Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

22 de Junho de 2024 as 11:06:51



RECORDE de 100,7 Milhões de Pessoas Ocupadas em 2023, diz IBGE


Em 2023, 100,7 milhões de pessoas ocupadas e 37,7 milhões delas com carteira de trabalho assinada
 
Em 2023, Brasil alcança recorde de 100,7 milhões de pessoas ocupadas
De acordo com o IBGE, 37% deles tinham carteira assinada
 
Em 2023, a população brasileira ocupada alcançou 100,7 milhões de pessoas, valor recorde para o período. Esse contingente representa acréscimo de 1,1% em relação a 2022 (99,6 milhões de pessoas) e de 12,3% frente à população de 2012 (89,7 milhões).
 
Em relação a 2022, o total da população em idade de trabalhar expandiu 0,9%, e foi estimada em 174,8 milhões de pessoas em 2023, ano em que o nível da ocupação ficou estimado em 57,6%.
 
Os dados constam na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) - Características Adicionais do Mercado de Trabalho 2023, divulgada nesta 6ª feira, 21.06, pelo IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.
 
Carteira Assinada
 
O número desses trabalhadores em 2023 (37,7 milhões) foi o maior da série.
 
Os empregados sem carteira assinada no setor privado atingiram o percentual de 13,3% em 2023, queda de 0,3 ponto percentual em um ano. Contudo, apesar da queda, a estimativa continua sendo uma das maiores da série histórica.
 
O percentual de empregados com carteira assinada no setor privado teve expansão de 2012 (39,2%) a 2014 (40,2%); no entanto, a partir de 2015, essa categoria passou a registrar queda. Em 2023, voltou a crescer, alcançando 37,4% da população ocupada - ante a 36,3%, em 2022. 
 
Sem grandes variações ao longo da série, os empregados no setor público (inclusive servidor estatutário e militar) mantiveram sua participação em torno de 12% em 2023, equivalente a 12,2 milhões de trabalhadores.
 
Os trabalhadores domésticos seguiram em estabilidade, apresentando o mesmo percentual de 2022, isto é, 6% dos ocupados. Já entre os empregadores houve a interrupção do movimento expansivo, observado até 2018 (4,8%), passando para 4,6% em 2019, 4,4% em 2022 e 4,3% em 2023.
 
Sindicalizados
 
Em 2023, das 100,7 milhões de pessoas ocupadas, 8,4% eram associadas a algum sindicato, apontando para a redução de trabalhadores sindicalizados em relação a 2022 (9,2% dos ocupados), fenômeno que está ocorrendo desde 2012. As regiões Nordeste (9,5%) e Sul (9,4%) permaneceram com os valores mais altos, enquanto Norte (6,9%) e Centro-Oeste (7,3%), tiveram os menores índices.
 
De 2012 a 2021 e, novamente, em 2023, o percentual de homens sindicalizados superou o de mulheres sindicalizadas; porém, essa diferença foi de apenas 0,3 pontos percentuais. em 2023, 8,2% entre as mulheres e 8,5% entre os homens.
 
Em 2023, o grupamento de atividade da Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura teve queda na taxa de sindicalização, passando para 15%. Essa atividade tem participação importante dos sindicatos de trabalhadores rurais, muitos deles de pequeno porte da agricultura familiar, principalmente, nas regiões Nordeste e Sul.
 
Também com importante cobertura sindical, a Administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais (14,4%) também apresentou queda em 2023.
 
O mesmo movimento foi observado em outros grupamentos que antes tinham taxas de sindicalização elevadas como Indústria geral; Transporte, armazenagem e correio; e Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas.
 
Em 2023, o empregado com carteira assinada no setor privado, o trabalhador familiar auxiliar e o empregado no setor público (inclusive servidor estatutário e militar) tinham as taxas de sindicalização mais elevadas, respectivamente, 10,1%, 10,4% e 18,3%.
 
No caso do trabalhador familiar auxiliar, esse percentual, comparativamente elevado, pode ser explicado pela concentração desses trabalhadores nas atividades agropecuárias de caráter familiar, que têm participação importante dos sindicatos de trabalhadores rurais. Por outro lado, o empregado no setor privado sem carteira de trabalho assinada (3,7%) e o trabalhador doméstico (2%) registraram as menores coberturas.
 
De 2022 para 2023, houve queda da taxa de sindicalização entre os empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada, de 11% para 10,1% e dos empregados no setor público (inclusive servidor estatutário e militar), de 19,9% para 18,3%. Esses dois primeiros grupos são aqueles que historicamente possuem os principais percentuais de filiação, mas também foram os que registraram as principais perdas nos últimos anos. Isso mostra que, independentemente do setor de atividade (público ou privado), a retração da sindicalização atinge todos os segmentos da ocupação.
 
“Percebe-se, então, que a expansão da população ocupada nos últimos anos não se converteu em aumento da cobertura sindical no país. Esse resultado pode estar relacionado a diversos elementos, como a forma de inserção do trabalhador na ocupação, as modalidades contratuais mais flexíveis introduzidas pela Lei 13.467, de 13.07.2017, conhecida como reforma trabalhista, e o uso crescente de contratos temporários no setor público etc”,
 
diz o IBGE.
 
CNPJ
 
Após crescimento significativo de 2019 para 2022 (6,3%), o contingente formado por empregadores e trabalhadores por conta própria ficou praticamente estável em 2023, sendo estimado em 29,9 milhões de pessoas. Desses, 9,9 milhões (33%) estavam em empreendimentos registrados no CNPJ Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, apontando queda em relação a 2022.
 
A maioria dessas pessoas era formada por homens, 64,6%. Entretanto, embora houvesse predomínio do contingente masculino entres empregadores e trabalhadores por conta própria, o percentual de pessoas com registro no CNPJ era um pouco maior entre as mulheres (34,5%) do que entre os homens (32,3%). Observou-se, de 2022 para 2023, uma queda desse registro para ambos os sexos: 1,7 e 0,9 p.p., respectivamente para mulheres e homens.
 
Os empregadores e os trabalhadores por conta própria estavam principalmente concentrados nas atividades do comércio e serviços, com participações de 21,3% e 43,8%, respectivamente. Essas duas atividades também apresentavam as maiores taxas de coberturas no CNPJ, de 46,8% e 38,1%, respectivamente.


Fonte: AGENCIA BRASIL.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
BNDES abre CONCURSO com 150 vagas e Salário de R$ 20,9 mil 23/07/2024
BNDES abre CONCURSO com 150 vagas e Salário de R$ 20,9 mil
 
GOVERNO oficializa Congelamento de R$ 15 BI no Orçamento Federal 23/07/2024
GOVERNO oficializa Congelamento de R$ 15 BI no Orçamento Federal
 
ARRECADAÇÃO bate recorde e cresce 9,08% no 1º semestre/2024 23/07/2024
ARRECADAÇÃO bate recorde e cresce 9,08% no 1º semestre/2024
 
BNDES conclui financiamento para exportação de 32 jatos da EMBRAER 20/07/2024
BNDES conclui financiamento para exportação de 32 jatos da EMBRAER
 
DÓLAR sobe 0,3% R$ 5,604 em 19.07, IBOVESPA cai 0,03% 19/07/2024
DÓLAR sobe 0,3% R$ 5,604 em 19.07, IBOVESPA cai 0,03%
 
Desaceleração da INFLAÇÃO acontece em todas as faixa de renda, revela IPEA 15/07/2024
Desaceleração da INFLAÇÃO acontece em todas as faixa de renda, revela IPEA
 
DÓLAR sobe 0,26% a R$ 5,445 após atentado; e IBOVESPA alcança 129.321 pts 15/07/2024
DÓLAR sobe 0,26% a R$ 5,445 após atentado; e IBOVESPA alcança 129.321 pts
 
BNDES financiará Complexo Solar na Bahia para abastecer refinaria 13/07/2024
BNDES financiará Complexo Solar na Bahia para abastecer refinaria
 
Indústrias Gaúchas têm queda de 26,2% em maio 13/07/2024
Indústrias Gaúchas têm queda de 26,2% em maio
 
Governo antecipa R$ 680 milhões do ICMS de 2025 ao RS 26/06/2024
Governo antecipa R$ 680 milhões do ICMS de 2025 ao RS
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites