Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

16 de Setembro de 2021 as 04:09:34



EUA, AUSTRÁLIA E REINO UNIDO criam Aliança Militar para combater a CHINA



EUA, Reino Unido e Austrália forjam aliança militar para combater a China
 
Parceria Aukus permitirá que a Austrália tenha submarinos movidos a energia nuclear pela primeira vez
 
Os EUA, o Reino Unido e a Austrália estão estabelecendo uma parceria de segurança trilateral destinada a enfrentar a China,que incluirá ajudar a Austrália a construir submarinos movidos a energia nuclear.
 
A iniciativa, chamada Aukus, foi anunciada em conjunto pelo presidente dos EUA Joe Biden e pelos primeiros-ministros Boris Johnson e Scott Morrison, juntou-se virtualmente por videoconferência. Eles apresentaram-no como o próximo passo crítico em uma velha aliança.
 
Morrison disse que equipes dos três países elaborariam um plano conjunto nos próximos 18 meses para a montagem da nova frota de submarinos movidos a energia nuclear australiana, que será construída em Adelaide. O projeto fará da Austrália apenas o sétimo país do mundo a ter submarinos impulsionados por reatores nucleares.
 
"Isso incluirá um exame intenso do que precisamos fazer para exercer nossas responsabilidades de administração nuclear aqui na Austrália",
 
disse o primeiro-ministro australiano, referindo-se às obrigações do tratado internacional sobre o manuseio do combustível nuclear. Morrison acrescentou:
 
"Mas deixe-me ser claro. A Austrália não está buscando adquirir armas nucleares ou estabelecer uma capacidade nuclear civil."
 
Nenhum dos três líderes mencionou a China, mas não havia dúvida de que a iniciativa era uma resposta ao impulso expansionista da China no Mar do Sul da China e ao aumento da beligerância em relação a Taiwan.
 
"Precisamos ser capazes de abordar tanto o ambiente estratégico atual na região, quanto como ele pode evoluir, porque o futuro de cada uma de nossas nações e, de fato, do mundo, depende de um Indo-Pacífico livre e aberto duradouro e florescendo nas próximas décadas",
 
disse Biden.
 
Falando de Londres, Johnson disse que os três países eram "aliados naturais" embora "possamos estar separados geograficamente" e disse que a aliança criaria "uma nova parceria de defesa e impulsionaria empregos e prosperidade".
 
Voltando-se para o plano australiano de construção de submarinos, Johnson disse:
 
"Este será um dos projetos mais complexos e tecnicamente exigentes do mundo, com duração de décadas e exigindo a tecnologia mais avançada."
 
Um alto funcionário dos EUA descreveu o acordo como "uma decisão fundamental, que vincula decisivamente a Austrália aos Estados Unidos e à Grã-Bretanha por gerações".
 
O acordo prevê o fim de um contrato de US$ 90 bilhões que a Austrália assinou com a empresa francesa Naval Group em 2016. Esse acordo ficou atolado em excesso de custos, atrasos e mudanças de design. Marca um revés para o presidente Emmanuel Macron.
 
"O mundo é uma selva",
 
observou no Twitter o ex-embaixador francês em Washington, Gérard Araud.
 
"A França acaba de ser lembrada dessa amarga verdade pela forma como os EUA e o Reino Unido a esfaquearam pelas costas na Austrália. C'est la vie."
 
O Grupo Naval, [francês], que havia sido contratado para construir 12 submarinos de classe de ataque de última geração, disse que o novo acordo foi uma "grande decepção".
 
A Austrália insiste que não tem intenção de perseguir armas nucleares e que cumprirá o Tratado de Não Proliferação Nuclear (TNP), mas críticos disseram que a decisão ainda pode estimular indiretamente a proliferação de armas.
 
Quaisquer novos submarinos movidos a energia nuclear, que são alimentados com a ajuda de urânio enriquecido, levarão anos – possivelmente mais de uma década – para se desenvolverem. Mas uma vez no mar, o objetivo é colocar a marinha atualmente movida a diesel da Austrália em um par tecnológico com a marinha da China, a maior do mundo.
 
Além da cooperação em tecnologia naval, a parceria envolverá um maior alinhamento das políticas e ações regionais, e maior integração dos militares e das indústrias de defesa dos três aliados. Os três também pretendem trabalhar juntos na guerra cibernética e nas capacidades de inteligência artificial.
 
Autoridades britânicas disseram esperar que o Reino Unido se beneficie das empresas de defesa que fornecem tecnologia para a Austrália. A Rolls-Royce, baseada em Derby, fornece reatores para submarinos da Marinha Real Britânica, que eventualmente são desativados no Reino Unido quando gastos. Mas ainda não está claro como os reatores australianos serão fornecidos ou desativados.
 
No final de 2020
 
A formação de Aukus vem em um momento de crescentes tensões, especialmente sobre o Mar do Sul da China e Taiwan. Um novo livro sobre as últimas semanas do governo Donald Trump disse que no final de 2020 os EUA ficaram preocupados que a China estava cada vez mais convencida de que seria alvo de um ataque preventivo.
 
