Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

24 de Março de 2020 as 15:03:24



REINO UNIDO em Interdição, mas metrô de Londres fica cheio



Reino Unido entra em interdição, mas metrô de Londres fica cheio
Com pandemia, governo pede que população não saia de casa

As ruas do Reino Unido estão muito mais tranquilas do que o normal nesta 3ª feira, 24.03, depois que o país entrou em uma interdição virtual para tentar deter a disseminação do coronavírus, mas os trens do metrô de Londres continuam cheios e as ruas estão longe de desertas.

Alguns trabalhadores também continuam a se manter próximos, mesmo depois de o primeiro-ministro, Boris Johnson, ter ordenado na 2ª feira, 23.03, que as pessoas fiquem em casa. Ele também disse que a maioria das lojas precisa fechar e proibiu reuniões sociais.

As restrições, que são inéditas em tempos de paz e durarão ao menos três semanas, visam impedir que o Sistema Nacional de Saúde estatal (NHS) fique sobrecarregado depois que o número de mortes do coronavírus no Reino Unido subiu para 335.

Imagens de redes sociais mostraram trens do metrô de Londres repletos de viajantes, e uma grande rede varejista insinuou que quer se manter aberta. Também houve queixas de que os alertas são confusos ou não foram longe o suficiente.

Punições

"Espero que as pessoas sigam este conselho. Se, por algum motivo, não o fizerem, as penalidades estão aí", disse o ministro do gabinete Michael Gove à BBC TV. "As pessoas precisam ficar em casa para se proteger, para proteger o Sistema Nacional de Saúde e para salvar vidas",

afirmou ele.

Segundo as restrições à circulação, as pessoas só devem sair de casa por motivos muito limitados, como ir a supermercados para obter suprimentos vitais ou para se exercitar uma vez por dia.

Conselhos anteriores para que os britânicos evitem aglomerações foram essencialmente ignorados – pessoas continuaram indo a parques e salões de beleza. Agora a polícia dispersará reuniões de mais de duas pessoas, e eventos sociais como casamentos, mas não funerais, serão impedidos.

Multas

Michael Gove disse que medidas mais rígidas do que multas de 30 libras esterlinas para pessoas que violarem as novas restrições podem ser adotadas.

"Se as pessoas de fato persistirem em se comportar de maneira antissocial, temos medidas mais fortes",

disse ele.

Uma pesquisa do instituto YouGov revelou que 93% dos britânicos apoiam as medidas, mas que há divisões quando se indaga se multas serão uma forma de dissuasão suficiente.A enquete ainda mostrou que 66% acreditam que as regras serão muito fáceis ou bastante fáceis de seguir.



Fonte: AGENCIA BRASIL.Imagem de arquivo.





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
ESPANHA defende Regras Comuns para Circulação de Pessoas pela UE 27/05/2020
ESPANHA defende Regras Comuns para Circulação de Pessoas pela UE
 
ESPANHA amplia relaxamento e quer volta de turistas em julho 25/05/2020
ESPANHA amplia relaxamento e quer volta de turistas em julho
 
EUA têm 98 mil mortos por COVID-19 26/05/2020
EUA têm 98 mil mortos por COVID-19
 
BRASIL já está Pagando Preço pelas Palhaçadas de seu Presidente, diz o Financial Times 25/05/2020
BRASIL já está Pagando Preço pelas Palhaçadas de seu Presidente, diz o Financial Times
 
NACIONALISMO LACAIO: Itamarati justifica Ação Lesiva do Governo Americano contra o Brasil. 25/05/2020
NACIONALISMO LACAIO: Itamarati justifica Ação Lesiva do Governo Americano contra o Brasil.
 
EUA devem proibir Viajantes do Brasil por causa de Pandemia 24/05/2020
EUA devem proibir Viajantes do Brasil por causa de Pandemia
 
TRUMP diz que toma Hidroxicloroquina, apesar de alertas 20/05/2020
TRUMP diz que toma Hidroxicloroquina, apesar de alertas
 
TRUMP: 15/05/2020
TRUMP: "Cortaremos todo o relacionamento com a China"
 
CHINA & EUA próximos de um 'Embate Monstruoso' 14/05/2020
CHINA & EUA próximos de um 'Embate Monstruoso'
 
JAMES JEFFREY: 13/05/2020
JAMES JEFFREY: "Meu trabalho é tornar [a Síria] um Atoleiro para os Russos", disse representante dos EUA
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites