Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Investimentos

05 de Março de 2019 as 00:03:13



MARFRIG Resultados no 4º trimestre/2018: Sob a Desalavancagem Prometida



MARFRIG  -  Resultados no 4º trimestre/2018
 
Desalavancagem conforme prometido; OP reiterado
 
A Marfrig apresentou resultados positivos no 4T18 considerando a tão esperada desalavancagem alcançada. Mais uma vez, a valorização do dólar contribuiu para a receita consolidada que atingiu R$ 11 bi (em linha com nossas estimativas e 4% acima do consenso). 
 
Por outro lado, os maiores custos relacionados ao gado na América do Sul e o fechamento da fábrica de Mineiros levaram a margem bruta a uma queda de 220 bps t/t para 11,5%.
 
Adicionalmente, os incrementos em SG&A devido a maiores despesas com fretes e custos em dólar contribuíram para uma queda de 19% t/t no EBITDA que totalizou R$ 877 mi, considerando a continuidade da operação, enquanto a margem caiu para 8,4% de 9,7% no 3T18.
 
Vale mencionar que o 4T nos EUA é sazonalmente mais fraco e, em termos proforma, a Marfrig aumentou a margem EBITDA para 8,3% ante 7,9% no 4T17. Além disso, o resultado da venda de ativos, combinado com melhorias no capital de giro, contribuiu para um FCF positivo de R$ 380 mi, levando a empresa a uma queda substancial na alavancagem que atingiu 2,39x de 4,82x no 3T18. 
 
De fato, a empresa ainda está em um momento transitório. Em nossa visão, há espaço para crescimento em ganhos de volume e eficiência, considerando os negócios complementares nos EUA e na Argentina que podem trazer futuras sinergias. Tudo dito, reiteramos nossa classificação Outperfom.
 
Resultados operacionais. 
 
A América do Norte mostrou números planos na comparação anual. Enquanto a carne in natura foi beneficiada por preços médios mais altos, os subprodutos enfrentaram um cenário mais desafiador com preços pressionados. Como resultado, a receita ficou em US$ 1,9 bi, sem incrementos quando comparada ao 4T17.
 
A América do Sul, por sua vez, foi impactada negativamente pela paralisação da unidade de Mineiros no Brasil e pela contínua falta de animais para abate no Uruguai.
 
No entanto, como 85% da receita total é indexada em dólar, observamos um aumento de 2% a/a/ na receita que totalizou R$ 3,1 bi. Ainda esperamos melhorias de desempenho na AN com base em uma demanda consistente e um ciclo positivo de gado nos EUA, o que pode sustentar os resultados à frente. 
 
Adicionalmente, também temos uma perspectiva melhor para AS, dado o cenário encorajador para as exportações de carne bovina no Brasil e a recente retomada da operação de Mineiros que pode reverter o impacto negativo observado no 4T18.
 
Mantemos nosso preço alvo 2019 para MRFG3 a R$ 9,0/ação e reiteramos a recomendação Outperform. Ainda estamos otimistas com a tese de investimento da companhia. 
 
Além da expectativa positiva para os mercados como mencionado anteriormente, com as aquisições da NB e da QuickFood, a Marfrig aumentou seu portfólio com produtos de maior valor agregado e se tornou mais exposta a mercados premium como Japão e Coréia, dado que os EUA e a Argentina já têm licenças para exportar para esses países. 
 
Além disso, segundo a companhia, a QuickFood tem espaço para crescimento considerando possíveis melhorias no mix, precificação e logística já identificadas pela empresa.
 
Em nossa visão, ganhos complementares futuros oriundos das transações de M&A podem ocorrer em 2019. Nesse contexto, acompanharemos as iniciativas da empresa para contemplar todas as oportunidades de criaçãode valor.
 
 
Confira no anexo a íntegra do relatorio de análise do desempenho da MARFRIG  no 4º trimestre/2018, elaborado por LUCIANA CARVALHO, Analista Sênior, e CATHERINE KISELAR, Analista, ambas do BB INVESTIMENTOS

Clique aqui para acessar o aquivo PDF

Fonte: LUCIANA CARVALHO, Analista Senior, e CATHERINE KISELAR, Analista, ambas do BB Investimentos





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
USIMINAS  Resultado  no 1º Trimestre/2019: Negativo. Margens Deteriorando 18/04/2019
USIMINAS Resultado no 1º Trimestre/2019: Negativo. Margens Deteriorando
 
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa sobe aos 94.578 pts (+1,39%). Dólar a R$ 3,930 (-0,13%) 18/04/2019
O MERCADO, 5ª feira: Ibovespa sobe aos 94.578 pts (+1,39%). Dólar a R$ 3,930 (-0,13%)
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 18.04 Programe seu Investimento 18/04/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 18.04 Programe seu Investimento
 
GUIA DE AÇÕES  Conheça aqui as cotações de 17.04 Programe seu Investimento 17/04/2019
GUIA DE AÇÕES Conheça aqui as cotações de 17.04 Programe seu Investimento
 
O MERCADO, 4ª feira: Ibovespa cai a 93.284 pts (-1,11%). Dólar sobe a R$ 3,9350 (+0,87%) 17/04/2019
O MERCADO, 4ª feira: Ibovespa cai a 93.284 pts (-1,11%). Dólar sobe a R$ 3,9350 (+0,87%)
 
O MERCADO, 3ª feira: Ibovespa sobe a 94.333 pts (+1,34%). Dólar sobe a R$ 3,901 17/04/2019
O MERCADO, 3ª feira: Ibovespa sobe a 94.333 pts (+1,34%). Dólar sobe a R$ 3,901
 
SIDERURGIA  Desempenho Setorial no 1º trimestre/2019: Demanda mais fraca 17/04/2019
SIDERURGIA Desempenho Setorial no 1º trimestre/2019: Demanda mais fraca
 
PETRÓLEO & GÁS - Relatório Setorial - Março-Abril/2019 - pelo BB-BI 15/04/2019
PETRÓLEO & GÁS - Relatório Setorial - Março-Abril/2019 - pelo BB-BI
 
PAPEL E CELULOSE - Relatório Setorial do 1º trimestre/2019 15/04/2019
PAPEL E CELULOSE - Relatório Setorial do 1º trimestre/2019
 
O MERCADO, 2ª feira: Ibovespa sobe a 93.082 pts (+0,22%). Dólar cai a R$ 3,868 15/04/2019
O MERCADO, 2ª feira: Ibovespa sobe a 93.082 pts (+0,22%). Dólar cai a R$ 3,868
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites