Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

12 de Junho de 2017 as 21:26:43



INVESTIMENTOS O Mercado na 2ª feira: Bolsa cai 0,82%, Dólar sobe 0,89% a R$ 3,317



Diário do Mercado na 2ª feira, 12.06.2017
 
Realizações no exterior e questão política doméstica ainda no ar exerceram pressões vendedoras no mercado acionário. 
 
Resumo.
 
Suplantada a fase da definição do julgamento do TSE Tribunal Superior Eleitoral, que na última 6ª feira absolveu a chapa Dilma-Temer, os agentes focam agora em duas vertentes.
 
O PSDB anunciou que está iminente a definição se fica ou sai da base governista e existe o receio no curto prazo que ocorra uma denúncia da PGR (Procuradoria Geral da República) no caso da delação da JBS.
 
Neste panorama, as incertezas têm permeado os negócios no mercado financeiro doméstico em geral.
 
Já o dólar comercial subiu com a elevação da aversão ao risco. De outra mão, as taxas de juros futuros caíram, dando continuidade ao movimento do pregão anterior, influenciadas pelo aumento das apostas de um corte de 100 pts-base na taxa Selic pelo Banco Central em sua subsequente decisão, em 26 de julho próximo - mesmo com a ata da última reunião não sinalizando isto.
 
A visão predominante agora é que existe espaço para esta magnitude de redução da taxa básica de juros, dado que a inflação ao consumidor (IPCA) veio abaixo do consenso dos analistas na sexta-feira passada e prosseguiu em trajetória declinante no acumulado em 12 meses, devendo se aproximar de 3,0% (limite inferior estipulado para 2017) em julho deste ano. 
 
 
Ibovespa.
 
O índice abriu cadente e foi declinando mais acentuadamente até o meio da tarde. A partir daí, recuperou um pouco de terreno com a “zeragem” de posições vendidas no intradiário.
 
 
Enfim, a queda foi disseminada, com o setor de bancos – o de maior peso – e a Vale contribuindo negativamente. Já a Petrobras encerrou positiva. O índice doméstico fechou aos 61.700 pts (-0,82%).
 
 
Capitais Externos na Bolsa - No último dado disponível, o capital estrangeiro registrou saída líquida de R$ 369,468 milhões no dia 8 de maio, tornando o saldo no mês negativo em R$ 291,699 milhões. O saldo acumulado está em R$ 5,367 bilhões em 2017.
 
 
Agenda Econômica.
 
No Brasil, no acumulado das duas primeiras semanas de junho (7 dias úteis), a balança comercial apurou superávit de US$ 2,224 bilhões, com exportações de US$ 6,411 bilhões e importações de US$ 4,187 bilhões. No ano, saldo positivo de US$ 31,248 bilhões , com exportações de US$ 94,337 bilhões e importações de US$ 63,089 bilhões.
 
 
Câmbio e CDS.
 
O dólar comercial (interbancário) acabou duplamente influenciado de modo negativo. Tanto o mau humor externo, como os temores com a política doméstica compeliram para cima a cotação da moeda, que terminou acima do patamar psicológico de R$ 3,30.
 
 
A divisa encerrou cotada a R$ 3,3170 (+0,79%), acumulando agora +2,6% no mês, +2,00% no ano e -3,15% em 12 meses.
 
Risco PaísO CDS brasileiro de 5 anos, neste momento, oscilava aos 239 pts, ante 237 pts do pregão anterior.
 
Juros.
 
Na expectativa que uma taxa de inflação mais baixa induza o Banco Central a manter o corte de 100 pts-base na taxa Selic em sua decisão em 26 de julho próximo, ao contrário do que foi dado a entender na ata de sua última reunião, os agentes elevaram suas apostas. Assim, a curva da estrutura a termo da taxa de juros cedeu como um todo.
 
 
Agenda da semana.
 
No Brasil é uma semana mais curta, devido ao feriado na próxima 5ª feira, 12.06. Destaques internos para vendas a varejo, IGP-10, volume do setor de serviços e índice de atividade econômica do Banco Central.
 
EUA - Externamente, nos EUA, decisão do FOMC, vendas a varejo, produção industrial e dados de construção de casas novas. 
 
Na China, vendas a varejo e produção industrial.
 
No Reino Unido, decisão de juros pelo BoE (Bank of England).
 
No Japão, decisão do BoJ (Bank of Japan) sobre política monetária.
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatório de análise do comportamento do mercado na 2ª feira, 12.06.2017, elabordo por HAMILTON MOREIRAL ALVES, CNPI-T, e RAFAEL FREDA REIS, CNPI-P, ambos do BB Invesimentos

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: HAMILTON MOREIRAL ALVES, CNPI-T, e RAFAEL FREDA REIS, CNPI-P, ambos do BB Invesimentos





Indique a um amigo     Imprimir    Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


 Outras notícias.
INVESTIMENTOS - O Mercado na 5ª feira: Golpe de Trump eleva aversão ao risco 18/08/2017
INVESTIMENTOS - O Mercado na 5ª feira: Golpe de Trump eleva aversão ao risco
 
INVESTIMENTOS - O Mercado na 3ª feira: Alivio da tensão geopolítica e expectativa sobre Meta Fiscal 16/08/2017
INVESTIMENTOS - O Mercado na 3ª feira: Alivio da tensão geopolítica e expectativa sobre Meta Fiscal
 
INVESTIMENTOS - ALUPAR - Resultado no 2º Trimestre/2017 16/08/2017
INVESTIMENTOS - ALUPAR - Resultado no 2º Trimestre/2017
 
INVESTIMENTOS - Renda Fixa   Análise Semanal do Mercado - 14.08.2017 15/08/2017
INVESTIMENTOS - Renda Fixa Análise Semanal do Mercado - 14.08.2017
 
INVESTIMENTOS - O Mercado na 2ª feira: Bolsa sobe 1,37%, Dólar sobe a R$ 3,1862 15/08/2017
INVESTIMENTOS - O Mercado na 2ª feira: Bolsa sobe 1,37%, Dólar sobe a R$ 3,1862
 
INVESTIMENTOS - M DIAS BRANCO - Resultado no 2º trimestre/2017  Positivo, mas não tão bom quanto esperado 12/08/2017
INVESTIMENTOS - M DIAS BRANCO - Resultado no 2º trimestre/2017 Positivo, mas não tão bom quanto esperado
 
INVESTIMENTOS B2W DIGITAL no 2º trimestre/2017 Estratégia Comercial impacta Resultado 12/08/2017
INVESTIMENTOS B2W DIGITAL no 2º trimestre/2017 Estratégia Comercial impacta Resultado
 
INVESTIMENTOS - LOJAS AMERICANAS - Resultado no 2º trimestre/2017 12/08/2017
INVESTIMENTOS - LOJAS AMERICANAS - Resultado no 2º trimestre/2017
 
INVESTIMENTOS - BANCO DO BRASIL - Lucro Ajustado de R$ 5,2 BI no 1º semestre/2017 11/08/2017
INVESTIMENTOS - BANCO DO BRASIL - Lucro Ajustado de R$ 5,2 BI no 1º semestre/2017
 
INVESTIMENTOS PETROBRAS Resultados no 2º trimestre: Desalavancagem continua 11/08/2017
INVESTIMENTOS PETROBRAS Resultados no 2º trimestre: Desalavancagem continua
 
JORNAL FRANQUIA - Todos os direitos reservados 2009