Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Internacional

21 de Janeiro de 2022 as 10:01:31



XI JINPING interpreta o "Homem de Davos", por Pepe Escobar [Imperdível]!


Xi Jinping interpreta o homem de Davos
Pepe Escobar • 19.01.2022
 
Um Ocidente coletivo "liderado" por mediocridades indescritíveis olha para a parceria estratégica Rússia-China como se fosse algo como um Anti-Cristo de duas cabeças. Xi, por sua vez, parece não estar impressionado.
 
O discurso virtual e especial do presidente Xi Jinping à Agenda de Davos do Fórum Econômico Mundial de 2022 exibe todos os elementos de um enigma dentro de um enigma.
 
Em um primeiro momento, poderia certamente ser interpretado como uma mensagem simultânea ao Império do Caos e à opinião pública global.
 
Muito mais do que prescrever "doses efetivas contra o unilateralismo, o desacoplamento e o antagonismo ideológico" – alusões não tão sutis aos suspeitos habituais –, Xi, acima de tudo, posicionou a China como o indispensável condutor da Globalização 2.0.
 
O discurso foi simultâneo ao anúncio do crescimento do PIB da China em 8,1%, em 2021, e ao comércio de commodities atingindo novos patamares: pelo 8ª ano consecutivo, o centro da manufatura global é o maior exportador mundial.
 
A implementação da maior zona de livre comércio, a RCEP Parceria Econômica Abrangente Regional em toda a Ásia-Pacífico, apenas solidificará a tendência.
 
Aumentou 23,6% o comércio com a miríade de nações parceiras da 'Nova Rota da Seda', a Iniciativa Cinturão e Estrada (BRI) – e isso significa essencialmente o aumento do comércio global do Sul. O investimento estrangeiro direto (IED) na China aumentou 20,2%, em termos de dólar: mais uma vez, como em 2020, a China foi o principal destino do FDI no planeta.
 
Todo o cenário comercial deve melhorar ainda mais em 2022, quando o Acordo Abrangente China-UE sobre investimento (CAI) for plenamente ratificado. A França, atualmente presidente do Conselho da UE, é manifestamente a favor.
 
Compondo as tendências, o PIB per capita da China atingiu US$12.551, crucialmente acima da notória "armadilha da renda média"; acima da média global do PIB per capita; e entrando agora em território de "países de alta renda", como definido pelo Banco Mundial.
 
Foi inconfundível a mensagem-chave de Xi Jinping, quando se trata de abordar "Davos Man" – a marca registrada do público WEF World Economic Forum: a China é e continuará a ser o mais seguro dos portos para o capital global. Os Mestres do Universo – de BlackRock para baixo – acenaram com sua aprovação.
 
Mas, então, há "contracorrentes". E aquela crise sinistra e iminente da economia global.
 
Leve-me para o rio
 
Entramos agora no enigma mais profundo de quão interpenetrada a visão de Xi Jiping e a agenda de Davos podem, ou não, ser.
 
O tema principal de Xi é o multilateralismo. E esse é o contexto em que ele introduziu sua rica metáfora de "contracorrente". Xi de fato tomou o coletivo do Ocidente como "contracorrente" no rio da História – incapaz de parar o fluxo inexorável para o mar.
 
No entanto, essa "contracorrente", como Xi as define, não está apenas tentando parar o fluxo de globalização econômica. Xi deixa sutilmente implícito que  está tentando parar o fluxo da Globalização 2.0 liderado pela China: uma economia muito forte trabalhando em conjunto com uma política indiscutivelmente bem sucedida de "Zero Covid".
 
Ele nem precisou se referir ao Ocidente. Ele só precisou sugerir que a China forjou sua própria maneira de enfrentar os desafios atuais. E o jeito chinês bate o jeito do Ocidente.
 
A economia global está sendo confrontada, em todos os quadrantes, pela escassez de mão-de-obra – de trabalhadores da colheita agrícola a caminhoneiros e caixas de supermercados. Dispararam os custos de tudo, desde matérias-primas até transporte de contêineres. As cadeias de suprimentos estão terrivelmente estendidas e, em muitos casos, quebradas.
 
A narrativa hegemônica culpa exclusivamente as variantes da Covid-19 pela possibilidade real de causar o colapso da cadeia de suprimentos na maior parte do planeta em 2022.
 
Em contrapartida, variantes da análise de guerrilha sustentam que a economia global está sendo deliberadamente empurrada para o penhasco. A quebra da cadeia de suprimentos está sendo facilitada pelas multi-restrições da "guerra contra Covid"  – que subverte diretamente a produção, o comércio e os serviços.
 
O Capital Global nunca permitiria um debate público abrangente sobre o papel tóxico do sistema financeiro – que tem sido mantido sob respiração artificial desde 2008, com os bancos centrais desencadeando "helicopter money" (tempestades de dinheiro), inflando os mercados imobiliários, os mercados de ações, os preços de metais preciosos. Na vida real, o que é quase inevitável no horizonte é o estouro de uma enorme bolha imobiliária e de ações em todo o Ocidente.
 
Um colapso de fato da economia global proporcionaria a "oportunidade" final (terminologia de Klaus Schwab) para o Grande Reset do WEF World Economic Forum – que continua sendo a verdadeira Agenda de Davos. Mas de acordo com o evangelho hegemônico, isso aconteceria por causa de Covid – não por causa da implosão do cassino financeiro.
 
Por quase dois anos, vivemos a consagração progressiva do tecno-feudalismo – um dos temas mais abrangentes do meu último livro, Raging Twenties.
 
Em velocidade relâmpago, o vírus tecno-feudalismo metástizado em uma variante ainda mais letal e selvagem, com cultura de cancelamento imposta pela Big Tech em todo o espectro de ciência degradada como notícias falsas através das mídias sociais.
 
O cidadão comum, desconcertado  ao ponto da lobotomia. Giorgio Agamben definiu todo o processo como um novo totalitarismo.
 
O que o Capital realmente quer?
 
Está aberto a debater até que ponto Xi realmente endossa a "oportunidade" final oferecida pela Covid-19: um Grande Reset que essencialmente se refere à substituição de uma base de fabricação em declínio pela automação, em conjunto com um reset do sistema financeiro.
 
O pensamento positivo concomitante prevê uma economia global que "se aproximará de um modelo capitalista mais limpo", como incorporado, por exemplo, no deliciosamente benigno Conselho para o Capitalismo Inclusivo em parceria com a Igreja Católica.
 
Coube a William Engdahl fazer a pergunta crucial: o Federal Reserve quebrará os mercados financeiros globais como meio de implementar seu "Grande Reset"?
 
Xi Jinping usar Davos como uma conveniente plataforma de República Popular não significa necessariamente que a China subscreve a Agenda de Davos. Davos, afinal, não tem nada a ver com o multilateralismo.
 
Em dezembro passado, o WEF World Economic Forum realmente adiou Davos 2022 de janeiro para o início do verão. Resta saber se isso pode ter algo a ver com o advento do Cyber Polygon, uma pandemia cibernética criada pelo WEF em julho de 2021.
 
O próprio Herr Schwab definiu como "um ataque cibernético abrangente [que] poderia trazer uma parada completa para o fornecimento de energia, transporte, serviços hospitalares, nossa sociedade como um todo. A crise do Covid-19 seria vista a este respeito como uma pequena perturbação em comparação com um grande ataque cibernético."
 
Assim, nossa situação atual – global – pode ser apenas uma "pequena perturbação" em comparação com o que vem a seguir. E a jogada já foi feita.
 
Ninguém, de Zeus a Shiva, sabe o que vem a seguir – além da expansão da OTAN para o espaço sideral. No entanto, é muito revelador que a nítida possibilidade de crise econômica global – enquanto Xi promove a Globalização 2.0, liderada pela China – delineia-se simultaneamente a OTAN provocando a Rússia para guerra e os EUA demonizando a China para o Reino do Futuro.
 
Um Ocidente coletivo "liderado" por mediocridades indescritíveis olha para a parceria estratégica Rússia-China como se fosse algo como um Anti-Cristo de duas cabeças. Xi Jinping, por sua vez, parece não estar impressionado: vendo o rio fluir, como um Bob Dylan taoísta, ele simplesmente acabou de descartar essas meras "contracorrentes" com um aceno de sua mão.


Fonte: THE UNZ REVIEW, PEPE ESCOBAR. Tradução da Redacao JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
SISTEMA SWIFT - Hong Kong faz Planos de Emergência para enfrentar Sanções 20/05/2022
SISTEMA SWIFT - Hong Kong faz Planos de Emergência para enfrentar Sanções
 
BIPIN RAWAT - Inquérito Judicial investiga Morte Suspeita do Comandante das Forças Armadas da Índia 15/01/2022
BIPIN RAWAT - Inquérito Judicial investiga Morte Suspeita do Comandante das Forças Armadas da Índia
 
KISSINGER: 'Vivemos uma Era Totalmente Nova'  - IMPERDÍVEL - 16/05/2022
KISSINGER: 'Vivemos uma Era Totalmente Nova' - IMPERDÍVEL -
 
E se CHINA e JAPÃO despejarem no mercado seus Títulos do Tesouro dos EUA? IMPERDÍVEL ! 15/05/2022
E se CHINA e JAPÃO despejarem no mercado seus Títulos do Tesouro dos EUA? IMPERDÍVEL !
 
DISCURSO DE PUTIN na Parada Militar da Vitória, em 09.05.2022 10/05/2022
DISCURSO DE PUTIN na Parada Militar da Vitória, em 09.05.2022
 
 LAVROV explica O Que Está em Jogo na Ucrânia 08/05/2022
LAVROV explica O Que Está em Jogo na Ucrânia
 
SANÇÕES Nada Adiantam contra a RÚSSIA, disse a Ex-presidente da LITUÂNIA 05/05/2022
SANÇÕES Nada Adiantam contra a RÚSSIA, disse a Ex-presidente da LITUÂNIA
 
AZOVSTAL Civis libertados relatam que eram Reféns dos Nazis do Batalhão Azov 04/05/2022
AZOVSTAL Civis libertados relatam que eram Reféns dos Nazis do Batalhão Azov
 
AZOVSTAL Psiquê dos Neonazistas Acantonados na Siderúrgica em MARIUPOL 04/05/2022
AZOVSTAL Psiquê dos Neonazistas Acantonados na Siderúrgica em MARIUPOL
 
POLÔNIA tem planos para tomar território da UCRÂNIA. 03/05/2022
POLÔNIA tem planos para tomar território da UCRÂNIA.
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites