abandonaria o Afeganistão, observando os esforços diplomáticos contínuos e os quase US$ 64 milhões em ajuda humanitária que a Agência dos EUA para o Desenvolvimento Internacional anunciou na segunda-feira para agências de ajuda que trabalham no Afeganistão. Noventa por cento dos afegãos vivem com menos de US$ 2 por dia, de acordo com o Comitê Internacional de Resgate, e a ameaça iminente de sanções financeiras contra o Talibã poderia condenar ainda mais a economia do Afeganistão.
 
Mas ficou claro que sua mensagem não atuou as críticas de alguns legisladores que apontaram para ameaças terroristas renovadas, um sistema lento de processamento de vistos e o revés dos direitos das mulheres afegãs em exigir respostas por que uma retirada militar de 18 meses se transformou em uma crise mortal.
 
"Estamos agora à mercê do reinado de terror do Talibã",
 
disse o representante Michael McCaul, do Texas, o principal republicano no painel.
 
Outro republicano, o deputado Steve Chabot, de Ohio, disse:
 
"a retirada frustrada do Afeganistão pode ter sido o pior desastre de relações exteriores da história americana".
 
O presidente do comitê, o deputado Gregory W. Meeks, democrata de Nova York, disse que o fim da guerra "nunca será fácil para meus amigos que presumem que existia uma solução limpa para a retirada".
 
Mas ele também sugeriu que o governo Trump era responsável pelo acordo que esboçou a retirada e que o clamor atual das críticas carregava um tingimento partidário:
 
"Mais uma vez, você está vendo a política interna injetada na política externa",
 
disse Meeks.
 
A diplomacia em curso continuou, mas de Doha, capital do Catar, e o Sr. Biden apontou para os chamados ataques "no horizonte", em um esforço para impedir que os terroristas ganhem terreno no Afeganistão. O Talibã concordou em recusar refúgio a grupos terroristas como condição para a retirada militar dos EUA do Afeganistão, que foi intermediada durante o governo Trump.
 
No entanto, acredita-se amplamente que o líder mais sênior da Al Qaeda, Ayman al-Zawahri, está atualmente vivendo no Afeganistão, o que significa que "o Talibã está abrigando a Al Qaeda hoje", disse Michael J. Morell, ex-deputado e diretor interino da CIA, ao programa "Face The Nation" da CBS News no domingo.
 
"Acho que esse é um ponto muito importante",
 
disse Morell.
 
Altos funcionários da CIA, incluindo William J. Burns, diretor da agência, reconheceram que estão procurando novas maneiras de coletar informações no Afeganistão, e que sua capacidade de coletar informações sobre atividades terroristas é diminuída.
 
Mesmo os democratas que apoiaram a decisão do Sr. Biden de acabar com a guerra de 20 anos disseram que viram a retirada com sentimentos mistos.
 
O grande número de cidadãos americanos, residentes permanentes legais dos EUA e aliados afegãos que não foram evacuados antes da partida militar em 30 de agosto estão agora vulneráveis aos "alvos talibãs nas costas", disse o senador Richard Blumenthal, democrata de Connecticut.
 
"Perdemos tempo precioso", disse Blumental em uma ligação com repórteres na sexta-feira. "A situação desses indivíduos é desesperadora e urgente."
 
Nas últimas duas semanas, o Sr. Blinken e outros diplomatas americanos pediram aos aliados da região que reiniciem voos comerciais a partir do aeroporto de Cabul, que foi gravemente dilapidado após os esforços de evacuação em massa, para que as pessoas com documentos de viagem válidos pudessem sair.
 
O Talibã concordou em deixar os cidadãos americanos e os residentes partirem, após uma enxurrada de negociações com autoridades dos EUA. Mas o grupo bloqueou os afegãos - muitos dos quais ficaram retidos sem provas de seu emprego com o governo americano quando a Embaixada dos EUA em Cabul fechou em 15 de agosto.
 
Blinken prometeu que os EUA continuariam a pressionar o Talibã para garantir uma passagem segura para quem quiser deixar o Afeganistão. Mas o Departamento de Estado não disse como fornecerá autorizações para dezenas de milhares de afegãos que trabalharam para o governo e, portanto, se qualificará para vistos especiais de imigrantes.
 
O governo Biden também prometeu proteger as mulheres afegãs que criticavam o limite brutal do Talibã sobre seus direitos durante a década de 1990, quando governaram o Afeganistão pela última vez. Muitos deles foram deixados para trás na evacuação militar dos EUA de 124.000 pessoas - o que as autoridades chamaram de o maior transporte aéreo da história humana.
 
Blinken reconheceu que o Talibã tinha ficado "muito aquém da marca" de criar um governo que incluísse mulheres ou minorias étnicas - um mandato para a inclusão que foi exigido pela comunidade internacional.
 
Ele terá dois dias para fazer o caso do governo — diante do plenário da Câmara na 2ª feira e em frente à Comissão de Relações Exteriores do Senado na 3ª feira.
 
 
NOTA DA REDAÇÃO JF: 
O depoimento de BLINKEN está em curso neste momento, 20h27 de 2ª feira, 13.09.2921.


Fonte: NYT. Tradução e copidescagem da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
ARGENTINA - Kirchner ordenou a renúncia de ministros face a Resultado Eleitoral 17/09/2021
ARGENTINA - Kirchner ordenou a renúncia de ministros face a Resultado Eleitoral
 
FRANÇA - Com Vacinação Obrigatória, País Suspende Milhares de Profissionais de Saúde 17/09/2021
FRANÇA - Com Vacinação Obrigatória, País Suspende Milhares de Profissionais de Saúde
 
EUA enfurecem a FRANÇA no acordo de Submarinos Nucleares com AUSTRÁLIA 17/09/2021
EUA enfurecem a FRANÇA no acordo de Submarinos Nucleares com AUSTRÁLIA
 
NAVIOS DE GUERRA CHINESES avistados próximos ao ALASCA 17/09/2021
NAVIOS DE GUERRA CHINESES avistados próximos ao ALASCA
 
PACTO DE AUKUS - Reino Unido, EUA e Austrália enfrentam Reação da FRANÇA 17/09/2021
PACTO DE AUKUS - Reino Unido, EUA e Austrália enfrentam Reação da FRANÇA
 
COREIA DO NORTE lançou Novos Misseis a partir de um trem, nesta 6ª feira 17/09/2021
COREIA DO NORTE lançou Novos Misseis a partir de um trem, nesta 6ª feira
 
EUA, AUSTRÁLIA E REINO UNIDO criam Aliança Militar para combater a CHINA 16/09/2021
EUA, AUSTRÁLIA E REINO UNIDO criam Aliança Militar para combater a CHINA
 
ISRAEL - Primeiro Ministro aceita Novo Acordo entre EUA e IRÃ. Netanyahu estrila. 15/09/2021
ISRAEL - Primeiro Ministro aceita Novo Acordo entre EUA e IRÃ. Netanyahu estrila.
 
ANTONY BLINKEN explica Retirada Desastrada do Afeganistão aos Congressistas 13/09/2021
ANTONY BLINKEN explica Retirada Desastrada do Afeganistão aos Congressistas
 
NOVO MÍSSEL da Coreia do Norte preocupa o PENTÁGONO 13/09/2021
NOVO MÍSSEL da Coreia do Norte preocupa o PENTÁGONO
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites