Home   |   Expediente   |   Publicidade   |   Cadastre-se   |   Fale Conosco             

Economia e Finanças

31 de Janeiro de 2024 as 08:31:04



COPOM decide Corte da Taxa SELIC nesta 4ª feira


 
Copom decide nesta quarta corte dos juros básicos da economia
Taxa Selic, em 11,75% ao ano, deve cair em 0,5 ponto percentual
 
4ª feira, 31.01.2024
 
O COPOM Comitê de Política Monetária do Banco Central (BC) decide nesta 4ª feira, 31.01, o corte na taxa básica de juros, a Selic.
 
Mesmo com a recente alta do dólar e com os juros altos nos EUA, o órgão deve reduzir a Selic, atualmente em 11,75% ao ano, para 11,25% ao ano. Esse será o quinto corte desde agosto, quando a autoridade monetária interrompeu o ciclo de aperto monetário.
 
Nos comunicados das últimas reuniões, o Copom tinha informado que os diretores do BC e o presidente do órgão, Roberto Campos Neto, tinham previsto, por unanimidade cortes de 0,5 ponto percentual nos próximos encontros.
 
Segundo a edição mais recente do boletim Focus, pesquisa semanal com analistas de mercado, a taxa básica deve realmente cair 0,5 ponto percentual. A expectativa do mercado financeiro é que a Selic encerre o ano em 9% ao ano. Nesta quarta-feira, ao fim do dia, o Copom anunciará a decisão.
 
Inflação
 
Na ata da última reunião, em dezembro, o Copom mostrou preocupação com as contas públicas. O colegiado também apontou riscos de um eventual repique do IPCA Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, que mede a inflação oficial.
 
O Copom avaliou que parte da incerteza observada nos mercados, com reflexo nas expectativas de inflação, está em torno da capacidade do governo de executar as medidas de receita e despesas compatíveis com o arcabouço fiscal. No mercado internacional, a perspectiva de alta de juros nos Estados Unidos e a guerra entre Israel e o grupo palestino Hamas dificultam a tarefa do BC de baixar os juros em 0,5 ponto por longo tempo.
 
Segundo o último boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras feita pelo BC, a estimativa de inflação para 2024 caiu de 3,86% para 3,81%. Índice representa inflação dentro do intervalo da meta estabelecida pelo CMN Conselho Monetário Nacional, de 3% para este ano, podendo chegar a 4,5% por causa do intervalo de tolerância de 1,5 ponto.
 
Em dezembro, puxado por alimentos e bebidas, o IPCA ficou em 0,56%, segundo o IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mesmo com a pressão dos combustíveis, o indicador ficou dentro das expectativas do boletim Focus. Com o resultado, o indicador acumulou alta de 4,62% em 2023.
 
Taxa Selic
 
A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos emitidos pelo Tesouro Nacional no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas da economia. Ela é o principal instrumento do Banco Central para manter a inflação sob controle. O BC atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima do valor definido na reunião.
 
O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia do encontro, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e as perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, analisam as possibilidades e definem a Selic.
 
Meta
 
Para 2024, a meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é 3%, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, o limite inferior é 1,5% e o superior é 4,5%. Para 2025 e 2026, as metas também são de 3% para os dois anos, com o mesmo intervalo de tolerância.
 
No último Relatório de Inflação, divulgado no fim de dezembro pelo Banco Central, a autoridade monetária manteve a previsão de que o IPCA termine 2024 em 3,5%, dentro da meta de inflação. O próximo relatório será divulgado no fim de março.
 
Matéria alterada às 9h35 para corrigir informação no terceiro parágrafo: expectativa do mercado é que Selic encerre 2024 em 9% ao ano – e não 11,25%, como informado inicialmente.


Fonte: AGENCIA BRASIL. Copidescagem da Redação JF





Indique a um amigo     Imprimir     Comentar notícia

>> Últimos comentários

NOTÍCIAS DA FRANQUEADORA E EMPRESAS DO SEGMENTO


  Outras notícias.
DÓLAR sobe a R$ 5,12 em 12.04; e IBOVESPA cai 1,14% com inflação nos EUA 12/04/2024
DÓLAR sobe a R$ 5,12 em 12.04; e IBOVESPA cai 1,14% com inflação nos EUA
 
BC teve Prejuízo de R$ 114,2 Bilhões em 2023 ... mesmo assim ... 12/04/2024
BC teve Prejuízo de R$ 114,2 Bilhões em 2023 ... mesmo assim ...
 
DÓLAR sobe a R$ 5,09, em 11.04; e IBOVESPA cai a 0,51% a 127.396 pontos 12/04/2024
DÓLAR sobe a R$ 5,09, em 11.04; e IBOVESPA cai a 0,51% a 127.396 pontos
 
Senado aprova urgência para o Projeto de Lei que amplia a Faixa de ISENÇÃO DE IR 11/04/2024
Senado aprova urgência para o Projeto de Lei que amplia a Faixa de ISENÇÃO DE IR
 
INFLAÇÃO Oficial recua para 0,16% em março, diz IBGE 11/04/2024
INFLAÇÃO Oficial recua para 0,16% em março, diz IBGE
 
Bancos promovem Mutirão de Negociação Financeira até 15 de abril 11/04/2024
Bancos promovem Mutirão de Negociação Financeira até 15 de abril
 
DÓLAR soba a R$5,077 e IBOVESPA cai 1,4% por conta da inflação nos EUA 01/04/2024
DÓLAR soba a R$5,077 e IBOVESPA cai 1,4% por conta da inflação nos EUA
 
PETROBRAS anuncia Nova Descoberta de Petróleo na Margem Equatorial 09/04/2024
PETROBRAS anuncia Nova Descoberta de Petróleo na Margem Equatorial
 
BALANÇA COMERCIAL tem Superávit de US$ 7,5 Bilhões em março 04/04/2024
BALANÇA COMERCIAL tem Superávit de US$ 7,5 Bilhões em março
 
RECEITA estabelece Parcelamento de Débito por Ajuda Indevida do ICMS 04/04/2024
RECEITA estabelece Parcelamento de Débito por Ajuda Indevida do ICMS
 
Escolha do Editor
Curtas & Palpites