De acordo com Peril, dos jornalistas do Washington Post Bob Woodward e Robert Costa, o presidente do estado-maior conjunto, general Mark Milley ligou para seu homólogo chinês, Gen Li Zuocheng, duas vezes para tranquilizá-lo de que nenhum ataque aconteceria, e que Milley pessoalmente daria um aviso se Trump emitisse tal ordem.
 
Em julho, o novo porta-aviões do Reino Unido, a Rainha Elizabeth,chegou ao Mar do Sul da China, o ponto focal das tensões EUA-China, desencadeando denúncias de Pequim. O secretário de defesa dos EUA, Lloyd Austin,saudou a implantação na época, mas se perguntou "existem áreas que o Reino Unido pode ser mais útil em outras partes do mundo".
 
Um alto funcionário dos EUA sugeriu que o governo britânico havia pressionado por um papel maior na região.
 
"A Grã-Bretanha está muito focada no conceito de Grã-Bretanha global, e sua inclinação é sobre se envolver muito mais profundamente com o Indo-Pacífico e este é um pagamento baixo sobre esse esforço",
 
disse o funcionário.
 
Até agora, os EUA só compartilharam sua tecnologia de propulsão nuclear com o Reino Unido, em um acordo que remonta a 1958, mas um alto funcionário dos EUA disse :
 
"Este é um conjunto único de circunstâncias".
 
A energia nuclear permitirá que submarinos de ataque australianos permaneçam no mar por até cinco meses e operem mais silenciosamente do que os navios movidos a diesel da classe Collins existentes, permitindo-lhes evitar melhor a detecção inimiga.
 
Alguns críticos do acordo advertem que ele abre um precedente perigoso para os países explorarem uma brecha no NPT. O tratado permite que países não nucleares construam submarinos movidos a energia nuclear, e removam o material físsil que precisam para os reatores submarinos do estoque monitorado pelo cão de guarda global, a Agência Internacional de Energia Atômica, abrindo a possibilidade de ser desviado para fabricar armas. A Austrália seria o primeiro país a fazer uso da brecha.
 
"Minha preocupação não é que a Austrália use indevidamente o material nuclear que lhes demos e use a brecha para construir armas nucleares",
 
disse James Acton, co-presidente do programa de política nuclear do Carnegie Endowment for International Peace.
 
"Minha preocupação é que isso abre um terrível precedente que outros países poderiam abusar." O Irã é o exemplo óbvio aqui. Nós iríamos de sacanagens se o Irã removesse o material nuclear das salvaguardas."
 
"Isso só aconteceu uma vez antes na história, quando os EUA ajudaram o Reino Unido a desenvolver seus primeiros submarinos movidos a energia nuclear."
 
afirmou David Cullen, do Serviço de Informações Nucleares.
 
"O interessante é que os EUA parecem ter jogado um osso no Reino Unido, permitindo que a Grã-Bretanha ajude a projetar e construir os novos submarinos australianos",
 
disse Cullen.
 
"A questão será como os australianos serão fornecidos e se eles querem desenvolver sua própria capacidade nuclear para enriquecer o combustível de urânio."
 
Fontes britânicas disseram que as conversas sobre o acordo de energia nuclear foram iniciadas pelos australianos em março.
 

David Cullen, do Serviço de Informações Nucleares.



Fonte: THE GUARDIAN. JULIAN BORGER. Tradução e copidescagem da Redação JF,





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
DEU NO NYT - CPI do Senado suavizou acusações contra Bolsonaro 20/10/2021
DEU NO NYT - CPI do Senado suavizou acusações contra Bolsonaro
 
DEU NO THE GUARDIAN: 20/10/2021
DEU NO THE GUARDIAN: "Bolsonaro deve ser acusado de crimes contra a humanidade", diz inquérito de Covid
 
GÁS - Reservas europeias são as Mais Baixas da Década 19/10/2021
GÁS - Reservas europeias são as Mais Baixas da Década
 
EBOLA - 5 Novos Casos diagnosticados no CONGO, segundo a OMS 19/10/2021
EBOLA - 5 Novos Casos diagnosticados no CONGO, segundo a OMS
 
COLIN POWELL Grande General e Político dos EUA morre aos 84 anos de Complicações de Covid 18/10/2021
COLIN POWELL Grande General e Político dos EUA morre aos 84 anos de Complicações de Covid
 
PETRÓLEO - Petroleiras Estatais aumentam a produção; as Privadas, diminuem 18/10/2021
PETRÓLEO - Petroleiras Estatais aumentam a produção; as Privadas, diminuem
 
DEU NO NYT - Entenda a Nova Economia da CHINA 18/10/2021
DEU NO NYT - Entenda a Nova Economia da CHINA
 
PESTE SUÍNA confirmada nas Américas, às portas dos EUA, há 2 meses 18/10/2021
PESTE SUÍNA confirmada nas Américas, às portas dos EUA, há 2 meses
 
BILL CLINTON têm Alta do Hospital após tratamento de infecção 18/10/2021
BILL CLINTON têm Alta do Hospital após tratamento de infecção
 
CAPITÃO KIRK - Ator William Shatner faz Viagem Espacial nesta 2ª, pela Blue Origin 13/10/2021
CAPITÃO KIRK - Ator William Shatner faz Viagem Espacial nesta 2ª, pela Blue Origin
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites